quinta-feira, 30 de setembro de 2010

´Confronto com tiros em Quito

GilsonSampaio

Vejam a TeleAmazonas.

Há combate com muitos tiros em Quito.

¡No se puede dejar pasar una nueva Honduras!

Via Socialismo o Barbarie

Declaración de la corriente Socialismo o Barbarie Internacional
ante el intento de golpe en Ecuador

¡Apoyo incondicional a la incipiente rebelión popular
contra los golpistas!

Grandes movilizaciones populares en Quito y otras localidades saliero a manifestar contra el intento golpista

En horas de la mañana de hoy, Latinoamérica fue sorprendida por un nuevo intento de golpe de estado, esta vez en el Ecuador. Con el antecedente todavía fresco del golpe en el hermano país de Honduras el 28 de junio del año pasado, el levantamiento de fuerzas de seguridad en Ecuador debe ser respondido de manera inmediata e implacable.

La circunstancia es que al menos parte de la policía ecuatoriana se insubordinó hoy, con una excusa banal alrededor de una serie de puntos reivindicativos. Pero a esta altura ya es evidente que la situación va mucho más lejos de una mera “protesta “gremial”. Si bien el embajador ecuatoriano en la Argentina acaba de declarar que el presidente Correa tendría “el control de la situación”… todas las circunstancias que rodean al evento hacen dudar completamente de esto. A decir verdad, en estos momentos, no se sabe realmente quien tiene el control del país.

Las Fuerzas Armadas fueron llamadas por el propio Correa a “tomar el control de las calles”. Los altos mandos dicen “responder” a Correa… pero la realidad es que entre los mandos medios cunde un espíritu golpista. Lo más probable es que muchos militares estén jugando al golpismo, aunque todavía esperando a ver cómo se desenvuelven los acontecimientos antes de dar pasos más explícitos.

Por su parte, el principal dirigente opositor ecuatoriano, Lucio Gutiérrez, ex golpista y ex presidente del hermano país y actualmente férreo rival de Correa, llamó casi abiertamente a que “se vaya del gobierno”. Correa es una figura de derecha, muy visto además en EEUU. Es decir, todo hace suponer que al menos parte de la oposición patronal está detrás de esto o ve con simpatía la intentona golpista.

Lo mismo se puede decir del gobierno de Barack Obama. Pasadas largas horas de la rebelión policial y ante una situación de casi evidente golpe de estado, el gobierno de Obama no ha sacado hasta el momento una sola declaración de clara repudio al respecto. La realidad es que luego de su actuación en Honduras, y tras la piel de cordero del carácter afrodescendiente del presidente norteamericano, todo indica que su gobierno es cómplice de la intentona golpista o, al menos, la ve con simpatía.

Es que la política de Obama para la región no ha sido menos reaccionaria que la de su predecesor Bush. De la mano de Hillary Clinton, la política latinoamericana del gobierno demócrata no se ha desmarcado en nada de sus predecesores republicanos. Su principal preocupación para la región es cómo barren el profundo proceso de rebelión popular que ya lleva una década, y cómo se van sacando de encima gobiernos “molestos”. Estos gobiernos, sin dejar de ser capitalistas –como los de Chávez, Evo Morales o el mismo Correa- no siguen los dictados del amo del norte a pié juntillas, como ha sido la tradición en la región.

Por su parte, el gobierno de Cristina Kirchner ha convocado a una reunión de la Unasur en la Argentina, ante los acontecimientos ecuatorianos. La OEA, Unasur, Chávez, Morales, Kirchner y otras instituciones, presidentes o políticos de importancia de la región han salido a hacer declaraciones de repudio a la intentona golpista. ¡Pero con lágrimas de cocodrilo no alcanza para parar a los golpistas!

Esto ya se pudo comprobar hace un año atrás respecto a Honduras. Vergonzosamente, a pesar de todas sus palabras –y también maniobras tramposas, como apoyar una negociación con el gobierno gorila de Micheleti que sólo sirvió para fortalecer y legitimar a este- impusieron en gran medida sus planes. Hoy siguen gobernando de la mano de Porfirio Pepe Lobo, “elegido” en una fraudulenta elección a finales de noviembre.

Así las cosas, todos los antecedentes recientes –y también históricos- atestiguan que, en realidad, en lo único que se puede confiar es en la movilización masiva de los explotados y oprimidos.

Esto es lo que ya esta comenzando a ocurrir en Ecuador, donde parece haber expresiones embrionarias de rebelión popular contra los golpistas. Incluso a estas mismas horas, una movilización está acercándose al hospital policial donde se encuentra “retenido” Correa para liberarlo. La respuesta que están encontrando son la represión, las balas y los gases de una policía que parece actuar con la complicidad de las FFFA…

Esto muestra, una vez más, la dura realidad de la lucha de clases. Se pueden verter ríos de lágrimas y declaraciones, pero que lo hace falta de los presidentes de la UNASUR, y de todos los dirigentes políticos y sindicales que se consideren democráticos, no son palabras de ocasión sino que llamen a la más amplia movilización continental contra el golpismo (cosa que vergonzosamente no hicieron contra el golpe hondureño).

Lamentablemente, este puro “palabrerío” es un típico rasgo de los gobiernos “progresistas”, como los que hay hoy en Latinoamérica. Se llenan de palabras la boca… pero no llaman nunca a las masas populares a las calles, ni toman ninguna medida práctica contra los golpistas.

Lo mismo cabe para las centrales sindicales autoproclamadas “progresistas” del continente. En ocasión del golpe hondureño, tampoco fueron capaces de llamar a medidas de fuerza o paros generales como correspondía para derrota a los golpistas.

Lejos de depositar ninguna confianza en estos gobiernos e instituciones, decimos que el camino para derrotar el golpe en Ecuador pasa por apoyar incondicionalmente la incipiente rebelión popular que ya se está poniendo en marcha en el hermano país. Al mismo tiempo, hay que meter presión desde abajo a los Chávez, Morales, los Kirchner y Cía., y los dirigentes políticos y sindicales que digan estar contra el golpe, exigiéndoles convocar a medidas de movilización efectivas.

• ¡Otra Honduras no! ¡No se puede dejar pasar al golpismo!

• ¡Viva la incipiente rebelión popular antigolpista en Ecuador!

• ¡Ninguna confianza en organismos como la OEA y la UNASUR, ni en los presidentes “progresistas” de la región! ¡Si realmente están contra el golpismo, que convoquen a una movilización de masas continental! ¡Que en Ecuador se convoque a un paro general por tiene indeterminado hasta derrotar a los golpistas!

Corriente Socialismo o Barbarie Internacional
Jueves 30 de septiembre del 2010

Da globalização

Sanguessugado do Bourdoukan

 

Quando escrevi, citando Samuel Johnson, que a pátria é o último refúgio dos velhacos, leitores me escreveram advertindo sobre o exagero da afirmativa.

Agora recorro a Bertrand Russell para proclamar que o nacionalismo é um exemplo extremo de crença ardente a respeito de assuntos duvidosos.

Nunca acreditei nessa história de nações pobres e nações ricas.

Desde que o primeiro homem passou a lucrar com o trabalho de outro, o que existe de fato são explorados e exploradores. Sejam eles de que nacionalidades forem.

Ou alguém acredita que o empresário brasileiro é diferente do empresário americano, japones ou somali?

Não há a mínima diferença mesmo porque, apesar de idiomas diferentes, eles falam e sempre falarão a mesma língua.

Os explorados é que falam línguas diferentes, mesmo sendo de uma mesma nação.

Alguém consegue imaginar uma briga entre a Federação das Indústrias com a Federação dos Bancos ou com a Federação da Agricultura?

Já o contrário está sempre acontecendo. Os sindicatos e as centrais sindicais que representam os explorados estão sempre discutindo entre si, quando não, brigando.

Não é raro considerarem-se inimigas mortais.

Como se o bancário, o metalúrgico e o camponês não fossem vítimas do mesmo sistema.

Por isso, sou um dos defensores incondicionais da globalização.

E se hoje ela representa a Internacional Capitalista cabe aos que são contra a exploração do homem pelo homem transformá-la numa Internacional que pense na humanidade como um todo e no indivíduo como ser absoluto.

A globalização é tão importante quanto o ar que respiramos.

Falar em países é querer dividir o mundo em fronteiras, é apoiar as guerras onde as vítimas serão sempre os explorados.

Ou alguém conhece algum argentário que já morreu em combate?

Hoje a humanidade é administrada por um emaranhado de empresas que obedece a não mais do que quatro ou cinco corporações. E mesmo estas, têm ramificações entre si. Moldam os gostos de acordo com suas conveniências.

Nos ensinam como amar, divertir, o que e como devemos ler, a que programas assistir, que esporte praticar, o que comer, impõem até o padrão de beleza.

É uma ditadura que nos faz crer que somos livres e independentes quando na verdade estamos subjugados.

Transforma-nos em seres insensíveis, sem preocupação com o próximo, elimina do vocabulário a palavra solidariedade, nos torna impassíveis diante da fome, da miséria e das epidemias que matam seres humanos como se fossem insetos.

Transforma as guerras, um assassinato em massa, num jogo de videogame, para gozo e felicidade da indústria bélica.

Mas como toda tese (globalização) carrega consigo a antítese (corporações exploradoras) cabe a nós lutarmos pela sua síntese (uma humanidade sem fronteiras e sem explorados).

Isso é o que conta.

O resto são siglas.

A TENTATIVA DE GOLPE NO EQUADOR – OU O GOLPE?

Laerte Braga

Polícias com características de militar têm tendência ao autoritarismo, à prepotência, a se imaginarem acima do bem e do mal e acumulam privilégios em relação a outras categorias. No caso do Brasil são escandalosos em relação, por exemplo, à Polícia Civil. Falo dos privilégios.

É um dos motivos dos altos índices de criminalidade. É só olhar o número de atos ilícitos cometidos por policiais militares. A média de expulsão de PMs no Rio de Janeiro é de um por dia. Via de regra ligados ao tráfico.

Todos os servidores públicos do estado de Minas Gerais, o tal do “choque de gestão” Aécio/Anastasia, recebem seus vencimentos no quinto dia útil do mês seguinte. Todos? Não. Policiais militares recebem no último dia útil do mês. É uma pálida amostra de vantagens em relação a todos os outros servidores públicos.

É um quadro que se repete de forma pouco diferenciada em todos os estados brasileiros.

A proposta de unificação das polícias e de acentuar o caráter civil da instituição foi barrada no Congresso Nacional Constituinte com um lobby dos mais impressionantes e caros dentre todos que atuaram à época.

O ex-governador do Pará, Almir Gabriel, quando senador, tinha entre seus assessores policiais militares que mais tarde participaram do massacre de camponeses em Eldorado do Carajás. Aquele que FHC, era o presidente, negou às 17 horas e aceitou correndo às 19 horas, quando soube da condenação expressa por vários governos e instituições européias.

Uma das decisões mais amargas para policiais militares no Brasil foi durante a ditadura militar. O comando dessas corporações seria de um oficial do Exército. À exceção de Minas, a fidelidade era canina, todas as outras PMs do País eram comandadas por militares do exército.

É que na revolução de 1930 e ao longo de todo o processo político até 1964, as polícias militares eram o “exército” dos coronéis/governadores. Foram decisivas no movimento de 30.

A partir de 1964 foram transformadas em pitt bulls prontas a devorarem qualquer manifestação pública contra os de cima. Seja de camponeses, seja de professores paulistas contra as mentiras de Arruda Serra.

A insubordinação de policiais no Equador, a tentativa de seqüestro do presidente Rafael Corrêa não decorre só dos desvios de função do que conhecemos como polícia. Vai mais além.

Militares equatorianos e policiais daquele país foram cúmplices por omissão no bombardeio realizado pela força aérea colombiana contra um acampamento de estudantes que participavam de um congresso latino-americano e onde se encontrava Raúl Reyes, então chanceler das FARCs. Foi em 2008.

São outros quinhentos.

Militares em sua imensa e esmagadora maioria têm ou trazem em si o gene do golpe de estado. A convicção que patriotismo é tomar o poder, arrebentar com os que se lhes opõem, mesmo que isso signifique tortura, morte, toda a sorte de barbaridades. No Brasil chamaram isso de “democracia” e houve um coronel que quis convencer o jurista Sobral Pinto que era “democracia a brasileira”.

Não entendeu nada quando Sobral respondeu que “democracia não é igual a peru, não existe a brasileira, a francesa, ou é democracia, ou não é”.

A situação no Equador ainda está sem controle. A despeito das forças armadas através de seu comandante manifestarem publicamente respeito ao presidente eleito do país, nenhuma atitude concreta foi tomada – até agora quando escrevo – para colocar fim à tentativa de seqüestro de Corrêa, à insubordinação de policiais e a repressão contra civis que se juntam em número cada vez maior para tentar resgatar o presidente no hospital onde foi socorrido depois da agressão sofrida e pratica por golpistas.

A condenação à tentativa de golpe veio até do presidente golpista de Honduras (farsante é um negócio complicado). Do governo espanhol. Dos países integrantes da OEA – Organização dos Estados Americanos -. Vacilante, tíbia, mas pública do governo norte-americano (Corrêa não permitiu que mantivessem a base de Manta em seu país).

Elites econômicas no mundo inteiro estão atemorizadas com a crise do capitalismo que se mostra maior e mais devastadora do que se podia imaginar. Na América Latina, onde ainda procedem como na Idade Média, os ventos dos furacões que destroem a economia norte-americana (mas sustentam a máquina de guerra e terrorismo), assustam empresários, latifundiários e banqueiros controlados por Wall Street.

São sinais para a mídia privada mentir descaradamente ao sabor das conveniências de quem paga.

O Banco Central dos EUA, que é uma instituição privada, anunciou hoje que “a recuperação da economia foi decepcionante nesses últimos anos”. Os anos Obama. Uma espécie de relações públicas, ou boneco negro por fora, branco por dentro, mas que não tem nem o apito para começar ou encerrar o jogo, que dirá marcar falta. Pênalti? Nem pensar.

Partícipe ou não da tentativa de golpe no Equador (foi agente direto em Honduras) os EUA se constituem hoje na maior ameaça a democracia em todo o mundo. O que Hans Blinx chama de “embriaguez com o arsenal que têm”, é tão somente a barbárie com requintes de tecnologia de ponta.

E nos dias atuais privatizada. Forças armadas privatizadas.

Esse vento de estupidez e boçalidade acaba soprando por todos os cantos. A guerra é uma necessidade intrínseca a norte-americanos e seus aliados israelenses. É da gênese da “democracia” deles o terrorismo em forma de “operação choque e pavor”. Nome da última ação militar para derrubar Saddam Hussein.

O que torna óbvio que o que acontece no Equador não é um fato isolado. Todo o caráter golpista de militares (policiais militares também) vem à tona nessa banda do mundo, ainda mais quando governos populares são eleitos e começam a trilhar caminhos de mudanças políticas, econômicas e avanços sociais.

O escravagismo dos “donos” reage como reagem os irracionais.

“Dança com famosos” não é necessariamente um quadro do Faustão, tampouco BBB é algo isolado, um simples programa de tevê. É uma opção por alienar, desinformar e vai por aí afora.

Mais ou menos “só dói quando eu mexo”.

O governo brasileiro através do chanceler Celso Amorim manifestou-se contra o golpe, pela legalidade constitucional e o respeito ao mandato, conquistado nas urnas, do presidente Rafael Corrêa.

Amorim é um dos mais brilhantes diplomatas latino-americanos em todos os tempos, sabe o que há por trás de tudo isso e os riscos que esses pequenos, aparentemente pequenos, golpes (Honduras, Equador) representam para a América Latina, o que vem por trás desse tipo de movimento, conhece a História (a FOLHA DE SÃO PAULO, por exemplo, quer apagar ou arrancar essas páginas do livro de História do Brasil) e tem consciência do papel do Brasil, do que representa o nosso País com as suas dimensões continentais e hoje, potência mundial.

É o delírio do império privatizado. E muitas vezes o cordão é rompido pelas elites, ou por esbirros das elites (caso das polícias militares), no afã tanto de manter privilégios, como de mostrar às próprias elites que há um preço a ser pago para cada massacre ou golpe em cada canto latino-americano.

Aliança com bandido dá é nisso. Instituição sem sentido, repleta de privilégios, resulta nisso. O que Corrêa fez foi cortar exatamente privilégios, inclusive o da boçalidade contra a população civil.

É necessário deter o golpe. Atinge a todos nós.

O jornalista Jean-Guy Allard revela que é “profunda” a presença na polícia do Equador de agentes da CIA. Phillip Agee, ex-agente da agência privatizada no governo Bush, antes de deixar a função e denunciar terrorismo, corrupção e trapaças em vários países do mundo, estava servindo na embaixada dos EUA no Equador.

O artigo pode ser visto em

http://www.juntosomos-fortes.blogspot.com/

É o jeito de ser dos “libertadores” do mundo. Se antes “libertavam” do “jogo” comunista, hoje “libertam” do “jugo” terrorista. E ficam com o petróleo todo. Tomam conta para iraquianos, sauditas, aqui querem “tomar conta” do da Venezuela, do Equador e do Brasil.

Acorda São Paulo nº 13.013.013.013.013-13

GilsonSampaio

Pra quem ainda não se decidiu, posto esta série de Acorda São Paulo sobre a excelência da gestão tucanodemo que se apossou do governo há 16 anos.

Espero que ajude a espantar a tucanalhada que tem arrasado São Paulo ao longo destes anos.

1 - Acorda, São Paulo nº 45.045.545.454.045-45

2 - Acorda, São Paulo nº 45.450.405.000-45

3 - Acorda, São Paulo nº 04.504;405.545-45

4 - Acorda, São Paulo nº 450.450.405.045-45

5 - Acorda, São Paulo nº 045.454.545.000-45

6 - Acorda, São Paulo nº 4.450.450

7 - Acorda, São Paulo nº 0.045.450

8 - Acorda, São Paulo nº 4.500.045

9 - Acorda, São Paulo nº 000.000.045

10 - Acorda, São Paulo nº 403.123

Nos marcadores abaixo você também farto material sobre como a tucanalhada trata seu povo.

Se eu fosse carioca

GilsonSampaio

Fosse eu carioca meus votos já estariam definidos com gosto e convicção: Milton Temer para o senado. Pra deputança federal ficaria dividido entre Chico Alencar  e Brizola Neto.

 

Polícia paulista dispara bala de prata em Netinho

GilsonSampaio

Coincidentemente, Aloysio Nunes, candidato ao senado dos tucanos, está em terceiro lugar nas pesquisas. Netinho lidera, seguido por Marta, que tem uma folga de 7% sobre o tucano.

Sanguessugado do Viomundo

 

image 

Netinho é alvo de blitze por suspeita de fraude

AE – Agência Estado

A Polícia Civil de São Paulo fez uma varredura na casa do candidato ao Senado Netinho de Paula (PC do B), na manhã de ontem, para apurar denúncias de fraude nos bens declarados por ele à Justiça. Netinho se tornou alvo de investigação criminal aberta na Promotoria Eleitoral de Barueri, na Grande São Paulo, após denúncia de que ele não teria declarado a casa onde mora com os filhos no condomínio Alphaville 8.

Dois investigadores e um perito criminal vasculharam e fotografaram a parte externa, a piscina, o campo de futebol e o salão de festas, mas foram impedidos de entrar por um dos filhos de Netinho. O candidato não estava em casa. Segundo o advogado de Netinho, Alexandre Rollo, os policiais não tinham mandado de busca. O procedimento criminal para “apuração ?em tese? da infração do artigo 350 do Código Eleitoral (omissão de bens)” foi aberto pela promotora eleitoral da 386.ª zona, Bárbara Valéria Cury e Cury.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o motivo da visita foi fotografar a casa, objeto da denúncia, um procedimento rotineiro. Mas a coordenação da campanha promete entrar com representação na corregedoria da Polícia Civil contra o delegado Francisco José Alves Cardoso, do 2.º DP de Barueri.

“A ação da polícia é inaceitável. Para averiguar fraude, a primeira providência é sempre chamar o acusado para prestar esclarecimentos, o que não ocorreu. Houve, claramente, desvio de conduta, invasão de domicílio, constrangimento e abuso de autoridade por parte dos policiais”, defende a presidente estadual do partido, Nádia Campeão, que insinuou haver motivação eleitoral por trás das denúncias. Ontem, os vereadores da bancada, liderada pelo PT, protestaram contra a ação da polícia e o posicionamento da Justiça. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PS: Fiquem de olho para descobrir onde as fotos feitas pela polícia paulista vão aparecer…

O Último Debate - Marmelada

Sanguessugado do DoLaDoDeLa

 

Dia desses apontei aqui o jogo casado entre o telejornal da maior emissora de televisão do país e o candidato da oposição. Havia a denúncia de que durante o quebra-queixo, as perguntas estavam sendo combinadas entre a assessoria de José Serra e a direção de jornalismo. Quebra-queixo é a entrevista coletiva diária, em pé, de mais ou menos 5 minutos, onde os repórteres se acotovelam para conseguir uma nova declaração. Depois do debate presidencial do último domingo, por exemplo, a repórter daquela emissora fez a seguinte pergunta ao candidato: - E as denúncias de corrupção? Na sua opinião foram esclarecidas pela candidata do governo? Os colegas trocaram olhares de cumplicidade e se perguntaram: - Foi ou não foi uma pergunda dirigida? A cena se repetiu, mas de forma ainda mais escancarada ontem. Num e-mail recebido por Serra às 14h17min, Luiz Gonzalez, coordenador de marketing da campanha informava que o telejornal da hora do jantar ía dar à noite um registro da reunião que acabara de ser realizada, entre o candidato e funcionários públicos. E recomendava: "Pregue valorização do servidor e realização de concursos." Serra, que já tinha encerrado a entrevista, depois de ler o e-mail num iPad, chamou os colegas jornalistas e informou que faria um comentário sobre a palestra. Assim fica fácil para ele, não acham? Outro dia um internauta perguntou se acho possível que o candidato estude com antecedência as perguntas que serão feitas pela emissora no último debate esta noite. Claro que sim! Isso é mais do que obvio, é ululante! Em dois mil e seis, por exemplo, fui testemunha da reação indignada do apresentador Carlos Tramontina, depois de sair do estúdio e dirigir-se à redação. Na ocasião ele foi categórico: - Na última hora recebi na bancada as perguntas que deveria fazer ao candidato do PSDB e não tive escolha." Só que agora nós temos escolha.

Trecho da entrevista de Chavez sobre o golpe no Equador.

GilsonSampaio

Trecho da entrevista, por telefone, de Hugo Chavez sobre o golpe no Equador, via TELESUR.

A grande pergunta é: Porque as forças armadas não cercaram o hospital para resgatar o Presidente Correa e nem se pronunciaram?

 

Jurista Dallari cobra do STF apuração sobre telefonema de Serra a Mendes

Via Rede Brasil Atual

 Fábio M. Michel

 

Jurista Dallari cobra do STF apuração sobre telefonema de Serra a Mendes

Dallari: tribunal e Serra deveriam esclarecer o caso (Foto: MPF/Divulgação)

São Paulo – O jurista Dalmo de Abreu Dallari considera que o Supremo Tribunal Federal (STF) e o candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, devem explicações à sociedade sobre a suposta conversa telefônica que teria levado o ministro Gilmar Mendes a pedir adiamento do julgamento do processo sobre a obrigatoriedade de o eleitor apresentar dois documentos para votar nas eleições do próximo domingo (3).

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo desta quinta-feira (30), o candidato do PSDB ligou para o ministro Mendes no início da tarde da quarta (29), quando o plenário do STF julgava  recurso do PT que tentava derrubar a exigência de título de eleitor e um documento com foto para que o eleitor possa votar.

Horas depois, em sua vez de declarar seu voto – e apesar de todos os sete ministros que já haviam votado terem acatado a solicitação do PT e derrubado a exigência –, Gilmar Mendes pediu vista do processo, suspendendo o julgamento e adiando a decisão.

A medida é considerada uma vantagem a mais para o candidato tucano na tentativa de levar as eleições para o segundo turno.

"Tanto o STF quanto o candidato (Serra) deveriam se esforçar para esclarecer definitivamente o que houve, para não pairar dúvidas sobre a credibilidade do Tribunal. Se isso realmente ocorreu e for provado que ocorreu, terá um fato muito grave", disse Dallari.

O jurista reiterou que, por enquanto, não há provas de que a conversa realmente tenha acontecido e que o conteúdo da reportagem da Folha seria considerado, em termos jurídicos, "uma insinuação". "Por isso mesmo é que seria importante, neste momento, esclarecer definitivamente as circunstâncias (do telefonema de Serra apontado pelo jornal como sendo a Mendes)", concluiu.

Correa agredido + fotos

Via CubaDebate

Presidente Correa en hospital por agresión con bombas lacrimógenas (+ Fotos)

 

El presidente Rafael Correa está siendo atendido en el hospital Metropolitano por la agresión sufirda con bombas lacrimógneas al salir del regimiento Quito.

El mandatario recibió golpes con botellas, según reportó Canal Uno.

También, Sonorama informó que el general policial Freddy Martínez está siendo atendido por una herida en la cabeza.

(Con información de El Universo, de Ecuador)

Rafael Correa atacado con gas lacrimógeno. Foto. AFP

Rafael Correa atacado con gas lacrimógeno. Foto. AFP

Rafael Correa atacado con gas lacrimógeno. Foto. AFP

Rafael Correa atacado con gas lacrimógeno. Foto. AFP

Rafael Correa es cargado del Regimiento Quito luego de ser alcanzado por las bombas de gas. AFP PHOTO / RODRIGO BUENDIA

Rafael Correa es cargado del Regimiento Quito luego de ser alcanzado por las bombas de gas. AFP PHOTO / RODRIGO BUENDIA

Golpe no Equador

Via CubaDebate

Canciller ecuatoriano advierte que detrás de sublevación policial actúan sectores golpistas

 

Ricardo Patiño

Ricardo Patiño

El ministro de Exteriores de Ecuador, Ricardo Patiño, sostuvo este jueves que detrás de las protestas de pequeños sectores policiales en su país, quienes reclaman bonificaciones y privilegios salarias, existen intenciones golpistas.

“Hay sectores golpistas que ya tenemos identificados en este país (…) que entendemos han estado preparando las intenciones para esto”, enfatizó Patiño, en entrevista exclusiva a teleSUR.

Patiño remarcó que la manifestación de los uniformados corresponde a un acto “de subordinación absolutamente inaceptable por parte de algunos sectores policiales, no de todos”.

Señaló que “no es raro que algunos sectores que acostumbran a hacer golpes en este país lo intenten”.

Informó que ya el Gobierno conoce que existen sectores de extrema derecha que se están uniendo a la protesta de la Policía para propiciar escenarios desestabilizadores.

Desde que llegó la Revolución Ciudadana a Ecuador, “la Policía y las Fuerzas Armadas han tenido importantes aumentos de sus sueldos en este Gobierno”.

Con la ley de Servicios Públicos, a la que se oponen los policías en protesta, “se trata de homologar los salarios de los servidores públicos, ponerlos en orden”, explicó Patiño, por lo que insistió que los manifestantes están mal informados.

“Lo único que se ha hecho en este Gobierno es recuperar la dignidad de sus sueldos” insistió el ministro de Exteriores.

A través de la citada Ley, “se establece justicia salarial, justicia laboral. Se trata de ponerlos en orden”.

Un grupo de policías tomó este jueves a la fuerza el regimiento número 1 de la ciudad de Quito en protesta contra la negación al veto de la Ley de Servicio Público que contempla eliminación de bonificaciones y ascensos. El presidente de Ecuador, Rafael Correa se encontraba en lugar para intentar dialogar y se vio obligado a abandonar por los hechos violentos que se desataron en la zona.

Argentina anuncia su respaldo al presidente Correa

El gobierno argentino respaldó este jueves al presidente de Ecuador, Rafael Correa, y expresó su preocupación por la situación producida a raíz de protestas de policías y militares en ese país, según un comunicado de la cancillería.

“La Cancillería argentina expresa su profunda preocupación por los hechos protagonizados hoy (jueves) por personal policial y militar de las fuerzas armadas ecuatorianas en las ciudades de Guayaquil y Quito”, señala el comunicado.

“La cancillería argentina da testimonio de su confianza en la institucionalidad democrática del hermano país y en la autoridad política del Presidente constitucional, Rafael Correa, para encontrar el mejor encauzamiento en defensa de los altos intereses del pueblo y el gobierno ecuatorianos”, añadió la nota oficial.

Fuerzas Armadas apoyan al Presidente

El Jefe del Comando de las Fuerzas Armadas de Ecuador, Ernesto González, aseguró el jueves que están subordinados a la autoridad del presidente Rafael Correa.

“Estamos en un estado de derecho. Estamos subordinados a la máxima autoridad que es el señor Presidente de la República”, dijo el jefe militar en una declaración transmitida por medios locales.

España condena “intento de golpe” en Ecuador y apoya al gobierno de Correa

El gobierno español condenó este jueves en un comunicado el “intento de golpe de Estado” en Ecuador y apoyó al “gobierno legítimo” de Rafael Correa.

“Ante las noticias de un intento de golpe de Estado en la República de Ecuador, el Gobierno de España quiere condenar firmemente cualquier ruptura de la legalidad constitucional y reitera su apoyo al gobierno legítimo y a las instituciones democráticas de Ecuador”, manifestó el ministerio de Asuntos Exteriores en un comunicado.

Equador

Via CubaDebate

Ecuatorianos se dirigen en masa al hospital para rescatar a Correa

 

Imagen tomada de Telesur

Imagen tomada de Telesur

Cientos de personas se congregaron hoy frente al palacio presidencial de Carondelet en Quito, para respaldar al jefe de Estado Rafael Correa frente a las protestas de policías y militares por la retirada de incentivos profesionales.

Funcionarios del Gobierno han llamado a dirigirse al Hospital donde se encuentra recluido el presidente ecuatoriano para “rescatarlo”, ya que el mismo Correa ha denunciado que se encuentra atrapado y que policías y manifestantes en su contra intentan ingresar a su habitación.

Gritando “¡Vamos Quito, Quito no se agueva carajo!”, los ecuatorianos a favor del Presidente han acudido a su ayuda.

Los manifestantes agredieron a unos cinco agentes policiales que no protestaban, sino que llegaban a Carondelet como protección de unas autoridades gubernamentales, según pudo constatar una periodista de Efe.

La manifestación de personas afines al presidente se realizó en reacción a las protestas por parte de centenares de policías y militares que ocuparon hoy un regimiento en Quito y obligaron al cierre del aeropuerto de la capital.

Los agentes huyeron corriendo mientras explotaba una bomba lacrimógena, que no está claro quién lanzó.

Al grito de “Correa, amigo, el pueblo está contigo”, cientos de personas expresaron su apoyo al jefe de Estado que previamente en el regimiento Quito, donde comenzó la protesta de los policías, advirtió que no cederá ante los reclamos.

La protesta de los policías y militares estalló después de que la Asamblea Nacional aprobase ayer la eliminación de incentivos en los ascensos y se extendiese el plazo para los mismos.

Según constató Efe, el palacio de Gobierno, situado en el centro colonial de Quito, no tiene resguardo policial en la parte exterior, en tanto que una veintena de militares dan seguridad en el interior.

Possível tentativa de golpe no Equador

Sanguessugado do Rovai

Equador vive tentativa de golpe militar

Estou fora da redação, mas já estou em contato com o Tadeu Breda que deve lançar um livro sobre o Equador pela Publisher Brasil.

Ele está  tentando apurar o que aconteceu no Equador, mas até onde consegui apurar trata-se de um golpe de Estado.

Rafael Correa está sequestrado e a fronteira com o Peru foi fechada, como também os aeroportos.

Estou atento. Em breve a página da Fórum  publicará outras notícias.

Repartição de renda faz sua última eleição

Sanguessugado do Oleo do Diabo

Artigo do Wanderley no Valor de hoje, sobre eleições

Do Valor Econômico


Repartição de renda faz sua última eleição.


Wanderley Guilherme dos Santos

Registro dois óbitos iminentes: o da eficácia eleitoral da política de redistribuição de renda e o do poder desestabilizador da grande mídia. São movimentos dessa natureza que brazilianistas e a nova direita chic, os comunistas nostálgicos, não antecipam. Há quem acredite que nada mudou no Brasil desde a Primeira Missa. Outros, que mudou para pior desde a Primeira República. São ecos do passado, nutridos pela lerdeza real com que o país tem resolvido alguns problemas clássicos da modernidade. A urbanização custou a chegar, assim como a industrialização e a transformação da estrutura ocupacional. Argentina, Chile e Uruguai brilhavam com taxas européias de urbanização e alfabetização (nada de industrialização, é bem verdade) quando o mundo era campestre e a poesia e o romance, bucólicos. Em um par de décadas, contudo, a urbanização e a transformação ocupacional brasileiras bateram recordes históricos, deixando na rabeira não só a América do Sul, mas China, Índia e, em alguns aspectos, a Rússia, inventando ao longo da travessia um eleitorado de 136 milhões de votantes, indomável a qualquer elite leninista e, cada vez mais, insubmissa ao comando coronelista. A poda das oligarquias hereditárias ocorre de Norte a Sul do país. Por fim, descobriu-se uma classe média (próxima de 90 milhões de pessoas) quase do tamanho do Japão. Dezenas de milhões de "japoneses", digamos assim, falando português, mas com igual apetite consumista, invadiram as lojas de eletrodomésticos, de roupas, agências de viagens, aviões, hotéis e, até mesmo, as revendedoras de automóveis japoneses propriamente ditos. Não há nostalgia que suporte isso sem virar ressentimento. Mas, a contragosto, será nesse depósito que a história obrigará os conservadores a colher votos no futuro.
Do berço ao túmulo, a população brasileira passou a ser assistida por complexa rede de políticas sociais institucionalmente inéditas, em grande parte, e incomparáveis em sua cobertura. Multidões foram extraídas à miséria e à pobreza em prazo mínimo, se confrontado aos quase cem anos que o sistema social europeu exigiu para ser elaborado e implementado. Evidentemente, nossos séculos preguiçosos legaram tal espetáculo de carências que a profunda subversão de prioridades operada pela era Lula não está senão a meio caminho da empreitada em seus efeitos estruturais. Metas ainda por atingir, ocasionais gestões deficientes, equívocos de formulação inicial de alguns programas fazem parte da história real do período e comparecem na queda de braço das argumentações eleitorais. Mas não é nesse discurso ao tele-espectador que se encontra o coração da matéria.
Grande parte das políticas sociais em curso dispensa intermediários. Os atingidos têm acesso direto aos benefícios, extinguindo-se o pedágio de gratidão que deveriam pagar aos agentes executivos das ações distributivas. A fruição dos bens sociais a que têm direito independe de conexão com algum doador individualizado, subordinando-se tão somente ao vínculo formal com a apropriada agência de implementação. O funcionamento do sistema, naturalmente, claudica aqui e ali e a eficiência da máquina não é uniforme. Isso tende a melhorar. E tende a melhorar na exata medida em que os beneficiados deixam de aceitar o serviço ou o bem como favor (a cavalo dado não se olham os dentes) e a entendê-lo como obrigação do Estado. Nessa mesma medida o voto-gratidão ou se transforma em voto-confiança ou migra. Em breve a população brasileira sentirá a rede social em expansão (volume e qualidade) como estado da natureza, solo sobre o qual se desloca sem prévia licença de autoridade política a que deva lealdade. Certamente que o eleitorado, sobretudo o mais antigo, preserva um estoque de confiança nas lideranças que deram origem à re-fundação do pacto político original. Mas a simples lembrança daquele momento pode se tornar insuficiente para a renovação da confiança. E é assim que deve ser.
Nova classe média tende ao conservadorismo por entender que existem limites à mobilidade social ascendente
Parte considerável da nova classe média tende ao conservadorismo por entender com absoluta lucidez que existem limites à mobilidade social ascendente e que mudanças, dadas certas circunstâncias, serão, provavelmente, para pior. É sociológica e economicamente impossível que a totalidade das pessoas que alcançaram ou venham a alcançar em breve o topo salarial ou de posição em algum ramo do comércio, serviços ou ocupação industrial, se transfiram para um patamar acima na estratificação social, dando início a nova trajetória ascendente. A maioria das moças e rapazes que, recém alfabetizados ou saídos de escolas profissionalizantes, encontram vagas em abundância como atendentes, vendedoras, caixas, recepcionistas etc., irão se aposentar na mesma profissão ou em profissão aparentada. Algumas chegarão a supervisora ou gerente de filial; pouquíssimas a postos de direção. Grandes agregados sociais não costumam pular dois degraus na estratificação, independente da orientação dos governos e dos sociólogos de boa vontade. A ascensão inter-geracional é outra história. Em uma geração, porém, o jovem que se entusiasmava com o fervilhante trânsito social é o mesmo adulto maduro que, seguro em sua posição atual e aposentadoria próxima, teme promessas de solavancos sociais. O mais provável é que o solavanco o desaloje. Alguns chamam o fenômeno de "aversão ao risco", mas podemos chamá-lo, sem ofensa, de "potencial de votos conservadores". Em próximas eleições, o aceno da consolidação de conquistas feitas pode ser tão ou mais atraente do que prometida alvorada de grandes transformações.
E eis que o poder desestabilizador da grande mídia parece agônico. Poder que detinha menos em função do jornalismo político investigativo, exacerbado em períodos eleitorais, e mais pelas ilações que faz, os olhos que a liam e os ouvidos que as ouviam. Acusar a mídia de omitir informações, procede, com frequência, mas é trivial. Negar os resultados reais do jornalismo investigativo é tolo e inútil. O mesmo leitor que recusa o exagero aceita o fato comprovado. E o que importa, em primeiro lugar, são os fatos comprovados. Culpa cabe ao governo, ao atual, aos anteriores e a todos os que vierem depois, por entregarem seus eleitores e apoiadores aos embaraços de se verem expostos aos resultados de uma política negligente de recrutamento de pessoal para cargos de absoluta relevância e respeitabilidade. Não é aceitável, em nenhum governo, que ocupantes de cargos de confiança estejam a salvo para operar sem sistemático escrutínio da legalidade e lisura de seus atos. Os órgãos de segurança do governo devem ser responsabilizados pelas constantes provas de incompetência que vêm dando. Um aparato estatal oligárquico, historicamente destituído de capacidade operacional para implementar políticas de grande envergadura – por isso mesmo obrigado a recrutar rapidamente quadros capazes, mediante concursos e funções de confiança – está especialmente sujeito a ser penetrado por funcionários cuja idoneidade ainda está para ser comprovada. O cuidado com o funcionamento da engrenagem governamental deve ser permanente e habilidoso, antes que meramente burocrático. Não é o governo que se torna vulnerável. Isso pode passar. São os seus eleitores que se envergonham e gaguejam, pagando enorme preço em estima social pela confiança que depositaram em governantes, e que a transferiram à desonra. Por isso, não é a grande mídia a responsável. Ao contrário, deve-se ao jornalismo investigativo de boa fé a fiscalização que órgãos governamentais deixam escapar e que a desídia de uma oposição de nariz arrebitado não exercita.
Referia-me ao jornalismo investigativo de boa fé. As ilações editoriais pertencem a outro departamento. Fora da temperatura eleitoral, não há pessoa de bom senso suscetível à idéia de que o presidente Luiz Inácio, ou qualquer outro presidente normal, tenha montado um governo para saquear o país ou promover o nepotismo como política oficial. Não haveria recursos, tempo e sequer mão de obra para, ao mesmo tempo, reduzir espetacularmente a miséria, redistribuir renda e estimular o desenvolvimento econômico. A transferência de significado dos reais ilícitos administrativos para deliberadas intenções políticas se deve ao exercício do poder desestabilizador da grande mídia. Não consta de nenhuma apuração jornalística nem faz qualquer sentido no contexto geral das eleições. Mas é recorrente no Brasil. Assim aconteceu em 1950, 1954, 1960, 1964, no século passado, e em 2002 e 2006, no atual. Ao contrário de épocas pretéritas, todavia, suspeito que esse poder desestabilizador agoniza e, por isso, esperneia.
Tudo começou, creio, com a decisão do então presidente Fernando Henrique Cardoso de criar o Ministério da Defesa, entregando seu comando a um civil. O grande economista Inácio Rangel sorriria ao verificar que, mais uma vez, teria que ser um membro da elite a tomar medidas bastante ousadas. Fernando Henrique, candidato preferencial que fora da oficialidade militar, fez, sem susto, o que Lula, certamente, não teria condições de fazer, à época. Firmou-se constitucional precedente e a sucessão de ministros naturalizou a condição civil do cargo. Despreocupado com problemas de soberania, contudo, Fernando Henrique levou as Forças Armadas à mesma dieta do resto do funcionalismo público e das instituições do Estado, fazendo-as raquíticas, quando não as esfacelando. Outra vez, coube agora ao ex-espantalho Lula, comprometido com a recuperação do povo e da soberania nacional, re-incorporar as Forças Armadas à sociedade e integrá-las em projeto comum. Hoje, nem o Exército nem as demais forças militares estão em busca de identidade, como diria o sociólogo Edmundo Campos, distinta da identidade dos demais segmentos do país. Não obstante resquícios de privilégios, preconceitos e temores herdados de passado nem tão remoto, o entendimento entre as instituições civis e militares se manifesta na total discrição e profissionalismo com que os responsáveis pelos comandos armados têm agido de tempos para cá. Na verdade, o que está fugindo ao poder desestabilizador da grande mídia são os olhos e ouvidos militares. Ela nunca interpretou, fora raros momentos, o sentimento da maioria da população, valham as sucessivas derrotas de seus candidatos como recibo da afirmativa. Mas vociferava aboletada em tanques. Hoje, resta-lhe o potencial para assassinatos de caráter – algo ainda terrivelmente assustador. Tímidas tentativas de se aconchegarem aos bivaques, entretanto, diria o marechal Castelo Branco, têm sido apenas patéticas.
A influência dos meios de comunicação nos processos eleitorais é inteiramente normal em democracias. Inevitável, ademais. Perigoso é quando, além da malícia retórica, o poder desestabilizador busca se realizar, irresponsável, pela mão de terceiros. Isso, parece, está fora de cogitação. A propósito, em 2012 o opúsculo "Quem Dará o Golpe no Brasil?" completará cinquenta aninhos.
E para não dizer que não falei de flores: o poder desestabilizador se concentra, hoje, nesse fóssil institucional que é a Justiça Eleitoral.


Wanderley Guilherme dos Santos integra a Academia Brasileira de Ciências/Universidade Candido Mendes

O que é um terrorista?

Via Revista Forum

 

A associação entre as lutas de esquerda, populares e/ou nacionais de libertação, ao “terrorismo”, não condiz com o momento de entrada do termo na língua, embora algumas dessas lutas tenham feito uso de táticas classicamente classificáveis como terroristas e uma fração ainda maior delas tenha sido assim etiquetada pelas forças dominantes contra as quais lutavam.

Idelber Avelar

Desde os ataques de 11 de setembro de 2001 aos EUA, as palavras “terror”, “terrorismo” e “terrorista” começaram a entrar naquela zona da linguagem em que elas já não servem para comunicar, mas para esconder e dissimular. “Terrorista!”, brande Uribe com a certeza de que deu a resposta definitiva para o porquê de não se negociar com as Farc. “Terrorista!”, grita o candidato a vice-presidente Índio (DEM) a qualquer governo de esquerda com o qual o Brasil tenha se relacionado nos últimos anos, tentando assim colher dividendos eleitorais na República Morumbi-Leblon. “Terrorista!”, brada a direita americana para explicar sua estranhíssima guerra, na qual não há um Estado inimigo, uma força bélica reconhecível do outro lado, sequer uma declaração, como costumavam exigir as guerras antigas. Trata-se de um dos termos mais abusados na política contemporânea, sem dúvida.
O vocábulo “terror” entra na língua como designação de um ato político justamente no momento de fundação da democracia moderna. De acordo com Antonio Houaiss, na acepção 6 do termo, “terror” é o nome por que se designa o período da Revolução Francesa compreendido entre 31 de maio de 1793 (a queda dos girondinos) e 27 de julho de 1794 (a queda de Robespierre). O “terror”, portanto, nem é invenção árabe nem é o oposto da democracia, mas aparece na história como um momento de consolidação desta última, pelo menos em seu sentido original, francês.
Já “terrorista” é termo mais recente, de entrada na língua em 1836, para o substantivo, e 1881, para o adjetivo, segundo Houaiss. Ele ganha circulação com grupos como o Narodnaya Volya, na Rússia: jovens que tinham uma plataforma de democracia radical, mas que começaram a recorrer a táticas como o assassinato seletivo (o mais famoso sendo o do Czar Alexandre II, em 1881). Sobre eles, Dostoiévski escreveu um grande relato, Os Demônios, em que o romancista conservador russófilo tentava alertar para os perigos do niilismo. Os grupos terroristas estudantis russos só seriam derrotados politicamente, no entanto, pelo bolchevismo, que sempre criticou os métodos do populismo Narodnaya e impôs sua solução política em 1917. A associação entre as lutas de esquerda, populares e/ou nacionais de libertação, ao “terrorismo”, portanto, não condiz com o momento de entrada do termo na língua, embora algumas dessas lutas tenham feito uso de táticas classicamente classificáveis como terroristas e uma fração ainda maior delas tenha sido assim etiquetada pelas forças dominantes contra as quais lutavam. Ao longo da colaboração dos EUA com o regime segregacionista da África do Sul, o Congresso Nacional Africano e seu líder principal, Nelson Mandela, foram caracterizados como “terroristas”. Ainda em 2008, 14 anos inteiros depois do fim do apartheid, 9 anos inteiros depois que Mandela havia concluído sua presidência na África do Sul, os EUA ainda o catalogavam oficialmente como terrorista, fato que ninguém menos que a chanceler de George W. Bush, Condoleeza Rice, definiu como “embaraçoso”.
Até a primeira metade do século XX, o terrorismo, entendido como atentado em massa a vidas de civis inocentes, não era parte do jogo político na Palestina histórica. Ele chegou ao território com os grupos Hagana, Irgún e Stern, todas elas organizações sionistas cuja atividade principal eram atos de terrorismo no sentido estrito definido acima. Na Wikipédia anglófona, no entanto, o leitor encontrará os Narodnaya russos definidos como “terroristas”, enquanto as organizações sionistas que cumpriram papel central na fundação de Israel são listadas com os eufemismos “grupo militante” ou, de maneira ligeiramente mais próxima à realidade, como “grupo paramilitar”. Desde 1967, Israel realiza contra o povo palestino, com alguma regularidade, ações catalogáveis como de terrorismo de Estado no sentido estrito, incluindo-se o assassinato seletivo, a tortura, a demolição de casas, o encarceramento extrajudicial, o bombardeio indiscriminado, a punição coletiva, a colonização, confisco, cerco e monopólio de terras por colonos fortemente armados, a monopolização da água e a picotagem do território palestino com postos policiais de controle de alta truculência e por estradas exclusivas para colonos. Mas só em raríssimas comarcas o leitor verá o termo “terrorismo” associado às ações de Israel.
Hagana comete os primeiros atentados terroristas contra árabes na Palestina já nos anos 20 e, ao longo dos anos 40, as organizações sionistas cometem amplos crimes definíveis como terroristas, tanto contra árabes como contra ingleses. É o caminho histórico pelo qual se fundou o estado de Israel. No entanto, Israel, que ao longo de sua existência e, especialmente, desde 1967, comete crimes definíveis como terrorismo de Estado contra os palestinos, mantém um virtual monopólio sobre os usos do termo “terrorista”. Ele tem sido usado há décadas e, com especial furor, desde 2001, para caracterizar quaisquer interlocutores que construa a nação palestina como seus representantes. Ao mesmo tempo, não há um reconhecimento oficial de Israel acerca do papel do terrorismo em sua própria fundação, já demonstrado amplamente pela historiografia. Esse monopólio sobre a palavra não é fruto de uma “conspiração” e, muito menos, de uma “conspiração judaica”. Ele é explicável pela imensa assimetria nas forças de comunicação dos dois lados, pelo enorme poder do lobby pró-Israel nos Estados Unidos e pela força de pressão exercida por esse lobby sobre políticos e imprensa do mundo todo, particularmente no Ocidente. O resultado concreto desses processos tem sido a identificação do lado palestino, a priori, com o terrorismo, e a instalação de uma conversa na qual é sempre a obrigação do lado palestino desfazer essa associação, como pré-requisito para que a conversa possa se iniciar.
É o mesmo jogo da direita americana mais belicista para justificar suas intervenções no Oriente Médio, com as catastróficas consequências que conhecemos.

Carta ao Professor Hariovaldo

Sanguessugado do DoLaDoDeLa

 

Caro professor Hariovaldo Almeida Prado,

Considerando que aos três dias de outubro do corrente ano as eleições estarão liquidadas pelos representantes da Novíssima República comuno-sindicalista e que em breve, a disputa política cairá no esquecimento, não poderia me furtar de fazer uma sincera homenagem a quatro importantes famiglias brasileiras, seus jornais e a seus principais colaboradores que, a exemplo da saudosa Tribuna da Imprensa, combateram ao lado da oposição os desmandos dos poderosos de turno. Infelizmente não foram vencedores, mas estou certo de que seguirão adiante denunciando a corrupção, apontando desvios éticos e gritando contra a desmoralização e o esfacelamento da democracia em nosso país. Um dia, no futuro, alguém que queira estudar a força do Quarto Poder poderá encontrar aqui um tributo aos nossos hérois da resistência, cidadãos probos e impolutos, conscientes do seu dever cívico e comprometidos com os direitos fundamentais da pessoa humana, com a justiça social e com o progresso da nação.
Às Organizações Globo, da famiglia Marinho e seus representantes:
Ali Kamel
Arnaldo Jabor
Carlos Alberto Sardemberg
Carlos Henrique Schroeder (por omissão)
Lúcia Hippolito (Ah Lolito...)
Merval Pereira
Miriam Leitão
Ricardo Noblat
À Editora Abril (Revista Veja), da Famiglia Civita e seus representantes:
Augusto Nunes
Eurípedes Alcântara
Diogo Mainardi
Reinaldo Azevedo
Ao Jornal Folha de S. Paulo, da Famiglia Frias e aos seus representantes:
Danusa Leão (ex-mulher do meu arqui-inimigo Samuel Weiner)
Eliane Cantanhêde
Judith Brito (pres. ANJ)
Renata Lo Prete
Suzana Singer
À Famiglia Mesquita: in memorian
Estou certo de que os brasileiros saberemos recompensá-los com generosidade pelo importante capítulo que escreveram em nossa história!
Att.,
Carlos Lacerda.

Estadão escancarou geral

Sanguessugado do redecastorphoto

Eugenio Bucci, o golpismo confesso e a filosofia de conveniência

Mauro Carrara

Cliquei hoje no site do Observatório da Imprensa e lá encontrei a chamada para o artigo de um ítalo-brasileiro, o jornalista Eugênio Bucci.

Não resisti. Pois da lavra nossa, dos oriundos, há algo do melhor e algo do pior em termos de substância política.

Já me assustei ao topar com a fonte: "reproduzido do Estado de S. Paulo, 23/9/2010"...

E também com o chapéu e o título:

"Mídia & Governo

Por um pingo de serenidade".

O primeiro parágrafo consagrou minhas suspeitas. Acusa lá o badalado funcionário da família Mesquita:

"Por iniciativa pessoal do presidente da República, a imprensa vai se convertendo em ré nesta campanha eleitoral. Nos palanques, ele vem investindo agressivamente contra ela. Diz que vai derrotá-la nas eleições. Lula grita, gesticula, fala com muita virulência. Por que será?"

A proposta clara é intimidar, calar e criminalizar o presidente, tática que vem sendo utilizada há semanas pelo massudo jornal dos coronéis quatrocentões.

O desenho caricato de Lula visa a desqualificá-lo e, simultaneamente, instruir uma vitimização da mídia.

Previsivelmente, Bucci se mune de todo arsenal da sofística para confundir conceitos, fingindo não perceber distinção entre jornalismo informativo e jornalismo de propaganda.

O articulista não faz qualquer menção, por exemplo, à utilização de um criminoso apenado, receptador de cargas roubadas e falsificador de notas de R$ 50, como homem-bomba da Folha de S. Paulo em seu atentado recente contra a reputação de Dilma Rousseff.

Tampouco Bucci menciona o fato de que seu próprio Estadão deturpou vergonhosamente o conceito do ato pela democratização da mídia, realizado no dia 23 de Setembro, no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo.

Para o jornalão, tratava-se de um evento patrocinado pelo PT com o intuito de calar a imprensa. Quem esteve presente sabe que se trata de uma falsidade. Nem uma coisa nem outra.

Bucci, como muitos outros jornalistas brasileiros, julga-se acima da lei e dos códigos de conduta que regram a vida em sociedade.

Nesse transe de superescriba, homem além do bem e do mal, acredita que a imprensa tudo possa, contra quem quiser, mesmo que recorrendo à ilicitude.

Para que o leitor compreenda essa linha de pensamento, reproduzo um parágrafo-chave do próprio artigo. Preste atenção e, acredite, ele pensa isso mesmo.

"O engano. Lula faz crer que liberdade existe apenas para os que informa “'corretamente”. Não é bem assim. A liberdade de imprensa inclui a liberdade de que veículos impressos – que não são radiodifusão e, portanto, não dependem de concessão pública – assumam uma linha editorial abertamente partidária.

Qualquer órgão impresso (ou na internet) pode, se quiser, fazer oposição sistemática. A liberdade não foi conquistada apenas para os que 'informam corretamente', mas também para os que, na opinião desse ou daquele presidente da República, não informam tão corretamente assim. Se um jornal quiser assumir uma postura militante, de cabo eleitoral histérico, e, mais, se quiser não declarar que faz as vezes de cabo eleitoral, o problema é desse jornal, que se arrisca a perder credibilidade. O problema é dele, só dele, não é do governo".

Ou seja, tudo aquilo que aprendemos nos escritos de Platão, Aristóteles, Kant, Hegel, entre outros, deve ser jogado no lixo, pois Bucci descobriu um novo conceito, o de “verdade conveniente”.

A Deontologia já não tem serventia, exceto ornamental nas Caspers, ECAs e FFLCHs da vida, está última devidamente engatada nessa trem de retóricas delinquentes pelo professor José Arthur Giannotti, um dos gurus de FHC.

Ou seja, sobre a liberdade de imprensa não pesa mais a hipoteca da busca da realidade dos fatos e do bem comum.

Está autorizado o vale-tudo, o interesse particular e, em última instância, a barbárie iconoclasta patrocinada pelo baronato midiático.

O artigo de Bucci é, no entanto, uma confissão importante. Acionada a tecla SAP, podemos ler: “não acredite em tudo que o Estadão publica, pois nossa noção de informação correta está subordinada ao interesse particular”.

Se o próprio jornal constituiu uma peça editorializada para eleger Serra como seu representante, resta nenhuma dúvida sobre o tipo de jornalismo produzido na Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 55.

O articulista Bucci é daquelas figuras que parecem elétrons saltitantes e imprevisíveis.

Ora, está no Largo São Francisco, aprendendo com a turma da "bucha". Depois, perambula pelo PT. Logo, gruda-se no núcleo duro da Editora Abril. Passa pela Radiobrás, onde é paparicado pelos recrutadores de quadros do Governo Federal. Aí, vira articulista do Estadão, o jornal que adorava espinafrar nas tertúlias de bar.

Não é caso único. É enorme a trupe dos defensores de causas de ocasião.

Górgias temos aos montes na Terra dos Papagaios.

No entanto, há coerência. Se o jornalismo não precisa ser correto nem ético, por que Bucci necessitaria sê-lo?

Mais uma lição estarrecedora, mas clarificante, do pedagógico Setembro de Fogo de 2010.

enviado por Alfrei

Serra telefona e Gilmar Dantas interrompe julgamento ou Eu tenho a força!

Coincidência? Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm.

image

Após receber uma ligação do candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes interrompeu o julgamento de um recurso do PT contra a obrigatoriedade de apresentação dos dois documentos na hora de votar. (Pra ler a matéria da fôia ditabranda)

Você também pode ler que o coitadinho do Eduardo Jorge deflorou o sigilo bancário de algumas pouquíssimas pessoas. A informação é da tucana Mônica Bergamo.

Roberto ‘você desperta meus piores sentimentos Jefferson critica Zé Pedágio por expor Gilmar Dantas. Tá na fôia ditabranda também.

“"Serra expos o Ministro Gilmar Mendes de (sic) publico. Mandou mal", disse Jefferson. "As vezes penso que o Serra e altista [autista]. Só pensa em si próprio. Ruim, expos o Gilmar Mendes", reiterou.

Eu, ein!

Será esse fogo amigo o destino final de Zé Pedágio? Vão fritá-lo para encobrir suas próprias culpas?

TUCANOS E MÁFIA MIDIÁTICA CONTRATARAM PISTOLEIROS

Sanguessugado do CloacaNews

 

Reunidos em uma certa enoteca da capital paulista, os capos das principais e mais influentes organizações mafiomidiáticas do país – acompanhados de seus capangas, todos diretores de redação – engendraram uma ação espetacular para mandar pelos ares a candidatura presidencial de Dilma Rousseff e, por tabela, beneficiar o zumbi-tucano Zé Chirico.

Um cacique do PSDB, com livre trânsito no bas-fond do crime organizado, teria arregimentado colegas de extensa ficha corrida – todos especializados em roubo e sequestro – para gravar “depoimentos” e encenações, fazendo-se passar por integrantes do PCC, a próspera agremiação criminosa que floresceu e ganhou vulto durante as administrações tucanas no estado de São Paulo.

As gravações (já realizadas) seriam veiculadas por uma famosa rede de TV para, em seguida, ecoar nos jornais e revistas de propriedade dos mafiosos da Impresa.

O golpe diabólico, porém, sofreu um revés: um dos bandidos contratados pelos tucanos para a empulhação deu com a língua nos dentes ao não receber do contratante a paga previamente combinada.

A informação foi divulgada pelo portal Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim, que reproduziu a correspondência enviada por um de seus leitores.

.

Eis a íntegra da mensagem reproduzida por PHA:

.

“Indivíduos do Capital e da região de Sorocaba, com diversas passagens pela polícia (roubos, receptação, assaltos à mão armada, seqüestros etc.) foram contatados por políticos ligados ao PSDB local através de um elemento intermediário com trânsito mútuo;

Foram informados de que “prestariam serviços” e levados até um shopping da cidade de São José do Rio Preto;

Lá mantiveram encontro com outras três pessoas, descritas como “muito importantes”, e receberam um adiantamento em dinheiro vivo;

Não se tratava de qualquer encomenda de morte, assalto ou ato criminoso tão comum para os marginais recrutados;

Imediatamente, tais bandidos foram levados até o Rio de Janeiro, a um bairro identificado como Jardim Botânico, onde ficaram confinados por dois dias;

Uma equipe de TV, num estúdio particular, gravou longa entrevista com os bandidos. O script era o seguinte: “somos do PCC, sempre apoiamos o governo Lula e estamos com Dilma”. Não fugiu disso, com variações e montagens em torno de uma relação PCC/Lula/PT/Dilma;

Os bandidos recrutados também foram instruídos a fazer ligações telefônicas para diversos comparsas que cumprem penas em penitenciárias do Estado de São Paulo. A ordem era clara: simular conversas que “comprovassem” a ligações entre o PCC e a campanha de Dilma;

Tudo foi gravado em áudio e vídeo;

A farsa começou a ser desmontada quando o pagamento final pelo serviço veio aquém do combinado;

Ao voltarem para São Paulo, alguns dos que gravaram a farsa decidiram, então, denunciar o esquema, relatando toda a incrível história acima com riqueza de detalhes;

As autoridades já estão no encalço da bandidagem. De toda a bandidagem;

A simulação seria veiculada por uma grande emissora de TV e por uma revista depois do término do horário eleitoral, causando imenso tumulto e comoção, sem que a candidata Dilma Rousseff, os partidos que a apóiam e o próprio governo Lula tivessem o tempo de denunciar a criminosa armação;

Essa é a “bala de prata”. Já se sabe seu conteúdo, os farsantes e o custo, além dos detalhes. Faltam duas peças: quem mandou e quem veicularia (ou ainda terá o desplante de veicular?) a maior fraude da história política brasileira;

Com a palavra, as autoridades policiais”.

O arrependimento

Via Outros Cadernos de Saramago

José Saramago

A mais inútil coisa deste mundo é o arrependimento, em geral quem se diz arrependido quer apenas conquistar perdão e esquecimento, no fundo, cada um de nós continua a prezar as suas culpa […]

Todo cuidado com as palavras

Sanguessugado do Bourdoukan

Assentamentos? Onde?

Idosa palestina sendo agredida por colonos adolescentes judeus

Na Palestina com certeza não.

Na Palestina não existem assentamentos, mas colônias.

Por isso faz-se necessário o cuidado com as palavras.

Assentamento, por exemplo, é uma palavra que pode ser utilizada para se referir às terras ocupadas pelo MST.

São brasileiros que buscam melhorar sua vida ocupando terras brasileiras improdutivas para produzir alimentos.

Mas quando israelenses invadem e ocupam terras palestinas, eles são invasores.

Estão invadindo outro país.

Quando ocupam terras de outro país eles não o fazem para construir assentamentos, mas colônias.

Por isso, fica o apelo do blog para os jornalistas bem intencionados que me abastecem com textos utilizando a palavra “assentamento”, quando o correto é COLÔNIAS.

Sei que essa não é uma batalha fácil, já que a linguagem é cheia de armadilhas.

Abaixo, publico novamente, um texto mostrando como a mídia manipula a linguagem.

Manipulação midiática

Alguns exemplos de verbetes largamente utilizados pela mídia em seu esforço em manipular as palavras:

Ditador – É a denominação que a mídia dá a um presidente eleito democraticamente e age de acordo com a Constituição. Exemplo: Hugo Chaves.

Presidente – É a denominação que a mídia dá a quem aprova leis ditatoriais, invade nações para apossar-se de suas riquezas, assassina mais de um milhão de seres humanos; constrói muros segregacionistas; é contra o Tribunal Penal Internacional e os protocolos de Kioto.Exemplo: George W.Bush.

Incursão: Assim a mídia denomina a invasão de um país.

Tutela – É o sinônimo que a mídia dá à ocupação do Iraque pelos Estados Unidos.

Terrorista – Assim a mídia denomina o revolucionário que luta contra o jugo colonialista.Exemplo: iraquianos, afegãos e palestinos.

Suicida – É a denominação que a mídia dá ao prisioneiro assassinado pelos carrascos estadunidenses nas prisões de Abu-Ghraib, Guantánamo e Bagram.

Ataques cirúrgicos– Assim a mídia repercute quando um míssil estadunidense erra o alvo e causa a morte de civis. Três exemplos:

1)-O assassinato da filha de cinco anos do presidente líbio Muammar Kadhafi, em 1986;

2)-O abate de um avião civil iraniano com 298 passageiros e tripulantes em 1988. Não houve sobreviventes.

3)- A destruição de uma indústria farmacêutica no Sudão em 1998.

Seqüestro – Se um soldado israelense é capturado quando invade o Líbano ou a Palestina, a mídia diz que foi seqüestro.

Captura – Se um palestino ou libanês são seqüestrados em seus países  pelas tropas invasoras, a mídia diz que foi captura.

Incidente ou efeito colateral –É quando tropas de Israel ou dos Estados Unidos massacram centenas de civis palestinos, iraquianos e afegãos.

Massacre – É quando palestinos, iraquianos e afegãos matam dois ou três soldados de Israel e Estados Unidos.

Assentamento – É a denominação que a mídia dá à usurpação de terras palestinas por invasores israelenses.

Conflito – Assim a mídia denomina a invasão e ocupação da Palestina por tropas de Israel.

Há muitos outros exemplos, que você leitor pode acrescentar.
Como se ve, todo cuidado com as palavras...

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Minas Gerais em preto e branco

Via Correio da Cidadania

image

 
Frei Gilvander Luís Moreira

Até 3 de outubro de 2010 e talvez até o 2º turno das eleições, o povo estará sob o impacto do marketing político, eufemisticamente chamado de campanha eleitoral. Marketing político é a "arte" de revelar e ocultar. Revela o que interessa aos políticos profissionais para atingir um único objetivo: roubar poder, riqueza e prestígio. Os políticos que pleiteiam continuar no poder tentam mostrar que com eles, pela ação deles, a realidade se tornou cor-de-rosa, muito melhor do que antes. E ocultam a realidade em preto e branco. Escondem o que podem atrapalhar a corrida para o pódio do poder, da riqueza e do prestígio.

Um mineiro disse ao outro: "Compadre, você acredita que a realidade é colorida como aparece na TV no horário eleitoral?!" O outro mineiro responde: "Uai, sô! No virtual parece que o céu está na terra. Tudo bonito. Mas a realidade em preto e branco não é colorida, é dolorida. Interessa ao povo o que acontece de fato na vida real. É no chão da vida que se decide nosso futuro".

Quem faz marketing político olha a partir de palácios e de oásis; não discute um projeto popular para o país. Discute apenas quem será o melhor gerente para a empresa Minas Gerais, filial da empresa Brasil. Mas não adianta querer tapar o sol com a peneira. Urge olhar a partir das favelas, as novas senzalas, e a partir dos porões da humanidade, onde padecem milhões de pessoas que têm sua dignidade vilipendiada 24 horas por dia.

Eis, abaixo, flashes da realidade de Minas Gerais em preto e branco, realidade escondida interessadamente pelos que detêm o poder.

1) Terras devolutas em mãos de empresas eucaliptadoras

Após estudos sérios, em parceria com universidades federais, o Instituto de Terras do estado de Minas Gerais, o ITER, chegou à conclusão de que existem presumivelmente 11 milhões de hectares de terras devolutas em Minas Gerais (cerca de 1/3 do território do estado), quase todas elas griladas por fazendeiros, empresas "reflorestadoras" (na verdade, eucaliptadoras) e grandes empresas do agronegócio.

Entre as décadas de 1960 a 1980, grandes extensões de terras devolutas foram repassadas para grandes empresas em convênios firmados entre o Estado e aquelas empresas, que hoje as usam, quase que exclusivamente, na monocultura de eucalipto.

Muitos destes convênios estão vencidos. Muitas outras terras devolutas foram invadidas por grileiros, fazendeiros e empresários. Resgatar as terras devolutas e destiná-las à Reforma Agrária é uma emergência que não está sendo pautadas nos programas de governo. As titulações realizadas pelo atual governo limitaram-se aos minifúndios que perpetuam a pobreza dos camponeses.

2) O agronegócio impera deixando um rastro de destruição

Em Minas Gerais, o agronegócio anda de braços dados com as mineradoras e com as empresas da monocultura do eucalipto. Por agronegócio, entende-se a produção em larga escala, feita em grandes extensões de terra – latifúndio -, com alta tecnologia, uso indiscriminado de agrotóxico e, às vezes, mão-de-obra em condições análogas à escravidão. Após devastar 93% do cerrado, a monocultura de eucalipto resseca a terra, seca nascentes, escorraça os pássaros, expulsa os sitiantes que são obrigados a vender suas pequenas propriedades por falta d’água.

Na região de Unaí, onde é forte a monocultura do feijão, do milho e da soja, após a pulverização de herbicidas, feita por aviões em vôos rasantes, balaios e mais balaios de pássaros mortos podem ser recolhidos, vítimas dos herbicidas altamente tóxicos, tais como o Roundup. Câncer e alergias atingem já uma enorme multidão. Há muitos municípios, em Minas Gerais, onde a monocultura do eucalipto já invadiu 70% do seu território.

3) Minas Gerais ou crateras gerais?

O Estado de Minas Gerais poderia ser também chamado de Águas Gerais, porque minas de água é o que tinha demais nos gerais. Ainda tem, mas milhares de nascentes têm sido dizimadas nos últimos anos. Minas Gerais ainda é considerada a caixa d’água do Brasil.

No entanto, vive-se um paradoxo. Minas tem 70% da mineração do país. No quadrilátero ferrífero, no entorno de Belo Horizonte, está 70% da mineração de Minas.

Se não for mudado o projeto de desenvolvimento ora em curso, profundamente depredador do meio ambiente, anti-social e concentrador de riquezas em poucas mãos; se não forem acolhidos os clamores, as reivindicações e as denúncias dos sem-terra, dos pequenos produtores, dos atingidos por barragens de hidrelétricas – 40 mil famílias, só em Minas Gerais; se não for mudado o modelo de mineração irracional e a opção pelas monoculturas, principalmente a de eucalipto, o Estado dos mineiros poderá mudar de nome. Poderá ser chamado de Crateras Gerais, ou Desertos Gerais ou Cemitérios Gerais. Cemitérios de nascentes, de córregos, de veredas, de rios e de pessoas (1).

4) Cerca de 3 mil mulheres desrespeitadas em seus direitos humanos no centro de Belo Horizonte

Em quase 20 "hotéis de alta rotatividade" nas ruas do centro de Belo Horizonte, cerca de 3 mil mulheres exercem a prostituição em prédios velhos e mal cuidados. São quartos de hotéis em péssimas condições, muito pequenos, e com pouca ventilação, explorados por empresários que não têm nenhum respeito pela vida e pela dignidade da pessoa humana. Alguns não têm sequer água encanada, em outros, apenas uma pia, ou um pequeno bidê e pia. Quantos direitos humanos desrespeitados! Além disso, o que se ouve é "a Copa vem aí!" Boates em cidades do interior estão sendo preparadas para receber as profissionais do sexo, pois os hotéis devem ser revitalizados para servir aos turistas da Copa.

5) Cerca de 2 mil pessoas sobrevivendo nas ruas de Belo Horizonte

Agentes de pastoral da Pastoral de rua, bons samaritanos que se fazem solidários com os excluídos que têm apenas a rua como casa, nos informam que no centro de Belo Horizonte há cerca de 2 mil pessoas sobrevivendo. São os Lázaros de hoje que estão abandonados pelos políticos profissionais, pela elite e pela sociedade.

6) Jesus crucificado na fila do SUS e nos hospitais públicos

Todo político antes de se candidatar deveria fazer um estágio intensivo de pelo menos um mês nos prontos-socorros e nos hospitais públicos de Minas e do Brasil. Ao entrar em um pronto-socorro do SUS ou em um hospital público a sensação é que estamos entrando em hospital de campanha. Superlotação, pessoas internadas que continuam em macas, ou sentadas em cadeiras, um equipamento usado para sustentar o soro para 5 doentes, poucos funcionários para atender uma demanda sem fim...

"A gente sai do pronto-socorro do SUS e do hospital público, mas o pronto-socorro e hospital público não saem da gente". Os clamores e as angústias de milhões de pessoas que são condenadas a permanecer na fila do SUS, em uma via-sacra interminável, nos acompanham, incomodando e nos perguntando sempre: "Onde você está? O que você está fazendo no mundo? Cadê o direito à saúde? Cadê a democracia tão cantada no Brasil?".

7) As prisões mineiras (e do Brasil) são verdadeiros campos de concentração

Grande parte dos investimentos "sociais" dos governos tem sido aplicada nos sistemas de segurança e prisional: no aumento vertiginoso de efetivo policial, no número de viaturas e de prisões. Prisões superlotadas, onde a integridade física e mental dos presos não está sendo respeitada. A quase totalidade dos presos é pobre, negra e jovem. Em uma cadeia de Ponte Nova, MG, no dia 23 de agosto de 2007, 25 presos morreram queimados durante um incêndio. Outros oito presos foram queimados vivos em Rio Piracicaba, MG, em janeiro de 2008, e outros três, numa cadeia de Arcos, MG. Em menos de um ano, só em Minas Gerais, 36 presos morreram queimados em prisões; feridos, centenas.

Em Belo Horizonte, uma grande escola foi transformada na Penitenciária Feminina Estevão Pinto, onde, hoje, estão mais de 450 mulheres presas; três anos atrás eram 130 presas. O governo de Minas está construindo muitas penitenciárias. Uma delas será em Ribeirão das Neves – em regime de Parceria Público-Privada (PPP) - com capacidade para abrigar cerca de três mil presos, sendo que as empresas donas da prisão receberão 75 reais por preso por dia. (75,00/preso x 3.000 presos x 30 dias = R$6.750.000,00 por mês). O povo da região não aceita mais prisões, pois Ribeirão das Neves é conhecida como "a cidade das prisões", isso por causa do grande número de penitenciárias já existentes na região.

Em 10 de novembro de 2005, proferindo sentença em uma Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público contra a situação carcerária do 1º Distrito Policial de Contagem, em Minas Gerais, o juiz Livingsthon José Machado determinou a soltura de 16 presos - todos eles pobres, negros e jovens -, sob o argumento de que a incúria do Estado feria o artigo 5º, LXV da Constituição Federal. Esse inciso diz o seguinte: "a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária". Provada a ilegalidade – 63 presos em uma cela com capacidade para apenas sete; provada a insalubridade; provado o risco à saúde dos presos - pessoas enfermas amontoadas junto com pessoas sadias; provado o abuso de manter presos sentenciados em até quatro anos em cela insuportável, sem encaminhá-los para uma penitenciária; dada a incapacidade de o juiz mandar construir cadeias (já tinha exigido do governo estadual, mas não foi atendido.), o juiz Dr. Livingsthon José Machado, após interpretar com inteligência a Lei, em vista dos princípios constitucionais, concluiu que uma prisão que não cumpre os requisitos da lei é uma prisão ilegal e deve ser imediatamente relaxada. Assim, portanto, decidiu pela soltura dos presos.

O governador Aécio Neves e a mídia investiram contra o juiz Livingsthon alegando que ele teria colocado "marginal na rua". O Tribunal de Justiça de Minas Gerais, subserviente aos poderosos do estado de Minas, que têm no governador o seu maior representante, afastou o juiz de suas funções.

O Dr. Livingsthon fundamentou a soltura dos presos no respeito que a Declaração Universal dos Direitos Humanos consagrou à humanidade, que assim dispõe: "Ninguém será submetido a tratamento cruel, desumano ou degradante...". Por essa razão, a soltura dos presos ganhou uma dimensão oportuna no que tange à interpretação dos direitos humanos em tempos de desumanidade sangrenta nas cadeias de Minas e do Brasil.

Em vez de investimento em políticas sociais públicas - moradia popular, reforma agrária, saúde, educação, preservação ambiental, economia popular solidária, transporte público ... -, os governos, assim como parte da sociedade, estão investindo em segurança. Em João Pinheiro, MG, por exemplo, após a construção de uma penitenciária com capacidade para 193 presos, muitos professores fizeram concurso para serem agentes penitenciários, pois "um professor de segundo grau ganha, no máximo, 1500 reais por mês, por 40 horas em sala de aula, enquanto que como agente penitenciário ganhará 2500 reais por mês", afirma um docente mineiro ao dizer que não tem mais condições de manter a família sendo professor, e por isso terá, a contragosto, que se tornar agente penitenciário.

A via sacra para visitar os presos continua muito penosa. A revista íntima, de fato, é uma revista vexatória horripilante. A Associação de Parentes e Amigos de Pessoas com Privação de Liberdade mostra que a revista vexatória é humilhante, inconstitucional e um grande desrespeito à dignidade humana. Por que não se coloca um detector de metais? Ademais a Constituição garante que a pena não passará da pessoa do condenado.

8) Uma multidão de sem-casa

Segundo dados do IBGE (2) e Fundação João Pinheiro, em Belo Horizonte, hoje, existem aproximadamente 75 mil imóveis ociosos entre terrenos e edificações, contra um déficit habitacional de 55 mil famílias. Na região metropolitana da capital há mais de 173 mil famílias sem-casa.

A prefeitura de Belo Horizonte assumiu compromisso de construir apenas 300 moradias por ano e exige respeito a uma fila (que não anda) de quem está cadastrado em Núcleos de Moradia. Segundo dados da prefeitura existem hoje, aproximadamente, 13 mil famílias pobres cadastradas em 175 Núcleos de moradia espalhados por toda a capital mineira. Se os sem-casa aguardarem resignadamente na fila, terão que esperar 44 anos para chegar à tão sonhada "Casa Própria", isto sem falar nas outras 43 mil famílias e nos 177 mil cadastrados, em apenas uma semana, no Programa "Minha casa, minha vida."

Segundo informação do secretário do governo estadual, Sebastião Navarro, no estado de Minas há um déficit habitacional de 780 mil casas. O governo estadual em 8 anos construiu apenas 28 mil casas populares no interior de Minas, nenhuma casa na região metropolitana.

Enfim, poderíamos continuar denunciando injustiças que estão acontecendo nas Minas e nos Gerais, mas os oito pontos, acima mencionados, são suficientes para se perceber que Minas Gerais está em preto e branco, nada cor-de-rosa.

Por que os candidatos que, segundo as pesquisas eleitorais, lideram a disputa para governador de Minas Gerais não apresentam propostas capazes de transfigurar a realidade mineira? Por que não vemos propostas direcionadas a estas realidades acima apresentadas? Por que não apresentam propostas concretas para diminuir a enorme desigualdade existente?

Resta para o povo brasileiro, sobretudo as vítimas deste sistema imposto pela ordem do capital e sobre o qual se debruçam as propostas de governos, seguir na luta.

Desobediência civil, sim! Desde que as leis e as decisões sejam imorais e injustas por ferirem a dignidade humana e planetária. Afinal "erradicar a pobreza e reduzir as desigualdades sociais e regionais" é objetivo fundamental da República Federativa do Brasil e está posto na atual Constituição brasileira (Art. 2º, III). Lutar por este objetivo é compromisso de todos(as), mas, sobretudo, de quem no poder nos representa.

Notas:

(1) Para os últimos 3 itens, cf. o livro CONFLITOS NO CAMPO BRASIL 2004, da Comissão Pastoral da Terra - CPT -, 2005, pp. <34 a> 38.)

(2) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Gilvander Luís Moreira é frei e padre carmelita, mestre <em Exegese Bíblica>, teólogo e assessor da CPT, CEBI, SAB e Via Campesina.