sábado, 22 de dezembro de 2012

Menos consumo e mais vida

Via Diario Liberdade

Marcus Eduardo de Oliveira

Preservar significa, grosso modo, “não destruir” e, “não destruir” assegura, na prática, a possibilidade de continuarmos com nossa existência livre, leve e solta desfrutando as maravilhas oferecidas pela Mãe Natureza. 

  O desafio que se coloca, em tempos atuais, para os que desejam “viver” uma vida mais fraterna e menos desigual, mais digna, menos injusta e ambientalmente saudável, passa, indubitavelmente, por derrubar o atual modelo econômico embasado no consumo desenfreado alimentado por taxas de crescimento econômico superficiais, erroneamente confundidas com desenvolvimento social.

Outro desafio, não menos importante, é colocar em pauta as premissas de um novo modelo econômico que seja capaz, per si, de conciliar a macroeconomia convencional com a questão ambiental. Fazemos alusão a um modelo de consumo, de vida e de produção que se afaste, definitivamente, da sanha consumista que impera no cotidiano de várias sociedades. Que a economia – enquanto ciência – possa também amadurecer o suficiente para esclarecer seus adeptos que consumir menos é, na prática, não agredir o meio ambiente, essa base de riqueza natural de onde provêm os recursos necessários à capacidade produtiva.

Definitivamente, há que prevalecer entre todos (agentes econômicos, governo, pessoas e empresas) o entendimento de que menos consumo é sinônimo de mais vida. Menos consumo permite uma não agressão constante à natureza, tanto no ato da extração, quanto no descarte de produtos (poluição de resíduos). Isso significa vida com qualidade à medida que a palavra “consumir” tem seu significado etimológico ligado ao conceito “destruir”. Decorre daí a imprescindível importância em frear à expansão consumista, alimentada por modelos de produção que correm soltos pelas bases de um custo brutal verificado na destruição dos elementares serviços ecossistêmicos.

Esse modelo econômico patrocinador dessa destruição ambiental muito em voga nas sociedades capitalistas que continuam confundindo crescimento (quantidade) com desenvolvimento (qualidade) não pode mais continuar. O preço de não termos, em tempos pretéritos, discutido e aprofundado essa questão nos custou nos dias que correm a depleção/destruição do meio natural. O resultado aí está: morte de variadas espécies animais e vegetais, desmatamento, poluição atmosférica, contaminação de rios e afluentes, maré vermelha, chuva ácida. Mais desequilíbrios? Que tal lembrarmos-nos do derramamento de óleo no Golfo do México, em abril de 2010; do derramamento de 257 mil barris de petróleo dos navios Exxon Valdez e Prestige, na costa do Alasca, em 1989 e 2002, respectivamente, causando a morte, segundo estimativas, de 250 mil pássaros marinhos, 2,8 mil lontras marinhas, 250 águias, 22 orcas e mais bilhões de ovos de salmão.

Poucos anos atrás, a construção da Central Termoelétrica de Candiota provocou chuva ácida em terras uruguaias. Kloetzel, na obra “O que é meio ambiente”, assim relata esse fato: “A quinta parte do Uruguai, uma superfície de 33 mil quilômetros quadrados, já está sendo afetada pela chuva ácida decorrente da Central Termoelétrica de Candiota. Um informe apresentado ao governo uruguaio por um grupo de cientistas denunciou a gravidade do problema, que alcançará níveis intoleráveis caso se efetive a ampliação da Central. Em Meio, na fronteira com o Brasil e a 40 quilômteros da Central, a acidez da água da chuva chegou a 3 pH, a mesma do vinagre”.

Se não fosse a limitação de espaços aqui, a lista desses desajustes ambientais prosseguiria com os seguintes exemplos: esgotamento de reservas pesqueiras; mais da metade dos rios do mundo em elevado estágio de poluição; vazamentos de resíduos nucleares; derramamentos de cianureto e mercúrio para a produção de ouro; poluição tóxica e a diminuição do fitoplâncton dos mares (responsável pela produção de uma quantidade significativa do oxigênio que respiramos).

Com tudo isso, os ecossistemas naturais são fragmentados e degradados numa velocidade assustadora. Apenas um único exemplo: das 17 reservas pesqueiras oceânicas conhecidas no mundo, mais de 60% apresentam uma retirada de peixes mais acelerada que a sua taxa de reprodução. Assim, de um lado, os níveis de lençóis freáticos desabam; do outro, principalmente nas três maiores áreas produtoras de alimentos (China, Índia e EUA), tem-se intensas queimadas de florestas que contribui para expandir desertos aumentando consideravelmente os níveis de dióxido de carbono o que agrava, sobremaneira, o efeito estufa. Estudos diversos já apontam que o principal rio dos Estados Unidos mal chega ao mar. Assustadora situação também acontece com o Nilo que já apresenta enorme dificuldade em atingir o Mediterrâneo. Decorre disso a urgente necessidade de fazer com que a economia interaja – pacificamente - com a ecologia numa tentativa única: não agredir mais para que continuemos a existir. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.