terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Perdeu, Cabral: Aldeia Maracanã está salva.

Via Jornal do Brasil

Governo do Estado desiste de demolir Aldeia Maracanã

Prevaleceu o bom senso. O governador Sérgio Cabral decidiu não mais demolir o prédio, construído em 1862 e que durante muito tempo abrigou o Serviço de Proteção  aos Índios (SPI), depois transformado em Funai e, até 1978, foi a sede do Museu do Índio. A assessoria do Palácio Guanabara confirmou na manhã desta segunda-feira (28) que não mais haverá a demolição do prédio que, desde 2006, é ponto de referência na cidade do rio de Janeiro aos indígenas que aqui chegam e se hospedam na chamada “Aldeia Maracanã”.

Os indígenas estão resistindo no prédio desde que o governo do Estado falou em derrubá-lo para construir praças, estacionamentos e possíveis shoppings no entorno do estádio do Maracanã com vistas à Copa do Mundo, em 2014. Provavelmente, a decisão do governo tenha relação com a decisão do juiz André Felipe Alves da Costa Prednnick, da Vara do Plantão Judicial, que no sábado (26) concedeu um a liminar impedindo a demolição do prédio.

A decisão do juiz Tredinnick, no processo de número 0027898-29.2013.8.19.0001, obriga o Estado a não realizar a demolição do prédio, mesmo tendo entregado uma ordem de despejo aos índios da Aldeia, com prazo máximo até este domingo (27). Além disso, a liminar também determina que caso venha a ser descumprida, poderá ser aplicada uma multa de R$ 60 milhões, "determinando ainda a citação dos réus e sua intimação para cumprimento da liminar".

Um outro fator que deve ter pesado na decisão do governador foi as manifestações públicas em defesa da permanência da Aldeia no local. A última delas partiu da ministra da Cultura, Marta Suplicy. Mas os índios contaram ainda com a solidariedade de Chico Buarque de Holanda, Milton Nascimento, Caetano Veloso e Letícia Sabatella, entre outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.