segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Fundadores de Israel: Origem e Formação

Via SOA-Brasil

Lúcio Asfora

A TRIBO DOS KHAZAR, POVO NÃO-SEMITA, NÃO-JUDEU, DE LÍNGUA IDISCH: ORIGEM E FORMAÇÃO DOS SIONISTAS QUE INVADIRAM A PALESTINA E ESTABELECERAM A DITADURA DE ISRAEL, HÁ 63 ANOS.

Friedman era o sobrenome de um amigo fraterno do jornalista Carlos Lacerda e profundo conhecedor da história do povo judeu e da essência do judaísmo. De malas prontas para cobrir, pelos Diários Associados, a conflagração na Palestina, em 1948, CL recorreu ao judeu Friedman, a fim de melhor inteirar-se sobre os direitos e as razões proclamados pelos líderes sionistas.

De retorno ao Brasil, escreveu "O Mundo Árabe e o Brasil", que "desapareceu" com sua 1a. edição, esgotada, mesmo nos sebos mais concorridos.

O livro se inicia justamente com a lição de Friedman, a seguir reproduzida, na íntegra:

"O sionismo político é quase exclusivamente um fenômeno dos judeus da Europa. Esses judeus da Europa Oriental não têm qualquer ligação racial nem histórica com a Palestina. Não eram descendentes dos habitantes da ´Terra Prometida`. Eles são descendentes diretos do povo do Reino dos Khazar, que existiu no século XII "Os khazars eram um povo tribal, não-semítico, de origem fino-turca, mongólica, que, por volta do século I dC, emigrou da Ásia para a Europa Oriental. Aí criaram um dos maiores reinos do seu tempo, o qual, na sua maior extensão, cobria uma área de cerca de 800 mil milhas quadradas. Por volta do século VI dC, o rei dos khazars adotou o judaísmo como religião de estado.

"Antes dessa época, não houve khazar que fosse judeu. Nem antes, nem depois existiu khazar algum cujos antepassados viessem da ´Terra Santa`. O povo semita, que estabeleceu o judaísmo na Palestina, vários séculos antes dos khazars, e converteu-se à fé hebreia, emigrou, na sua maior parte, da Palestina.

Mas nenhum de seus membros emigrou do Reino de Khazar, muito mais para o Norte.

"À vista disso, em que consiste o grito de ´REPATRIAÇÃO´para a ´Terra Natal´? Esses filhos da Europa Oriental, judeus que falam idisch, não têm relação racial nem histórica com a Palestina ou - no que concerne à Palestina - com os outros judeus que existiram em outros países, durante milhares de anos antes da conversão aos khazars.

"Na melhor das hipóteses, seria muito duvidosos os gritos dos verdadeiros judeus de ascendência palestina pela posse da ´terra natal´. Que direito têm pessoas cujos antepassados dali partiram há quase 2 mil anos, a reclamar territórios nos quais os atuais habitantes lá vivem há 1.300 anos?. Se os índios reclamassem, para si, de volta, o território americano, iríamos arrumar nossas bagagens e voltar para a terra de nossos antepassados?

"Pois bem, os árabes estão na Palestina mil anos mais do que nós na América. E se é tão duvidosa a reclamação dos judeus de ascendência palestina, que se dirá das dos judeus de ascendência khazar?

Apoiaria, algum cristão, essa conversa de ´terra natal´, obrigando os árabes a abandonar o seu país, se soubessem que esses judeus da Europa Oriental, que falam o idisch e não o hebraico, que formam a maior parte do grupo sionista, nada têm que ver, nenhuma ligação geográfica, histórica ou mesmo étnica possuem com os judeus do Velho Testamento ou com a terra denominada Palestina?".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.