sábado, 12 de maio de 2012

Israel: apartheid e chantagem nuclear (II)

Via Hora do Povo

NATHANIEL BRAIA

Uma das prisões citadas de Mordechai Vanunu (o denunciante da existência do armamento nuclear israelense) na minha matéria anterior, ocorreu após a entrevista da qual transcrevemos alguns trechos a seguir.

A entrevista foi concedida a Hesham Tillawi, e foi exibida em seu programa Current Issues (Questões Atuais) pela pequena TV Bridges. O programa de Tillawi foi tirado do ar depois de intensa pressão do lobby judeu-americano que o tachou de “anti-semita”.

TILLAWI - Então, Mordechai, o que o levou a pensar que deveria contar ao mundo sobre o programa nuclear de Israel, o que o levou a decidir, “não posso continuar em silêncio”?

VANUNU - A questão mais importante é aquilo que acontece até hoje, quer dizer, estas pessoas continuam a mentir e negar a verdade, declarando que não possuem armas nucleares, enganam o mundo e seus próprios cidadãos. Declaram que não possuem armas nucleares, enquanto que eu trabalhei na produção delas. Quando fiz a denúncia, em 1986, eram 200. Pensei: “tenho que informar ao mundo para parar isso ...”

TILLAWI - Existem vários países que possuem armas nucleares, então por que o fato de Israel possuí-las lhe estressou tanto?

VANUNU - Por que Israel produz genocídio sobre cidadãos palestinos inocentes. Isso sempre fez parte da política não revelada de Israel. E também, por que o fato de possuí-las os facilita negar a paz com os árabes e a impor suas políticas sobre os outros povos. Enquanto as possuírem, continuam com sua política de negar a paz; de ocupação, de negação dos palestinos e de seu sofrimento.

TILLAWI - Um dos professores israelenses disse há alguns meses que “temos capacidade nuclear de atingir qualquer das principais cidades da Europa”, isso é verdade? Até onde você sabe? *

VANUNU - Sim, é verdade. Eles podem bombardear qualquer cidade importante na Europa e desconfio que até nos EUA. Têm a capacidade de chantagem agressiva sobre os países da Europa. Foram os europeus que os ajudaram a possuir as armas e agora se voltam contra eles dizendo: “Não obedecemos nenhuma lei internacional, nenhum acordo internacional, nenhuma resolução da ONU”.

TILLAWI - Por que todo mundo pressiona o Irã para que abra suas portas a inspeções, mas ninguém pede a Israel que faça o mesmo?

VANUNU - Uma situação de fato estranha, que vem se desenvolvendo desde os anos 1960. Meu ponto de vista é de que a Europa está sob chantagem há muito tempo. Em primeiro lugar, Israel sempre trás à tona o Holocausto e o que aconteceu com eles na Segunda Guerra, culpando todo o Ocidente por isso para depois usar isso para justificar a posse de armas nucleares – como se fosse para impedir que isso fosse acontecer de novo. Em segundo, a chantagem se dá pelas próprias armas.

TILLAWI - Você realmente acha que as ameaças acontecem?

VANUNU - É real, é muito real. Tudo que eles precisam é um líder louco no governo e armas nucleares, para forçar o mundo a aceitar que continuem com seus estado de aparheid e a rejeitar qualquer solução real e concreta envolvendo os palestinos.

TILLAWI - Você tem vivido entre os palestinos, você também os vê como os terroristas, como muitas vezes são retratados?

VANUNU - Desde que sai da prisão em 2004 e não me foi permitido deixar o país, decidi ir para algum lugar onde não tivesse que conviver com a feiúra da sociedade israelense. A solução foi ir para a Jerusalém Árabe, a Jerusalém Oriental. Oficialmente está dentro de Israel, mas é uma cidade palestina. Vivo na parte da Palestina ocupada de 1967, mais precisamente hospedado na Catedral de São Jorge. Agora já são 15 meses que convivo com eles, que os acompanho, os observo, os encontro, que como com eles, vivo entre eles. Israel os tem retratado como terroristas, mas isso não é verdade. São pessoas pacíficas e amantes da paz.

TILLAWI - O que deveria acontecer? Como esse conflito poderia ser resolvido?

VANUNU - Bem, se os judeus querem uma solução, isso pode acontecer de um jeito. É tratar os palestinos como seres humanos iguais. Se os judeus israelenses querem a paz então a prova dessa vontade é o respeito pelo outro lado e ver os demais como iguais. Os judeus têm de parar de se enxergar como raça superior, como raça de donos. No fundo, um estado secular, não religioso é a única solução. Israel então não precisará de armas atômicas, aprenderá a viver em paz com seus vizinhos e a parar de tentar sobreviver como um estado racista, supremacista.

* Em 2011, o professor Martin Van Crevel, de História Militar da Universidade Hebraica de Jerusalém, deu esta declaração e disse algumas outras coisas que abrirão a próxima matéria, aguardem ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.