quarta-feira, 27 de julho de 2011

O estranho comportamento da polícia no massacre de Oslo

Sanguessugado do Octopus

 

A polícia norueguesa dinamitou ontem as cargas explosivas que encontrou na fazenda do alegado autor do massacre de Oslo.

Um estranho comportamento, dado que estas poderia servia de valiosas peças de convicção neste acontecimento. A polícia disse que os explosivos eram à base de nitrato de amónio e que as terá destruído para evitar um risco de explosão. Ora para que estas possam explodir é necessário juntar um componente, um combustível, dado que o nitrato de amónio é extremamente estável e necessita para explodir de uma temperatura elevada (mais de 200º) provocada por nitrometano ou TNT.

Por outro lado, parece difícil uma encomenda de 6 toneladas de adubo composto com nitrato de amónio não levantar suspeitas, sobretudo tratando-se de uma fazenda de cultura biológica.

Vários peritos em explosivo após analisarem as imagens da explosão de Oslo chegaram à conclusão que dificilmente esta terá tido origem no produto em causa, mas sim num explosivo muito mais potente, provavelmente de origem militar.

No dia 22 de julho, 600 jovens estavam reunidos no campo de verão do partido trabalhista na ilha de Utoya, quando às 17h Anders Breivik Behring vestido de polícia terá começado a disparar.

Vamos admitir que metade dos jovens tinham telemóvel e que um terço telefona a pedir socorro, ou seja 100 pessoas. Como é que a polícia diz ter recebido o primeiro telefonema apenas às 17h26?

As forças de segurança só chegam em frente da ilha às 18h por não teram encontrado um helicóptero disponível. Entretanto a canal de televisão NRK conseguiu alugar um helicóptero e filma as cenas do massacre.

Logo a seguir a polícia tem dificuldade em encontrar um barco disponível. Quando acaba por encontrar um barco, este tem uma avaria pouco tempo depois de iniciar a viagem.

À 18h25 a polícia chega finalmente à ilha. Dois minutos depois, Anders Breivik rende-se sem opor qualquer resistência.

No total, foram necessários 90 minutos para que as forças policiais pudessem intervir.

Como é que um único atirador conseguiu matar mais de 80 pessoas? Como as balas utilizadas foram balas de desfragmentação, que se pulverizam após o impacto, será impossível saber com que armas foram disparadas.

Poucas horas após este massacre somos inundados com informações detalhadas deste suspeito louro e de olhos azuis. Como é que o perfil de Anders Breivik na sua página do Facebook no dia 22 de julho não faz menção de ser cristão e conservador e no dia 23 de julho estas menções aparece. Dado que já estava preso, quem é que tinha poderes para essa alteração?

Primeira versão (22 julho 2011) da sua página do Facebook:

Segunda versão (23 julho 2011), publicada nos jornais, com dois novos centros de interesse "cristão" e conservador"

Publicada por Octopus em 08:40

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.