terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Mauro Santayana: A MORTE DE JESUS NO SERTÃO

Sanguessugado do Mauro Santayana

 

Era véspera de Natal, em ano de seca no norte de Minas e Sul da Bahia. Um grupo de sertanejos buscava o sul, e viajava a pé. Uma das jovens estava nos últimos dias de gravidez, e com seu marido e seus pais, entrou na cidade de Montes Claros, procurando um hospital. Em andrajos, quase todos descalços, e já tarde da noite, procuravam um hospital qualquer em que a moça pudesse ter sua criança. Uma patrulha da polícia ainda tentou ajudá-los, mas, naquele tempo, com os retirantes sem documentos e sem dinheiro, os poucos hospitais negaram ajuda.

         Os andarilhos foram devolvidos à estrada rumo a Belo Horizonte, situada a mais de 400 quilômetros. Tão logo a polícia os deixou, as dores do parto se abreviaram. De volta à cidade,  encontraram o parque de exposições agropecuárias com o portão encostado, e sob inesperada tempestade naquele verão inclemente, não conseguiram chegar às baias, onde, sob a guarda de vaqueiros, os animais dormiam, esperando a manhã. A manhã de Natal.

        No pátio da exposição, uma árvore antiga, de copa tupida, era o único abrigo, sob a qual a moça teve seu filho. Como chovesse e ventasse forte, e a mãe estivesse desnutrida, faminta, a criança nasceu choramingando, sem forças. Os vaqueiros perceberam o que ocorria, e, juntos, levaram a família a um hospital, comprometeram-se a custear a assistência. Já era tarde. A criança não resistira ao frio, aos seios secos, ao desprezo dos que negaram abrigo aos pais. Alimentaram a mãe com soro, e a deixaram dormir na enfermaria. O jornal da cidade soube do fato, e com sua intervenção, a moça continuou internada, até recompor-se um pouco do parto, e voltar com sua família à estrada.

            A moça disse ao repórter que estava muito triste. Como estavam no Natal, ela e seu companheiro, também ainda na adolescência, queriam dar à criança, se fosse homem, o nome de Jesus. Se fosse mulher, o nome de Maria.

           Os fatos ocorreram há 34 anos, e deles  me lembro bem. Na época, eu dirigia a Sucursal da Folha de S. Paulo, em Belo Horizonte, e recebi a informação do “Jornal de Montes Claros”, que ainda circulava. Redigi a matéria, como uma notícia comum, e a enviei, sem assinatura, ao meu jornal, que a publicou sem  destaque. Muito mais tarde soube que a nota, redigida às pressas,  ajudara a inspirar a Campanha da Fraternidade da Igreja, com o lema de “Para onde vais”,  um ano depois.

          Aquele Jesus morreu no sertão mineiro, ao nascer. Outros continuam a morrer, perdendo a trilha de seu destino, nas vésperas de todos os natais, na Palestina, na Síria, no Paquistão, nos arredores de São Paulo – e em nossos  ressequidos  sertões brasileiros.

Um comentário:

  1. MARAVILHOSA POSTAGEM, QUE ME DEIXOU EXTREMAMENTE EMOCIONADA, COM ESTE RELATO TÃO TRISTE, DESSA HISTORIA QUE PODERIA TER SIDO TÃO LINDA,MAS QUE INFELIZMENTE, TEVE UM FIM TÃO TRÁGICO, E ISSO SÓ CONFIRMA AS MINHAS LEMBRANÇAS, COM OS NATAIS DO DESGOVERNO FHC, QUANDO EU COMENTO, A RESPEITO DISSO NAS REDES SOCIAIS, A TRISTEZA QUE É PARA MIM CADA NATAL,POR NÃO SAIR DE MINHA MENTE IMAGENS DE DOR E SOFRIMENTO DAS MÃES COM SEUS FILHOS NO COLO, MORRENDO DE FOME E SEDE, NO SERTÃO NORDESTINO, E A MÍDIA NÃO DAVA UMA TRÉGUA,QUERIAM MOSTRAR AS MELHORES IMAGENS DOS ANJOS DA FOME REVIRANDO OS OLHOS NO COLO DE SUAS MÃES ANTES DE IREM PARA O CÉU, ESSA ERA A DIVERSÃO DA MÍDIA ESPECIALMENTE A GLOBO,ONDE A CADA NATAL ERA UMA AUDIÊNCIA INCRÍVEL, PARA MOSTRAR AS TRAGEDIAS PROVOCADAS POR ELES MESMOS, E PARA TEREM AUDIÊNCIA, NAS PROGRAMAÇÕES DE NATAL, MAS ASSIM COMO EU, ESTOU VENDO QUE MUITAS PESSOAS, TEM RELATOS MUITO TRISTES PARA CONTAR

    ResponderExcluir

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.