sexta-feira, 22 de julho de 2011

Atentados na Noruega

Sanguessugado do Informação Incorrecta

Há dois dias tinha dito a Margarida: "Guida, vai acontecer algo muito em breve".

Não, não tenho dotes proféticas. Simplesmente tira um ar pesado, muito pesado e não é difícil prever algo de estranho. Como Al-Qaeda na Noruega, por exemplo.

Posso acrescentar mais algumas coisas? Isso não vai ser tudo.

Mas começamos com Oslo.

Oslo

Reuters:

Diversas pessoas morreram hoje na Noruega, envolvidas na explosão duma bomba no centro de Oslo e num sucessivo tiroteio na ilha de Utoeya.

Às 15,30 a explosão em Oslo, que danificou alguns edifícios governamentais, atingindo também o do Primeiro Ministro Jens Soltenberg (incólume).

7 pessoas morreram e 2 ficaram feridas.

Mais tarde o tiroteio na ilha de Utoeya, sul da capital, durante uma reunião de jovens laburistas (o mesmo partido de Soltenberg). Diversas as vítimas, falam-se de 10, talvez 20 mortos.

Segundo o diário VG a polícia prendeu um homem que, fardado de polícia, disparou sobre as pessoas.

Um alegado grupo terrorista, Ansar al-Jihad al-Alami, afirmou ser o autor do atentado, mas ainda não é claro qual o grau de confiança da reivindicação.    

Entretanto os acordos de Schengen (a livre circulação de pessoas no interior do espaço europeu) está interrompido.

Acaso

Posso estar errado. Aliás, espero ardentemente estar errado. Mas este pode ser apenas o primeiro episódio duma série bem mais longa.

Porquê?

No dia 31 de Dezembro escrevi o seguinte:

O Quantitative Easing 2 ainda não deu resultados. Talvez seja cedo, mas a economia não consegue reabsorver os milhões de desempregados, os consumos não partem. A única coisa que funciona é a Bolsa de Wall Street, que cortou definitivamente qualquer laço com a realidade.

Seja como for, seria preciso um evento "forte" que pudesse obrigar as empresas a funcionar. Pena ter desperdiçado as Torres Gémeas numa altura ainda boa do ponto de vista económico, agora dariam jeito.

Mas há sempre novas possibilidades. O Irão, por exemplo.

Isso ou um estado de medo generalizado.

Que tal uma vaga de ataques extremistas?

Mesmo no dia após o acordo alcançado da União Europeia acerca do Euro? O dia que pode ter representado uma derrota na guerra americana contra a moeda única do Velho Continente?

Enquanto aproxima-se a data decisiva no Congresso dos Estados Unidos, o dia que pode ditar o futuro da economia mais potente (ainda?) do mundo? O dia em que Washington pode conhecer o default?

Terão as agências de rating a coragem do cortar a avaliação do País mais empenhado na "luta ao terrorismo" enquanto os extremistas matam e explodem bombas no resto do mundo?

Como afirmado: espero estar profundamente errado, só isso.

Ipse dixit.

Fontes: Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.