quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Uma penca de más notícias para um só dia

Sanguessugado do Luta que Segue

Poucos dias acumulam um noticiário tão ruim, em termos de interesse social e obrigações republicanas dos ditos “homens públicos” que compõem os eixos hegemônicos de poder, quanto esse 19/12/2012.

1- O grande capital não falha na proteção aos que os protegem. Além dos governadores aliados, Roberto Setubal o maior banqueiro brasileiro (Itaú) , fez questão de bater ponto na reunião de desagravo a Lula, pela onda de evidências desagradáveis que contra ele vêm se registrando nos últimos dias. Tem lógica. Como faz questão de afirmar o próprio Lula, “nunca eles ganharam tanto dinheiro quanto em meu governo”. E as cifras confirmam.

Neste ano, em nove meses, Itaú e Bradesco, sozinhos, tiveram de lucro financeiro – financeiro, repito. Ou seja; especulativos – correspondente a quatro vezes e meia daquilo que o governo federal, generoso, vai despender no Bolsa Família para 13 milhões de lares miseráveis, que se “locupletarão” com o aporte mensal de R$ 124,00.

2- A CPI do Cachoeira terminou em geléia geral, com o assentimento do “moralista” sempre de plantão no Jornal Nacional, senador tucano Alvaro Dias, na cumplicidade dos grupos que se uniram para livrar a situação de dois dos mais comprometidos pelas quebras de sigilo na Comissão – Marconi Pirillo e a dobradinha Cavendish/ Cabral Filho. Caracterizar a aprovação de um documento de duas páginas se contrapondo às milhares elaboradas pelo relator petista Odair Cunha como formação de quadrilha é o mínimo a definir. Mas bem feito para Odair; topou o jogo sujo e terminou abandonado pelos seus, principalmente Lula, autor da idéia da CPI, e que dela se afastou quando constatou ter dado um tiro no pé. Sua brilhante idéia nem aliviou o mensalão no Supremo, nem se concentrou em Marconi Pirillo, como era o objetivo inicial.

3- No Rio, registrou-se a invasão de Donald Trump Jr, filho do empresário-factóide que mais investiu politicamente na campanha Mitt Romney (financeiramente a medalha ficou com um dono de cassino, preocupado em eleger o que tivesse a linha mais dura no apoio a Israel e sua ocupação da Palestina). Ficou um dia somente, mas o necessário para fechar os últimos acordos para a bandalheira da construção de cinco torres de 50 andares na Zona Portuária. Bandalheira da grossa. Atentado contra uma região histórica, incapaz de receber o fluxo de transportes e de infra-estrutura necessários ao atendimento dessa tragédia urbanística. Mais uma das tenebrosas transações de Eduardo Paes, o enfant-gaté do Planalto. O predador das áreas e reservas que deveriam ser preservadas, e que vão sendo entregues acintosamente à grande especulação imobiliária predadora.

4- Em Brasília, é Anelo Queiroz quem desempenha o papel de Dudu Paes, ao contratar em tempo recorde, e sem licitação, uma empresa “urbanística” de Cingapura para elaborar um plano revisor do projeto urbanístico de Brasília. Um governador neoPTista metendo um punhal na memória de Lucio Costa e Oscar Niemeyer, planejadores e realizadores da cidade, tarefa para a qual foram escolhidos após licitação promovida pelo governo Kubitschek. Mais tenebrosas transações na incessante cadeia de guinadas ideológicas de um partido que já foi exemplo internacional de instrumento eficaz de lutas sociais.

5- Last but not least, é dos Estados Unidos que vem a última “surpresa”. Carolina do Sul, estado marcado pela história segregacionista da potencia do norte, vai eleger seu primeiro senador negro. Nada demais, não fora ele um dos bastiões da linha mais reacionária e conservadora, financeiramente, do Partido Republicano, como ainda um dos mais integrados no Tea Party, o movimento xenófobo, medieval, alinhado com o que há de mais raivoso e assustador no chamado senso comum do americano médio. Há canalhas de todos os tipos, para todos os papéis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.