quinta-feira, 6 de abril de 2017

Promiscuidade e improbidade na PF e Lava Jato


Parceiro no filme e inocentado na Carne Fraca

Marcelo Auler


No facebook aparece um dos primeiros parceiros da produção do filme "Polícia Federal: A Lei é Para todos": O Grupo Madero, inocentado na Carne Fraca.
Marcelo Auler

No facebook aparece um dos primeiros parceiros da produção do filme "Polícia Federal: A Lei é Para todos": O Grupo Madero, inocentado na Carne Fraca. Em um jantar com atores e produtores, a presença do DRCOR da Polícia Federal no Paraná, delegado Igor Romário de Paulo (marcado)

No facebook aparece um dos primeiros parceiros da produção do filme "Polícia Federal: A Lei é Para todos": O Grupo Madero, inocentado na Carne Fraca. Em um jantar com atores e produtores, a presença do DRCOR da Polícia Federal no Paraná, delegado Igor Romário de Paulo (marcado)


A desastrada entrevista da Polícia Federal sobre a Operação Carne Fraca conseguiu derrubar – pelo menos temporariamente – as exportações de carne do país. Aos poucos, porém, como o próprio juiz do caso, Marcos Josegrei, da 14ª Vara Federal de Curitiba, fez questão de esclarecer, descobriu-se que as investigações não eram sobre a qualidade da carne, mas as extorsões praticadas por fiscais do Ministério da Agricultura e as propinas pagas por frigoríficos e estabelecimentos industriais/comerciais. A explicação, porém, chegou tarde e o estrago estava feito. Grandes grupos como JBS e RBS foram diretamente atingidos.

Estranhamente, na hora em que apareceu uma outra grande empresa – o Grupo Madero, com sede no Paraná – revelando um cuidado que não teve antes, a Polícia Federal de Curitiba fez questão de apontá-la como vítima. Através de um de seus porta-vozes extra oficiais, o Estado de S. Paulo, delegados esclareceram:

“Dois fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, alvos de mandados de prisão na Operação Carne Fraca, ‘apropriavam-se’ de hambúrgueres, picanhas e filés mignon do restaurante Madero. Segundo os investigadores, antes de exigir propina em dinheiro, os inspetores Renato Menon e Celso Dittert de Camargo se serviam à farta de carnes nobres“. (Estadão, 18 Março 2017, Fiscais da Carne Fraca ‘apropriavam-se’ de carnes nobres e propinas).

Pode ser mera coincidência. O Grupo Madero – que os federais fizeram questão de inocentar, ao contrário dos demais grupos – aparece nas páginas do Facebook do filme “Polícia Federal, a Lei é para todos” como um dos parceiros da produção do longa metragem, como mostra a foto acima. Verdade que a postagem é de novembro de 2016, mas isto significa que enquanto aconteciam as investigações da Operação Carne Fraca, policiais federais, como Igor Rosário de Paulo, o Delegado Regional de Combate ao Crime Organizado (DRCOR) da Superintendência do DPF no Paraná, frequentava o restaurante e se confraternizava com seu “chef” e os atores da filmagem. É de se questionar, àquela altura, já haviam inocentado o Grupo Madero? Por que a extorsão ao mesmo não foi divulgada na entrevista coletiva, mas somente dias depois? Iriam tentar esconder?

 Na págvina do Facebook do filme, a foto de filmagens feitas dentro do gabinete do superintendente do DPF no Rio de Janeiro

Na página do Facebook do filme, a foto de filmagens feitas dentro do gabinete do superintendente do DPF no Rio de Janeiro

A página do Facebook não apenas revela um primeiro “parceiro” – ou “apoiador”, como eles preferem – do filme, algo que vem sendo guardado a sete chaves. Um outro jantar, só com atores, ocorreu em dezembro em restaurante do Grupo Madero.

As fotos do Facebook também demonstram que a estrutura da polícia Federal está sendo usada para as filmagens. E não apenas da Superintendência do Paraná. Quem conhece o velho e reformado prédio da Superintendência do Rio de Janeiro, onde outrora foi o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) da ditadura getulista, reconhece na foto ao lado a suntuosa sala do superintendente do Rio.

Não é só. Há ainda fotos de cenas gravadas com viaturas aparentemente oficiais do DPF. Aliás, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) até hoje não conseguiu resposta ao pedido de informações que protocolou em fevereiro, junto ao diretor-geral do DPF, Leandro Daiello, questionando como se deu a autorização para uso destes equipamentos, armas, o brasão oficial e o crachá da corporação.

No Facebook a foto de viaturas caracterizadas da Polícia Federal sendo usadas nas filmagens. São oficiais?, quis saber Paulo Pimenta, sem merecer resposta.

No Facebook a foto de viaturas caracterizadas da Polícia Federal sendo usadas nas filmagens. São oficiais?, quis saber Paulo Pimenta, sem merecer resposta.


Nesta quarta-feira (05/04) à tarde, ele e o deputado Wadih Damous (PT-RJ) darão coletiva em Brasília com novas cobranças. Prometem revelar, inclusive alguns nomes de agentes do DPF que viajaram, com carros da corporação, de Curitiba para São Paulo, no último carnaval, de forma a participarem da filmagem, como noticiamos em: Filme chapa branca, com verba pública.

Sem terem como convocar Daiello – apenas podem convidar servidores do segundo escalão -, os parlamentares convocarão o ministro da Justiça, Osmar Serraglio para esclarecer o que o diretor-geral não esclareceu.

Como esclarecemos na reportagem citada acima, os produtores do filme evitam falar nos patrocinadores do mesmo. Fazem mistério. Mas não esconderam que a versão a ser levada às telas será a oficial. Nada de levantar questões emblemáticas, como a do grampo encontrado na cela de Alberto Youssef no início da Operação, nem o papel de Meire Poza, tampouco a sindicância forjada presidida pelo delegado Mauricio Grillo. O filme, que classificamos de Chapa Branca, tentará solidificar junto à opinião pública que a Lava Jato ocorrem sem intempéries.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.