sábado, 30 de julho de 2011

Brasil importa de Israel tecnologia para matar com miras e controles eletrônicos

Via PCB

imagemCrédito: Folha Universal

Morte a um clique

Brasil importa de Israel tecnologia para matar com miras e controles eletrônicos

Michel Gawendo, de Jerusalém

Nota dos editores (pcb.org.br):

Reparem na sutileza do nome da operação: GUARANI. Um país se arma para atacar ou se defender. Em resumo, para ser imperialista ou anti-imperialista. Nosso Ministério chama-se da Defesa, não do Ataque. Mas diz o texto: "segundo militares, os novos Guarani serão usados na vigilância das fronteiras". Nós não temos fronteiras com os Estados Unidos, a China, a Europa. Mas temos com muitos países da América do Sul, inclusive com o Paraguai, a terra dos guaranis, que o Brasil ajudou a dizimar no século 19!

As Forças Armadas brasileiras têm investido pesado na aquisição de equipamentos de guerra eletrônicos e tecnologia de Israel, um dos países mais avançados do planeta no setor. Mesmo sem perspectivas de conflitos e em paz com seus vizinhos, o Brasil planeja gastar bilhões com miras e controles israelenses que permitem matar à distância.

Só para o Projeto Guarani, considerado um dos mais importantes de modernização do Exército, devem ser destinados R$ 6 bilhões nos próximos 20 anos. Tal montante deve ser utilizado para a fabricação de novos veículos baseados nos antigos blindados Urutu. Entre as novidades estão controles digitais em vez de ponteiros indicadores. Com o sistema, soldados poderão vigiar o terreno, mirar e matar sem sair do carro. Todos os comandos são acionados por controle remoto.

Segundo militares, os novos Guarani serão usados na vigilância das fronteiras e no combate ao tráfico de drogas. Cada um pesa 18 toneladas, tem tração nas 6 rodas e leva 11 soldados. Os veículos são anfíbios, ou seja, andam na terra e funcionam como barcos na água.

Na Aeronáutica, a principal novidade vinda de Israel é o capacete ultramoderno para os aviões Tucano e F-5. Tal equipamento permitirá que os pilotos consultem todas as informações que precisam no visor, que funciona como uma tela de alta resolução tanto de dia quanto de noite. A tela também funciona como mira eletrônica, que calcula e avisa o momento exato para disparos.

O novo capacete permite gravar todos os dados dos voos, inclusive imagens reais, e pode ser utilizado em um futuro próximo em aeronaves da polícia.

A tela ajuda em manobras quando o tempo está ruim ou em voos de baixa altitude. Em breve, a memória do capacete poderá armazenar imagens do terreno e o piloto verá tudo como se fosse um dia claro de sol, mesmo no meio das piores tempestades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.