terça-feira, 22 de abril de 2014

Israel afunda na miséria

Sanguessugado do Bourdoukan

                             Em Israel pedem comida

Desemprego, fome, miséria e exclusão fazem parte do cardápio diário da sociedade israelense.

Já não se vê mais a luz no fim do túnel.

Os israelenses que podem estão abandonando o país em busca de novos horizontes.

Muitos gostariam de retornar a seus países de origem, no entanto com o fim do socialismo eles não  conseguirão sobreviver.

Antes eles sempre recorriam aos Estados Unidos para complementar suas rendas.

Mas com a crise que assola aquele país as torneiras estão fechadas.

                                             Nos Estados Unidos fila da sopa...

Até os “cristãos sionistas” estão deixando de enviar recursos.

E a mídia, qual tem sido o comportamento da mídia?

Total falta de credibilidade.

Mentiras e manipulação.

Ignorou durante mais de um mês as manifestações em Israel que pediam solução para uma realidade tão grave.

E nessas manifestações não havia apenas mil ou duas mil pessoas.

Mais de 500 mil, 700 mil e um milhão os protestos diários.

E só a mídia e seus agentes não conseguiram enxergar essas manifestações.

E agora ela está mais preocupada em assacar mentiras contra o Estado Palestino.

E justiça seja feita.

A BBC tem sido uma das lideres dessas mentiras e manipulações.

Em seus textos manipula os próprio dados para no final( e alguém consegue ler seus textos ate o final?) apresentar dados que contrariam suas letras.

Igualzinho ao que os dirigentes de Israel fazem quando mencionam a palavra”paz”.

São favoráveis a tudo, menos à paz.

Invadem sua casa, assassinam sua família e aí te intimam para “negociar a paz”.

E quando você reage te chamam de terrorista.

Essa tem sido a História da Palestina desde a criação do Estado de Israel.

Sempre com apoio dessa excrescência denominada mídia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.