quarta-feira, 31 de março de 2010

PIG espancado cruelmente

Maconha pode virar commodity

GilsonSampaio

O primeiro texto publicado no blog a gente nunca esquece, foi em agosto de 2009, Arnold Xuarzenegui, governador da Califórnia, defendia a legalização da maconha como forma de aumentar a receita do estado quebrado, em torno de U$ 1 bi.

Em referendo no próximo mês, a população da Califórnia pode decidir pela liberalização do uso da maconha para fins recreativos e a produção para consumo próprio - informa o jornal português Público.

Essa história de combate às drogas é permeada de muita hipocrisia e, se levada a sério, revelaria nomes até então insuspeitos como grandes grandes operadores do ‘negócio’ bilionário, afinal, áreas como a de logística e de infraestrutura não devem ser o forte dos produtores e traficantes. Talvez conhecéssemos algumas lavanderias com endereços nobres e nomes respeitáveis e outros nem tanto na área das finanças.

Xuarzenegui, o exterminador do futuro, colocou seu futuro sob o risco de ser exterminado.

Por aqui já temos o Farol de Alexandria defendendo a erva maldita, imaginem, se liberada, a senadora Kátia demo feudal Abreu defendendo a devastação das florestas para a implantação da nova commodity, com um puta beise entre os dedos e os olhos rubros injetados de THC.. Seria uma visão satânica, sem dúvida. E, hilária.

Em tempo, o EU deveria implantar uma base militar em seu território para combater o narcotráfico.

Sanguessugado do CubaDebate

El negocio de la droga en Estados Unidos

Por Hedelberto López Blanch

Estados Unidos no solamente es el mayor consumidor de drogas en el mundo sino también se ha convertido en uno de los mayores productores de marihuana al alcanzar las 10 000 toneladas métricas anuales y cuyas utilidades son mayores que la de alimentos como el maíz y la soya.

La mayoría de esta droga es sembrada en los parques nacionales como el bosque californiano de Secuoyas donde según Brent Word, supervisor de la Oficina de Narcóticos del Departamento de Justicia de ese Estado, traficantes mexicanos y estadounidenses emplean guardias armados y tendidos de cables que detectan cualquier intruso para proteger parcelas con miles de plantas, capaces de producir hasta 30 toneladas al año.

El Bosque Nacional de Secuoyas en el centro de California contiene un mosaico de plantaciones escondidas a lo largo de arroyos y cañadas, lejos de los senderos de excursionistas. Lo mismo ocurre en otros parques, entre ellos el Yosemite y en Apalachia, colindante con los Estados de Kentucky, Tennessee y West Virginia.

Además de estos sembrados en parques federales lejanos, también se incrementó la producción de marihuana en casas ubicadas en las ciudades. En estos centros, la hierba se cultiva bajo extremas medidas dentro de varios locales completamente cerrados.

Allí, el personal encargado de su cuidado permanece las 24 horas pues a las plantas no les puede faltar luz artificial, abono y agua. Las casas, hermetizadas para que las luces no se vean desde el exterior, son custodiadas permanentemente por los narcotraficantes.

Este negocio se ha incrementado en los Estados de La Florida y California. El cultivo es permanente y cada cosecha se evalúa en miles de dólares.

Esta droga ha sido objeto de cruces y mutaciones genéticas que han dado lugar a la marihuana transgénica y la sintética, las cuales cuentan con un 20 % de concentración de tetrahidrocannabinol (THC), que causa el doble de daño al sistema nervioso central, en comparación con la marihuana regular.

Un estudio de la Organización Mundial de la Salud (OMS) divulgado en 2008 informó que Estados Unidos es el mayor consumidor de drogas del mundo. Solo en cocaína, los norteamericanos consumen un tercio de la producción mundial.

Las cifras son significativas pues señala que 72 millones de estadounidenses mayores de 12 años, han consumido drogas alguna vez. Asimismo, lo han hecho el 41 % de los jóvenes que asisten a las escuelas secundarias y el 47 % de los preuniversitarios. El documento explica que el 62 % de los estudiantes de secundaria asiste a centros donde se trafica con drogas.

La comercialización reporta “beneficios” en Estados Unidos por más de 100 000 millones de dólares anuales que también ayudan a mover la economía en una sociedad donde el consumo es la base del crecimiento del Producto Interno Bruto (PIB).

Las autoridades apenas confiscan el 1 %. A causa del consumo de drogas, 20 000 norteamericanos mueren cada año; decenas de miles van a parar a las cárceles.

El ex presidente William Clinton reconoció durante una audiencia congresional en 2007, que en Estados Unidos se consume el 50 % de las drogas producidas en el mundo, mientras su población es solo el 5 % del orbe.

Pese a que Washington acusa constantemente a otros países (en la mayoría en forma injustificada) de tener relaciones con el narcotráfico, muchos de sus funcionarios han reconocido que el problema fundamental se halla en su propio país.

En declaraciones recogidas por la agencia mexicana Notimex, en fecha tan lejana como diciembre de 1997, el ex director de la DEA, Thomas A. Constantine, reconoció que sin grupos de distribución en Estados Unidos los cárteles no podrían operar. Explicó que ellos necesitan (y tienen) en Norteamérica una red de administradores de alto nivel, transportistas, contadores, expertos en comunicaciones y personal de almacenamiento.

La canciller mexicana, Patricia Espinosa, afirmó recientemente que la violencia del narcotráfico en localidades de su país cercana con la frontera del vecino del norte, deriva de la falta de reducción del consumo de drogas en Estados Unidos.

Razón suficiente tiene Espinosa pues se conoce que más de 300 000 organizaciones y bandas, en el gigante del norte, participan en el control de la droga.

Con la actual crisis económica mundial, los precios de los estupefacientes se han incrementado abruptamente. Organizaciones No Gubernamentales norteamericanas que protegen a víctimas de ese flagelo, aseguran que el precio de un kilo de cocaína cuesta 2 500 dólares en Colombia, 4 000 en Panamá, 6 000 en Guatemala, 12 000 en México, 16 000 en la frontera norte del país azteca y 139 000 en Estados Unidos, o sea, 200 dólares el gramo en las calles.

En la sangrienta ruta desde Sudamérica hasta el principal mercado consumidor de la droga, su valor aumenta enormemente.

Son numerosos los informes que relacionan a la Agencia Central de Inteligencia (CIA) con el tráfico de drogas para emplear el dinero en desestabilizar gobiernos o crear campañas adversas contra naciones que no se pliegan a sus exigencias.

Un estudio del Departamento de Estado reconoce que pese a la intervención militar norteamericana en Colombia, ese país sigue siendo el líder mundial en producción de cocaína con el 70 % del total de distribución mundial y el 90 % de procesamiento.

Por tanto, cada día son más incongruentes los informes emitidos en Washington sobre actividades de drogas pues el centro del negocio se encuentra concentrado en sus naciones aliadas y en su propio territorio.

A greve de professores que não é real

image

image

Servidores de SP hostilizam jornalistas em manifestação contra Serra

MÁRCIO NEVES
colaboração para a Folha Online

Atualizado às 17h29.

Jornalistas de diversos veículos foram hostilizados hoje por servidores de São Paulo durante manifestação na avenida Paulista contra o governador José Serra (PSDB). Alguns chegaram a jogar garrafas de plástico contra uma equipe da TV Globo.

Policiais militares tiveram de intervir e a equipe da Globo foi levada para uma base da PM na região.

Quando ainda estavam concentrados no vão livre do Masp, os manifestantes diziam que a imprensa protegia Serra.

Para uma repórter da Record, que perguntava para motoristas parados no trânsito o que achavam do protesto, eles reclamaram da falta de cobertura do movimento.

Na maioria das vezes os sindicalistas diziam que a imprensa era tucana e não tinha coragem de cobrir a manifestação do funcionalismo público.

O link ao vivo da Rede Globo deixou o local após os manifestantes gritarem palavras de ordem e baterem no carro da emissora.

Batom na cueca

Recebido da Rede Castor

Esse 'jornalismo' de denuncismo já deu o que tinha que dar. Apago sem ler praticamente TUDO que seja escrito por jornalistas brasileiros.

No texto abaixo, trata-se, isso sim, e só, de a imprensa brasileira estar confessando que não sabe o que faz. Não que não faça: faz (aliás, não nos dá sequer a mínima pausa, de refresco!), mas não sabe o quê. Ou, se sabe, finge que não sabe. Por isso, esses jornalistas imbecis e imbecilizantes, dizem qquer coisa, que outros jornalistas imediatamente põem-se a repetir.

Imprensa que faça papel de partidos é imprensa TOTALMENTE fascista e fascistizante. QUEM, diabos, algum dia votou em algum jornal ou jornalista, para autorizá-lo a criticar o voto da maioria?! Devo lembrar que isso vale, é claro, também para o PHA, como para o Mello, como para qquer jornalista que se sinta autorizado a 'fiscalizar' o poder democrático.

A imprensa é filha-amásia DO PODER, não de um ou outro partido, de uma ou outra situação ou de uma ou outra oposição. Imprensa que malhe a situação é imprensa que ASPIRA ao poder; é, portanto, imprensa que se sente com direito 'natural' ao poder e a disputa pelo poder (mas sem aparecer como candidata nas urnas, né-mané?!). Por quê? Pergunte a qquer jornalista e ele entupirá vc de argumentos segundo os quais qquer jornalista teria direito 'natural' a pregar o que bem deseje implantar na sociedade. NINGUÉM precisa dessa imprensa. Aliás, já a estamos derrotando (embora nem nós, que já estamos derrotando a imprensa-como-a-conhecemos, tenhamos ideia muito clara sobre o que JÁ ESTAMOS fazendo).

Pouco adianta denunciar alguma 'imprensa' ou xchingar alguma 'imprensa'. Fascistas sempre e burros quase sempre são, isso sim, OS JORNALISTAS dos jornalões do jornalismo que desgraça o Brasil-2010. Se existe mais-fascismo e menos-fascismo, pode-se dizer, no máximo, que há alguns jornalistas menos-fascistas. Mas o jornalismo-como-conhecemos fascistiza, pra começar, os próprios jornalistas.

Pretender, como o PHA que haveria uma imprensa golpista e uma imprensa não-golpista é pretender que a imprensa seria algo que a imprensa NÃO É, ao mesmo tempo em que é, também, NÃO VER o que a imprensa é.

A imprensa -- sempre e toda ela e sempre foi assim -- é MAIS UM dos aparelhos que capturaram a vida e, capturada a vida, tentam 'devolvê-la' com a cara que bem entendam que a vida deva ter na cabeça da maioria. Daí em diante, é malho e malho.

Agora, vivemos tempos em que reina a perversão dita 'ética', segundo a qual o máximo, em matéria de 'ética' seria não roubar, mas todos podem acusar todos de roubo. A loucura é total (vide, quanto a isso, e trabalho DE JORNALISTAS, por exemplo, o BBB-2010).

Fazer oposição, por essa linha e segundo esses jornalistas, implica INVESTIGAR contas bancárias. Dado que ninguém sabe investigar (e, se sabe, não investiga direito), vivemos tempos em que uns são "supostos ladrões" e outros são "supostos honestos". E ninguém explica quem supõe o quê, por quê, com que objetivos. TENHAM A SANTA PACIÊNCIA! Quem precisa de 'ética' à moda de algum Friaszinho ou de algum Suplicy, o ético, ou de algum Virgílio, o pirado?!

Mando aí, pq achei interessante, um excerto do artigo do Prof. Per Pelbart, na revista "Filosofia Especial" (sic), que está nas bancas. Ensina que a mídia capturou a vida. Ensina também que no extremo oposto, no fim da linha dessa 'mídia' como a conhecemos, está nascendo OUTRA COISA. Interessa à democracia e à vida, que todos prestem MUITO mais atenção ao que está nascendo CONTRA A IMPRENSA como a conhecemos, do que a essa p. de 'mídia' e/ou imprensa -- que não interessa a NENHUMA democracia e só interessa, mesmo, aos jornalistas e aos donos de jornal que não interessam a NENHUMA democracia.

Leiam aí:

PELBART, Peter Pál, 2010, A Colonização do Futuro, in Monadas n. 25, IESC, Bogotá, reproduzido em Filosofia especial, ano II, n. 8, São Paulo, 2009, pp.47-55 [excerto]

É preciso partir da vida. Mas não da vida em geral, e sim da vida hoje, no contexto contemporâneo, frente a duas tendências contrapostas que nos obrigam a repensar esse termo tão antigo e a cada dia mais invocado.

A primeira dessas tendências pode ser formulada como segue: o poder tomou de assalto a vida. Isto é, o poder penetrou todas as esferas da existência e as mobilizou e as pôs para trabalhar em proveito próprio. Desde os genes, o corpo, a afetividade, o psiquismo, até a inteligência, a imaginação, a criatividade, tudo isso foi violado e invadido, mobilizado e colonizado, quando não diretamente expropriado pelos poderes. Mas o que são os poderes? Digamos, para ir rápido, com todos os riscos da simplificação: as ciências, o capital, o Estado, a mídia. Mas é uma resposta muito geral e molar, pois de fato assistimos a uma lógica muito mais esparramada, dispersa, infinitesimal, molecular do que essa frase poderia deixar supor. Em todo caso, o que talvez seja relativamente novo, é que esses poderes se exercem de maneira positiva, investindo a vitalidade social de cabo a rabo, intensificando-a, otimiza ndo-a, pilotando-a e monitorando-a.

Se antes ainda tínhamos espaços preservados da ingerência direta dos poderes, ou, como diriam os marxistas, se antes estávamos ante uma subsunção formal da sociedade ao capital, isto é, integral, da vida concreta ao capital abstrato, ou, como diriam outros, do trabalho vivo ao trabalho morto. Se antes o Inconsciente e a Natureza ainda pareciam domínios invioláveis para o capital, como notou Jameson, hoje eles foram incorporados e postos a trabalhar. Se numa sociedade disciplinar ainda tínhamos a ilusão de transitar de uma esfera institucional a outra, com uma margem de manobra e de respiro, numa sociedade de controle essa margem parece ter-se esvaído.

Em suma: o corpo, o psiquismo, a linguagem, a comunicação, a vida onírica, até a fé, nada disso preserva já qualquer exterioridade em relação aos poderes, não podendo, portanto, servir de contrapeso, ou de âncora crítica na resistência contra os mesmos poderes.

Os poderes operam de maneira imanente – não mais de fora, nem de cima, mas como que por dentro, incorporando, integralizando, monitorando, investindo de modo antecipatório até mesmo os possíveis que se vão engendrando, e colonizam o futuro.

É onde intervém o segundo eixo que eu gostaria de evocar, sobretudo em autores provenientes da autonomia italiana, que a partir de seu spinozismo e marxismo singulares, mesclaram a bagagem de lutas a uma apropriação original da filosofia de Foucault e Deleuze. Resumo esse eixo do seguinte modo: quando parece que “está tudo dominado”, no extremo da linha se insinua uma reviravolta que ressignifica a própria dominação como segunda.

Aquilo que parecia submetido, subsumido, controlado, dominado – “a vida” – revela no processo mesmo da expropriação, sua positividade indomável e primeira.

Não se trata de romantizar uma capacidade de revide e de resistência, mas de repensar a relação entre os poderes e a vitalidade social – e na chave da imanência.

Poderíamos resumir esse movimento do seguinte modo: ao biopoder responde a biopotência, ao poder sobre a vida responde a potência da vida, mas esse “responde” não quer dizer uma reação, já que a potência se revela como o avesso mais íntimo, imanente e coextensivo ao próprio poder – daí a dificuldade para separar o joio do trigo, de saber de que lado estamos.

A vitalidade social (...) aquilo que parecia inteiramente submetido ao capital ou reduzido à mera passividade – “a vida” –, aparece agora como um capital, como a fonte maior de valor, reservatório inesgotável de sentido, de formas de existência, de direções, que extrapolam as estruturas de comando e os cálculos dos poderes constituídos que pensavam pilotá-la, mesmo quando estes se exercem nas suas modalidades mais acendradas, rizomáticas e imanentes. As forças vivas presentes na rede social deixam assim de ser reservas passivas à mercê de um monstro insaciável, para se tornarem positividade imanente e expansiva que os poderes esforçam-se para regular, modular ou controlar.

Nessa perspectiva, a produção do novo já não aparece como exclusivamente subordinada aos ditames do capital, nem como proveniente dele, muito menos dependente de sua valorização – ela está disseminada por toda parte e constitui uma potência psíquica e política.

Como diz Maurício Lazzarato, baseado em Tarde: todos e qualquer um inventam, na densidade social da cidade, novos desejos e novas crenças, novas associações e novas formas de cooperação. Maneira original de ler a vitalidade social, que exige um olhar menos reificado sobre os modos de dominação, escovando-os a contrapelo e reencontrando a potência da variação e a força-invenção de que eles pretendem apropriar-se, mas que não emana deles.” [continua, na revista]

BLOG DO MELLO


Diretora da Folha diz que 'jornais devem exercer papel dos partidos'. É o PIG se assumindo

Está na Folha hoje:

O ministro dos Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, criticou ontem a imprensa ao dizer que, no Brasil, ela vem agindo "como uma espécie de partido de oposição". "[A imprensa] vem confundindo um papel que é dela -informar, cobrar e denunciar- com o papel do protagonismo partidário, que é transformar isso em ações de conteúdo unilateral", disse, durante apresentação do 3º PNDH (Programa Nacional de Direitos Humanos) na Procuradoria Geral da República.
Vannuchi citou associações ligadas a jornais, revistas e TVs e também a presidente da ANJ (Associação Nacional de Jornais), Judith Brito, que é diretora-superintendente da Empresa Folha da Manhã S.A., que edita a Folha. Ele fez uma referência à participação da presidente da ANJ durante um evento realizado em São Paulo, há duas semanas, para discutir o plano de direitos humanos.
"A presidente da ANJ, Judith Brito, fala exatamente o que eu vinha dizendo como crítica. Ela fala: "Na situação atual, em que os partidos de oposição estão muito fracos, cabe a nós dos jornais exercer o papel dos partidos. Por isso estamos fazendo [isso]'", disse Vannuchi.


Daí em diante há uma tentativa de explicar o batom na cueca. Mas é tarde, o PIG deixa cair a máscara e se assume. Menos mal. Agora quando falarmos PIG (Partido da Imprensa Golpista) eles não poderão mais fazer cara de paisagem.

Mídia venal assume vocação golpista

GilsonSampaio

Jogo aberto. A mídia venal arranca a máscara, rasga a fantasia e assume sua identidade golpista.

Terá sido um deslize da madama presidente da ANJ e empregada da foia ditabranda?

Lembremo-nos do golpe frustrado na Venezuela e preparemo-nos para tudo.

Sanguessugado do DiárioGauche

Somos, sim, partido político e daí? - confessa uma executiva da Folha


Maria Judith Brito é também presidente da Associação Nacional dos Jornais – ANJ

- A liberdade de imprensa é um bem maior que não deve ser limitado. A esse direito geral, o contraponto é sempre a questão da responsabilidade dos meios de comunicação. E, obviamente, esses meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada. E esse papel de oposição, de investigação, sem dúvida nenhuma incomoda sobremaneira o governo [Lula].


A declaração franca e sincera partiu da executiva do grupo Folhas e presidente da ANJ (Associação Nacional dos Jornais), Maria Judith Brito (foto). A inconfidência se deu no dia 18 de março último em reunião na sede da Fecomércio, no Rio, e contou com o testemunho de jornalistas e dirigentes das entidades de imprensa, Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV) e Aner (Associação Nacional dos Editores de Revistas).
O que a presidente da ANJ admitiu é precisamente o que este blog DG repete desde que veio ao mundo, cinco anos atrás: a mídia brasileira é o grande partido político de oposição no Brasil, face à opacidade dos partidos tradicionais e seus líderes. Esse fato não seria tão grave, se a própria mídia admitisse a condição de partido político de oposição. Mas na prática não é o que se vê, a grande imprensa insiste em representar o (falso) papel de protagonista da isenção política e da neutralidade ideológica. Com a confissão de Judith Brito (a rigor, uma trapalhada política imperdoável, se vista sob o prisma de interesses da direita) a conversa sai do território do cinismo e começa a adentrar uma área de menos fricção e mais sinceridade, por parte dos donos e executivos da mídia brasuca.
Agora, só resta aos afiliados e associados da ANJ reproduzirem em editoriais altissonantes a admissão tardia de sua liderança maior. Acho difícil que isso aconteça, mas de qualquer forma fica o registro (indelével) para a posteridade.
As palavras de Judith Brito estão gravadas no bronze incorruptível da nossa memória. (Retórica à moda de Gaspar da Silveira Martins, líder maragato guasca.)

Foto Eliária Andrade/O Globo

30 DE MARÇO – O DIA DA TERRA PALESTINA

image

Sanguessugado do SomosTodosPalestinos

No mundo inteiro, o dia 30 de março tem um significado especial para os internacionalistas. Neste dia, em 1976, na Galiléia, uma poderosa greve geral organizada pelos trabalhadores palestinos, contra o confisco de suas terras pelo exército sionista, é reprimida violentamente pela força de ocupação.
Desde então, os internacionalistas comemoram o dia 30 de março como o Dia da Terra, uma forma de celebrar todos os anos a resistência e a luta desse sofrido e combativo povo em defesa de suas terras e de sua cultura.
De lá para cá, pouca coisa mudou. Os palestinos continuam diariamente sendo assassinados, presos e humilhados pelo exército de Israel; seu território continua sendo diariamente apropriado pelos sionistas, suas casas derrubadas; continua a construção e ampliação de colônias, nas terras palestinas, para assentar judeus europeus.
A ameaça de transformar lugares sagrados para a religião dos mulçumanos - especialmente a explanada das Mesquitas, onde se encontra a importante Mesquita de Al Aqsa - em sítios para a religião judaica está sendo levada a cabo pelas autoridades israelitas.
Em Gaza, a população sitiada, que sofre os horrores do Bloqueio Econômico que impede a entrada de alimentos, remédios, combustível e toda sorte de produtos para necessidades básicas, está sendo frequentemente bombardeada pelo exército invasor, que impiedosamente mata sem discriminação homens, mulheres e crianças palestinas.
Neste dia 30 de março, cujo símbolo é uma oliveira, aproveitamos para reforçar nosso irrestrito apoio à resistência do povo palestino, nossa solidariedade à sua luta contra o sionismo e mais uma vez afirmar a defesa intransigente por uma Palestina Laica e Democrática para todos, com o retorno dos refugiados e tendo Jerusalém como capital.
Viva a intifada; viva a resistência do povo palestino!
PCB – Partido Comunista Brasileiro
Secretariado Nacional
30 de março de 2010

Yeda cruz credo Crusius quer fechar universidade

GilsonSampaio

O PSDB tem algum problema sério com a educação. Duas ‘grandes obras’ nesta área se destacam;

1ª – Instituiu a educação continuada. Nessa obra genial, a criança era promovida de série por tempo de serviço, ops, tempo de casa, ops, tempo de bunda na carteira, ops, ou seja, o aluno era empurrado de série em série, não importando o seu aprendizado. Na visão futurista da tucanalhada demoníaca quem cuidaria da educação seria o mercado, então, deixaram de construir escolas e investir no aprimoramento do professorado. Pra que mais despesa, né? Numa demonstração inequívoca de burrice extremada, o ignaro Lula construiu várias universidades e escolas técnicas.

2ª - A política do estado mínimo era o choque de gestão da época, então sucatearam as universidades e congelaram os salários dos professores e funcionários públicos em geral. Tinha que sobrar dinheiro pro mercado, caso contrário, ele ficava nervoso e tirava as carças pela cabeça. Para a tucanalhada demoníaca, isso era intolerável. Formação de professor era despesa supérflua.

A cleptogovernadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, possivelmente é portadora de um singelo trauma de infância relacionado a professores. Só isso consegue explicar sua gana de impedir que crianças do MST sejam alfabetizadas e de destruir a universidade estadual do Rio Grande do Sul. O lula abre, ela fecha.

Já Zé Aluvião manda a mídia venal negar a existência da greve dos professores mas manda a polícia baixar o cacete nos grevistas inexistentes(!). Vai-se entender.

Essa tucanalhada demoníaca não tem jeito, se recusa a evoluir.

Que coisa, sô!

Sanguessugado do ComTextoLivre

Governo Yeda ameaça matar universidade gaúcha

Quem é capaz de imaginar um polo universitário com dois cursos e um só professor? E outro dotado de quatro cursos e com três professores? Estes são alguns dos espantos que estão vindo à tona com a greve da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, a Uergs. Aos nove anos de existência, a Uergs enfrenta a maior crise de sua história. Criada em 2001, no governo de Olívio Dutra (PT), a universidade, desde o ocaso da gestão petista, imergiu em lenta e sofrida agonia. Que se tornou mais atroz sob a administração Yeda Crusius (PSDB), eleita empunhando a consigna “Um novo jeito de governar”. O novo jeito, para as lideranças dos docentes, envolve deixar morrer a míngua a universidade gaúcha.

“Não tenho dúvidas de que há a intenção deliberada de matar a Uergs”, sustenta o diretor do Sindicato dos Professores (Sinpro), Amarildo Cenci, que representa os docentes da universidade. Para isso operariam principalmente a degradação dos salários e a ausência de novas contratações.

“Estamos numa crise e com falta de perspectivas”, reclama Marcos Pesci Pinto, aluno do curso de administração em saúde.

Legalmente, a universidade deveria contar com 300 docentes. Em 2007, tinha 190 mas, hoje, no último ano do Governo Yeda, tem apenas 106. Onze professores já se despediram em 2010. O total de alunos seria de 3.300, espalhados por 24 polos regionais. A decadência levou a Uergs a situações inacreditáveis.

“Dá para acreditar que, no polo de São Luiz Gonzaga (cidade da região das Missões) existem quatro cursos e três professores?”, indaga Cenci. A estupefação não para aí:

“Em São Borja (na mesma região) há dois cursos e um só professor. O mesmo ocorre em Alegrete (cidade da Campanha gaúcha)”.

Dentro da universidade, os alunos vivem experiências estranhas:

“Temos um professor que é formado em recursos humanos mas nos dá aulas de cálculo”, conta o aluno.

Outros viajam de cidade em cidade para garantir um mínimo de aulas.

“Vivem dentro de ônibus, rodando até mil quilômetros por semana”, diz.

“Alguns docentes tem comiseração dos estudantes e resolvem ajudar do jeito que podem”, explica Cenci.

O patético do quadro é tão grande que transparece até onde menos se esperaria.

“É absurdo pensar que a Universidade Estadual, com sua lotação legal de 300 docentes, terá capacidade para desenvolver adequadamente as 24 unidades criadas em seu primeiro estágio, várias delas à beira da inviabilização por falta de pessoal”, escreveu no próprio site da Uergs o pró-reitor de ensino, Eloy Julius Garcia. No texto “Universidade, ciência e tecnologia em tempos de crise”, ele lamenta que vários órgãos estaduais voltados ao desenvolvimento, entre os quais a Uergs, sejam “(…) escassamente coordenados entre si, carentes de recursos humanos e insuficientemente dotados de recursos materiais e financeiros.”

Indagado, Garcia sustenta tudo o que afirmou e vai além:

“Se não houver mudança, a Uergs se tornará inviável. Vamos terminar por desgaste. No último ano, perdemos 50 professores”, exemplifica. Ele entende que nem o Estado nem o governo perceberam ainda o instrumento de desenvolvimento que a Uergs significa.

Após suportar tanta precariedade os docentes cruzaram os braços na segunda-feira. Adesão de 100%, como admite o próprio pró-reitor.

“Agora, finalmente decidiram romper o silêncio”, comemora o aluno Marcos Pinto. Ontem (terça), os professores procuraram a Comissão de Educação da Assembléia Legislativa para apresentar seus problemas. Hoje farão manifestação diante do Palácio Piratini e, depois, avaliarão a greve. Eles pedem uma solução de emergência que inclua o estabelecimento de plano de carreira, nomeação imediata de 21 professores já aprovados em concurso e reajuste salarial.

Para Cenci, se nada for feito, a Uergs fechará as portas no meio do ano.

“Estamos chegando ao fim”, sentencia.

Infiltração e repressão: Serra aplica cartilha de Yeda

GilsonSampaio

Ainda ontem escrevi sobre esta característica tucana, denominador comum dos governos tucanos: a total incapacidade de conviver com qualquer discordância.


Via Viomundo

Em 2009, um homem, apontado como sendo agente do serviço secreto da Brigada Militar (a PM gaúcha), usou indevidamente o nome da Carta Maior ao infiltrar-se em uma manifestação de servidores públicos contra o governo Yeda , em Porto Alegre, e fazer fotos dos manifestantes

por Marco Aurélio Weissheimer,em RS Urgente e Carta Maior, dica Stanley Burburinho

O governo José Serra (PSDB) adotou as mesmas táticas policiais utilizadas pela também tucana Yeda Crusius no Rio Grande do Sul. Integram essas táticas, entre outras, duas medidas básicas: reprimir violentamente protestos e manifestações de ruas e infiltrar policiais à paisana nestes protestos e manifestações. O episódio da foto onde um homem carrega uma PM ferida nos protestos de 26 de março expôs, involuntariamente, esse tipo de prática. Inicialmente, um texto do jornalista Leandro Fortes reproduziu a versão difundida pela Agência Estado dando conta de que o homem era um manifestante que participava do ato dos professores. Diante da repercussão causada pela foto, dois dias depois, o comando da PM de São Paulo divulgou uma nota garantindo que se tratava de um policial à paisana “que estava passando por ali por acaso”. A PM negou tratar-se de um “infiltrado”, mas negou-se a divulgar o nome do mesmo o que só reforça a tese de que se tratava de um homem do chamado “serviço de inteligência” da polícia.

Uma das regras básicas do trabalho desse “serviço de inteligência” é não ser identificado publicamente. Vale tudo para assegurar o anonimato, desde disfarçar-se de manifestante ou mesmo de jornalista. No dia 30 de abril de 2009, um homem, apontado por manifestantes como sendo agente da PM2, o serviço secreto da Brigada Militar (a PM gaúcha), usou indevidamente o nome da Carta Maior ao infiltrar-se em uma manifestação de servidores públicos contra o governo Yeda Crusius, em Porto Alegre, e fazer fotos dos manifestantes [foto acima]. Não foi a primeira vez que servidores de órgãos de segurança disfarçaram-se de fotógrafos no Rio Grande do Sul, identificando-se como profissionais de imprensa para espionar manifestações de sindicatos e movimentos sociais. Em geral, essa prática conta com a cumplicidade (pelo silêncio) da imprensa local, que tem conhecimento da mesma, mas não fala no assunto.

O papel dos infiltrados é duplo: recolher informações e fazer fotos de manifestantes, por um lado; e, eventualmente, dar início a provocações que levem a distúrbios e conflitos que, posteriormente, serão atribuídos aos manifestantes. Essa prática, aplicada várias vezes contra sem terras, professores e servidores públicos no Rio Grande do Sul, é repetida agora em São Paulo com as acusações de que os professores em greve seriam “baderneiros” e responsáveis pelos conflitos com a polícia. A decisão do PSDB de São Paulo de entrar na Justiça contra o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo também segue a mesma cartilha utilizada pelo governo Yeda no RS. Segundo a representação encaminhada em conjunto pelo PSDB e pelo DEM, “o movimento se organiza em torno de palavras de ordem e outras manifestações que tendem a interferir no âmbito eleitoral, partidarizando o movimento”.

No Rio Grande do Sul, dirigentes sindicais, jornalistas e lideranças de movimentos sociais já perderam a conta do número de processos, no âmbito civil e criminal, movidos pela governadora Yeda Crusius. O Ministério Público do Rio Grande do Sul chegou a determinar, em 2009, a retirada de cartazes e outdoors que faziam parte de uma campanha de sindicatos de servidores públicos e movimentos sociais denunciando casos de corrupção envolvendo o governo Yeda. A atual presidente do Centro de Professores do Estado do RS (CPERS/Sindicato), Rejane Rodrigues, está sofrendo vários processos, um deles por ter participado de uma manifestação em frente à casa da governadora.

O fato é que os governos tucanos apresentam uma uniformidade no trato com manifestações sociais: o que domina é a lógica da repressão, a ausência do diálogo e a aversão ao contraditório. O uso de policiais infiltrados nas manifestações é típico de tempos autoritários, onde a “interlocução” de governos com a oposição é feita nos subterrâneos, com práticas nada transparentes. Não é por acaso, portanto, que cenas e práticas similares vêm sendo vistas nas ruas de São Paulo e do Rio Grande do Sul.

Brasil: cautela e caldo de galinha...

Via Carta Maior

DEBATE ABERTO

Voltei convicto de que o Brasil vai bem obrigado. Que as chances de Dilma são reais. Mas que as de Serra também. Ou seja: vamos pra frente que o futuro é da gente. Mas que hay que trabalhar para lá chegar. E muito. A peleia promete ser das boas.

Flávio Aguiar

...nunca fizeram mal a ninguém. Volto para Berlim, de uma temporada no Brasil, muito animado e um pouco assustado também.
Animado: o país passa por uma fase evidente de melhoras e ascensão social. Deixo as estatísticas para o Prof. Márcio Pochmann e o IPEA, que aliás, está excelente sob sua batuta (apesar de gremista, como sempre digo). Ao invés das estatísticas (que não são desprezíveis nem desprezáveis, muito pelo contrário), prefiro falar das expectativas. Fazia tempo que não encontrava tanta gente otimista, ainda que cautelosamente. Mais ou menos assim: empresários empresariando, operários operariando, crianças criançando (apesar de haver ainda essa praga do trabalho infantil), velhinhos velhando, a classe média se remediando e, é claro, nossa anacrônica direita cuspindo fel, fogo e baba pela boca (vide matérias na CM sobre o encontro do Instituto Millenium).
A impressão que dá, e a troquei com o professor Antonio Candido, meu fiel interlocutor e termômetro socioeconômicopolíticocultural, é que “o país entrou nos trilhos”, seja lá onde isso vai nos levar. Quer dizer: o país entrou num rumo que vai ser difícil mudar radicalmente, apesar da direitona tramar isso por debaixo e por cima do pano de suas promessas com pele de cordeiro de que “as boas coisas da administração Lula serão mantidas”.
Quem quiser acreditar que morda o dedo e faça um despacho na encruzilhada. Mas o que eu e o professor queríamos dizer é que se alguém quiser mudar esse rumo de crescimento social sustentado e de inclusão, vai enfrentar uma resistência de amargar-lhe a vida.
Peguei também nessa temporada o momento ascensional da candidatura de Dilma nas pesquisas de opinião. Foi animador. Afinal de contas, ela é sim uma candidata competitiva e competente. Botou em ordem a casa, junto com o “CTG” (Marco Aurélio Garcia e Tarso Genro) de que faz parte, ainda que venha das Minas Gerais, em momento difícil para o PT e o governo, antes das eleições de 2006. Sustentou o fogo do adversário, e deu lastro para que Lula envergasse Alckmin a ponto deste ter menos votos no 2° do que no 1° turno. Repito: animador.
Mas... aí começaram as preocupações. Porque naquele momento ascensional de Dilma notei que entre vários de meus amigos e correligionários de esquerda instalava-se um tentador clima de “já ganhou”, de “ninguém mais duvida de que Serra vai perder” (não era nem de que “Dilma vai ganhar”). Vi-me envolvido por um verdadeiro foguetório parecido com aqueles de quando o Brasil entra em campo, e a gente esquece de tudo, na antecipação da vitória: esquece a hecatombe de 1950, esquece o desastre de Sarriá, na Espanha, contra a Itália, os vexames de 1954 (olha que sou velhinho!), 1966, 1974 e 1978, 1998 e 2006. É verdade que, em geral, no futebol, o Brasil, quando perde, é porque dá vexame. Porque se resolve jogar, poucos times agüentam o tranco.
Mas na política, entre direita e esquerda, não é assim. O nosso time pode jogar bonito, e perder o jogo. Não foi assim em 1989? Que eleição aquela! Até hoje me arrepia a lembrança de Chico, Milton e Djavan (parece uma linha média) cantando o “Lula lá”. Mas o outro lado, além das pilantragens do costume, coisa de marquetear edição de debate, botar camiseta de petista em autor de seqüestro, colocar as barbaridades da Míriam Cordeiro no ar sem nenhum pudor nem candor, repito, o outro lado jogou melhor.
Melhor? Melhor. Eu não jogaria do jeito que eles jogaram. Mas eles, naquela ocasião, exploraram melhor as fraquezas e as limitações do nosso lado. Não estou fazendo o julgamento nem a caveira de ninguém. Só alertando que o outro lado joga pesado, feio, é contra a política-arte e a favor do tranco, do pé no peito e do carrinho dentro da área, mas que isso, em política, pode ser jogar bem também. A gente tem que estar preparado, porque vem artilharia pesada, torpedos e bombardeios, além de possíveis ogivas nucleares para cima da candidatura da Dilma e para todo o nosso lado.
Por quê? Porque a perspectiva de ficar mais 4, 8, talvez 12 ou 16 anos fora do Palácio do Planalto deixa a turma dos amigos do Millenium (e dele mesmo) apopléticos, com risco de ataque de asma espiritual, taquicardia política e risco de anorexia financeira e organizativa. O DEM vai definhar, o PSDB pode implodir, Alckimistas de um lado e Serralhos do outro e FHC no meio segurando o pincel, os Verdes são capazes de esverdear, com musgo e mofo se alastrando de seu lado direito em direção à sufocação do seu lado esquerdo – pois terão de deixar essa postura que vêm mantendo, de que o que a minha mão direita faz a outra mão desconhece, e vice-versa.
Já o PSOL, bem, o PSOL ficará onde sempre esteve, isto é, não se sabe muito bem aonde, ou, como se diz na minha terra, “mais perdido que cusco em procissão” e “mais nervoso que gato em dia de faxina”. Isso, quanto à direção. O povo do PSOL vai acabar votando na Dilma.
Voltei convicto de que o Brasil vai bem obrigado. Que as chances de Dilma são reais. Mas que as de Serra também. Ou seja: vamos pra frente que o futuro é da gente. Mas que hay que trabalhar para lá chegar. E muito. A peleia promete ser das boas.

Flávio Aguiar é correspondente internacional da Carta Maior em Berlim.

Mitômano, pego na metira. Outra vez

Sanguessugado do Tijolaço

Gepetto e o Grilo Falante vão ter trabalho na campanha

O Governador José Serra anda muito bem humorado, fazendo gracinhas…Hoje, tirou onda com a claque levada para inauguração do Rodoanel e pediu para o pessoal parar de gritar “Serra presidente”, para dizer que não faz campanha antecipada. Que bonito…O mar de comerciais da Sabesp, que passaram pelo país afora não foi propaganda antecipada.
Mas aí, talvez por não estar acostumado a estar de bom humor, o governador pisou na bola. Leia o título do Estadão: “Serra ironiza Lula e diz que Rodoanel não tem problema com TCU“. Será que o governador já esqueceu que houve comprovação de superfaturamento na obra, que só foi – ou está sendo – corrigido por ação do TCU e do Ministério Público?

Está lá, no site do TCU, que reproduzo aí ao lado, a informação:

“A auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União nas obras do trecho sul do Rodoanel de São Paulo ajudou a garantir uma economia de mais de 340 milhões reais aos cofres públicos. É que os trabalhos do TCU viabilizaram a assinatura de um Termo de Ajuste de Conduta, no qual as empresas executoras da obra aceitaram o valor final do contrato e renunciaram ao direito de cobrar qualquer outro valor. O acordo garante a conclusão da obra sem mais nenhum aumento de preço. No valor final estão incluídos todos os serviços contratuais e extracontratuais já conhecidos, ou mesmo os que seriam previsíveis até o fim da obra. O resultado só foi possível graças à atuação conjunta viabilizada pela Rede de Controle da Gestão Pública, uma ação coordenada pelo TCU que busca promover o intercambio de informações, além de ações integradas de fiscalização. No caso do Rodoanel, o TCU enviou as informações apuradas pela auditoria ao Ministério Público Federal, que promoveu a assinatura do acordo.”

Foi ao ar na Voz do Brasil, que você pode ouvir aqui.

Pois é, Governador, o Rodoanel não tem problemas com o TCU porque o TCU e o MPF corrigiram o superfaturamento.

A irregularidade encontrada foi classificada como “grave” pelo Tribunal. Tratava-se de pagamentos feitos por serviços ainda não executados, num total de R$ 236 milhões.

Diz o relatório do TCU:

“O adiantamento de pagamento é por si só uma irregularidade grave. No presente caso, em que significativas
alterações de projeto foram promovidas e materializadas e serviços adicionais significativos não previstos no contrato já se encontram executados, reveste-se de especial potencial de dano, pois viabilizou a execução, por possibilitar a remuneração de serviços não previstos contratualmente, sem que houvesse uma análise prévia, com apresentação de justificativas, quantificação dos impactos financeiros e publicidade da aprovação. Deixando para o final do contrato, quando os fatos já estão consumados e à administração restam poucas alternativas, a celebração de aditivos para a execução dos serviços originalmente previstos e que não mais dispõem de saldo contratual.”

Quem duvidar, vá lá no relatório oficial do TCU, a partir da página 580, no processo 009.725/2009-2.

Potências querem tirar dos desarmados até estilingue

Via Democracia & Política

PAÍSES ARMADOS QUEREM DESARMAR OS DESARMADOS ATÉ O ÚLTIMO ESTILINGUE


"Para Samuel Guimarães, caso do Irã pode repetir "manipulação ideológica" pré-invasão do Iraque”


O ministro de Assuntos Estratégicos, Samuel Pinheiro Guimarães, disse ontem que os países "extraordinariamente armados" pretendem "desarmar os desarmados totalmente, até o último estilingue", e convencer o mundo de que são estes últimos os "perigosos e que oferecem grandes riscos à paz internacional".
Foi uma das referências indiretas à pressão das potências ocidentais sobre o programa nuclear do Irã, em palestra na Escola de Políticas Públicas do Iuperj (Instituto Universitário de Pesquisas do Rio) na qual o ex-secretário-geral do Itamaraty falou sobre "as perspectivas do Brasil para o mundo de 2022".
Ele se referiu às negociações de defesa ao mencionar a criação de normas destinadas a "consagrar privilégios" como uma das tendências globais que o Brasil enfrentará.
Ao apresentar o ministro, o acadêmico Candido Mendes, reitor da universidade à qual o Iuperj é ligado, saudou o esforço brasileiro para "readmitir o Irã na comunidade internacional" e perguntou por que o país persa não pode ser potência nuclear "se Israel o é".
Guimarães não entrou nesse mérito, mas disse que a manutenção de privilégios no sistema internacional envolve uma "manipulação ideológica permanente", que segundo ele parte de universidades para organismos internacionais e a imprensa, e conseguiu, em 2003, "convencer" que o Iraque tinha armas de destruição em massa.
"Quem sabe não estamos diante de uma outra formulação do tipo, que se articula gradualmente?", perguntou.
Antes, ao lembrar que países hoje no Conselho de Segurança da ONU, como França e Reino Unido, já estavam em posição de poder no início do século 19, o ministro disse que "uma das características do sistema internacional é o racismo, a ideia de civilizações superiores e inferiores".
Disse que japoneses foram considerados "brancos honorários" para fazer negócios com a África do Sul do apartheid e comparou: "Fiquem sabendo os senhores que nós também somos brancos honorários. Mesmo aqueles aqui de pele mais alva".

América do Sul


Guimarães disse que a crescente disparidade econômica entre o Brasil e seus vizinhos da América do Sul, e a penetração de empresas brasileiras na região, onde o "capital estrangeiro, como sabemos, nem sempre é bem-vindo", exige que o país seja mais generoso.
"Será necessária uma política de grande audácia para reverter essa tendência, promover o desenvolvimento dos vizinhos e permitir o desenvolvimento equilibrado da região", disse, citando também a intensificação do ativismo indígena, desconfiado da exploração de recursos naturais.
Ele sugeriu a formação de um mercado único sul-americano, mas não "ao estilo neoliberal", no qual o Brasil continue a acumular superavit. Seria, disse, um esquema "em que o Brasil abra seu mercado, mas permita aos países menores proteger seu sistema econômico para poderem se desenvolver".
Guimarães disse ainda que o Brasil sofrerá "danos extraordinários" se cair na tentação de se intrometer na política interna dos vizinhos, movido por interesses econômicos. "Será necessário manter o princípio da não intervenção e da autodeterminação", afirmou."
FONTE: reportagem de CLAUDIA ANTUNES publicada hoje (30/03) na Folha de São Paulo.

terça-feira, 30 de março de 2010

Ex-ministra israelense tem prisão decretada na Inglaterra

GilsonSampaio
Notem que não só ela é acusada de crimes de guerra, há mais dois sionistas.
E os crimes continuam.
Via Webislam



Israel bloquea la salida de un buque con ayuda humanitaria para la franja de Gaza



El bloqueo que Israel impone a la franja de Gaza se recrudeció ayer cuando las fuerzas de seguridad israelíes impidieron a un barco cargado de ayuda humanitaria levar anclas en el puerto de Jaffa, cerca de Tel Aviv. «Estábamos preparándonos para zarpar y proceder a la entrega de cientos de kilos de medicamentos y productos básicos cuando la policía marítima nos impidió levar anclas», confirmó el diputado árabe-israelí Ahmed Tibi. «Las autoridades israelíes permiten a los colonos hacer lo que quieren a los palestinos en Cisjordania, y luego nos impiden llevar ayuda humanitaria a la franja de Gaza. Seguimos determinados a entregar» esa ayuda, añadió. En el barco iban otros diputados árabe-israelíes.

La policía israelí confirmó que el barco había sido bloqueado en el puerto. Israel mantiene un estricto bloqueo a la franja de Gaza, donde viven 1,5 millones de palestinos, desde que el movimiento islamistas Hamás tomó el poder por la fuerza en ese territorio en junio del 2007. Israel mantiene estrictamente cerrados todos los pasos comerciales con la franja desde hace un mes. De hecho, la tregua (que acaba el 19 de este mes) que mantienen palestinos e israelíes se da por concluida después de que en las últimas 48 horas ambos bandos violasen el cese de las hostilidades.

La tensión se ha trasladado incluso al gobierno de Israel donde la titular de Exteriores, Tzipi Livni, daba ayer por muerta la tregua en Gaza e instaba al ministro de Defensa, Ehud Barak a actuar en vez de pretender que el alto el fuego con Hamás siga vivo.

Barak ha devuelto el golpe a Livni con una alusión a la proximidad de las elecciones legislativas en el país, el próximo 10 de febrero, a las que Livni se presenta al frente del Kadima, mientras que Barak encabeza la lista laborista.

Viva a África!

GilsonSampaio

O mundo está mudando e os poderosos se recusam a admitir.

A África acaba de dar um belo pontapé na bunda da UE e sua política neocolonialista.

Viva a África!

Via PrensaLatina

Recusa a África acordos de associação econômica com UE

Organizações africanas recusam hoje os Acordos de Associação Econômica com a União Europeia, pois alegam que os mesmos seguirão perpetuando o subdesenvolvimento econômico das antigas colônias por potências ocidentais.
Um encontro de estudiosos e representantes da sociedade civil de Estados do continente, efetuado em Namíbia, considerou que os pactos não contribuirão ao avanço da região, senão que, pelo contrário, perseguem se apropriar de suas enormes riquezas.
Nesse contexto, o Instituto para as Negociações e as Informações Comerciais da África Austral e Oriental, opinou que muito poucas nações africanas assinaram o convênio até o momento e que ainda não é demasiado tarde para o deter.
A instituição também pediu aos parlamentos nacionais que não ratifiquem o documento, que danifica as economias da área, e denunciou que a União Europeia trata de realizar negociações com os países por separado para lhes impor seu tratado.
Junto à União Africana, a Rede de Solidariedade dos Povos da África Austral sustenta que a associação econômica com o bloco regional europeu beneficia aos países desse grupo, em detrimento das pequenas entidades africanas, ainda em desenvolvimento.

A MATEMATICA DO CAPETALISMO

Via MPA


Brasil, país localizado no continente americano de forma mais especifica na America do sul, atualmente tem uma população de 188 milhões de habitantes,e seu território total é de 851.487.659,9 há, ou seja matematicamente teria terra pra todo mundo, matematicamente né? Mas capitalisticamente falando a conversa é outra....


A QUESTÃO AGRARIA NO BRASIL


Dos mais de 851 milhões de há do Brasil cerca de 388 milhões são terras agricultáveis e com boa fertilidade, no entanto tem muita gente querendo trabalhar e não possui terra, como se explica as 4,8 milhões de famílias brasileiras que não tem um pedaço de chão? E como se explica pessoas como Cecílio do rego Almeida dono das empresas CR Almeida concentrarem 4,5 milhoes de há numa única fazenda no Pará na região de terra do meio? Como se explica os 170 milhoes de há de terras devolutas todas cercadas e dominadas por poucas pessoas? A explicação é simples e se chama sistema capitalista, meio de produção opressor dominante, concentrador de riquezas e reprodutor de miséria, desenvolvido sobre sistema piramidal de classes mantendo no topo as transnacionais donas do capital financeiro e seus poucos representantes e na base a classe trabalhadora que faz toda a engrenagem gerar, acorrentados pelos meios de dominação( capital, política, ideológica) essa é a explicação acumulação de riquezas;


Os números do agronegócio do Brasil


A matemática do sistema capitalista é muito agressiva ainda mais quando falamos de sua participação na agricultura que chamamos de agronegócio, mais uma forma de acumular capital e reproduzir miséria, o agronegócio é movido por 3 pilares monocultura,mecanização e exportação, é esse meio de produção que exporta 80% de tudo que produz e concentra 75% das terras em15% dos estabelecimentos conseguindo gerar apenas 25% de trabalho no campo, esse sistema de produção atualmente trabalha em cima a produção de comodites ou seja material para exportação esquecendo da função social da terra que é gerar comida, vejamos oque o agronegócio gera para matar a fome da nação:


• Esse sistema tem plantado atualmente 7 milhoes de há de eucalipto gerando 1 emprego por alqueire;
• Concentra 205 milhoes de cabeças de gado (cadê o seu boi vocês já se pergunto isso?)
• Estão plantados no Brasil 21,7 milhoes de há de soja para exportação;
• Cerca de 7 milhoes de há de cana que pretendem transformar em 24 milhoes até 2025;
• Sistema que em 2008 proporcionou um lucro de 9 bilhoes apenas para a Syngenta uma transnacional que junto com a Monsanto ea Du pont detém 90 % de todo mercado trangenico no mundo;
• E o sistema que joga por ano 734 milhões de toneladas de agrotóxicos nos solos brasileiros, o que corresponde a 7,12 bilhões de reais com compras em veneno,;
E que não consegue saciar a fome dos mais de 14 milhoes de brasileiros que passam fome todos os dias;


A matemática do sistema é a mesma do apocalipse


É absurdo a quantidade de miséria e destruição que ocorre a cada minuto ao nosso redor parece ser tão distante de nos mas o sistema age pelas sombras, sugando e destruindo tudo e muitas vezes ainda ficamos calados passa por despercebido essas situações:
• É o sistema que gera miséria, aonde 1 bilhão de pessoas no mundo sobrevivem com menos de um dólar por dia ( estado de miséria );
• E que permite que mais de 20 mil brasileiros morram por ano( 54 morram por dia) envolvido pelo trafico de drogas;
• SISTEMA QUE PERMITE QUE 17 MILHOES DE BRASILEIROS FIQUEM SEM EMPREGO E 230 MILHOES NO MUNDO;
• Sistema que nem liga para as 12 crianças que morrem de fome a cada minuto no mundo;
• E a cada dia, 24 mil pessoas morrem de fome e 100 mil (morrem) por causas relacionadas à desnutrição, o que resulta em um total de 35 milhões de mortes ao ano quantas destas tiveram a oportunidade de comer um hambúrguer do macdonalnds e tomar uma coca- cola?
• e o sistema que permite nações como os EUA gastar por dia 300 milhoes de dólares na querra do Iraque, já consumindo 409 bilhoes dos cofres públicos ;
• e no novo orçamento ianque, garante 65 bilhoes para financiar a guerra ao Afeganistão;
• que gasta em uma única viagem espacial cerca de 60 milhoes de dólares procurando água em marte , mais não investem nada em tecnologias de aproveitamento da água na terra;

• Mais de dois milhões de pessoas morrem de fome a cada dia, mais do que pela malária, a aids e a tuberculose juntas, segundo o relator especial da ONU para o Direito à Alimentação, Jean Ziegler, que alertou hoje que essa arma também é usada "no Iraque pelas forças de coalizão".
• Mais de dois milhões de pessoas morrem de fome a cada dia, mais do que pela malária, a aids e a tuberculose juntas, segundo o relator especial da ONU para o Direito à Alimentação, Jean Ziegler, que alertou hoje que essa arma também é usada "no Iraque pelas forças de coalizão".

• Em 2003, 841 milhões de pessoas morreram de fome. No ano seguinte, em vez de diminuir, como nos comprometemos com os Objetivos do Milênio, esse número aumentou em mais 11 milhões", destacou Ziegler numa entrevista coletiva.

• Sistema que se manter o seu grau de consumo prevê em 2025 que 2,7 bilhoes de seres humanos vão ficar sem água;
• É o sistema que invés de mandar médicos agronos advogados para o Haiti manda uma tropa de 10 mil soldados norte americanos;

esses números não são a metade de todas as atrocidades cometidas pelo capital, que apenas almentarão se permanecermos calados e desorganizados, a força da mudança esta nas mãos do povo e pelo povo deve ser exercida, pois como disse Marx “não se trata de melhorar a sociedade mas de estabelecer uma nova”
coletivo de formação e comunicação MPA ES
10 DE MARÇO DE 2010

Ainda sobre a pesquisa Datafraude

Sanguessugado do ComTextoLivre

Fraude na pesquisa Datafolha?

Datafolha: Instituto entrevistou 61% dos eleitores no Sudeste! O correto seria 49%! Por que será? Ajudar Serra???

Finalmente o instituto divulgou no seu site as informações detalhadas sobre a mais recente pesquisa para a eleição presidencial, que apontou os seguintes resultados:

Serra - 36%;

Dilma - 27%;

Ciro - 11%;

Marina - 8%.

Dos 4.158 entrevistados, a divisão entre regiões foi a seguinte:

1) 2.545 foram na região Sudeste (61,2%; o correto seria 43%);

2) 765 foram do Nordeste (18,4%; o correto seria 29%);

3) 384 foram do Norte/Centro-Oeste (9,2%; o correto seria 14%);

4) 464 foram do Sul (11,2%; o correto seria 14%).

Assim, a região Sudeste teve muito mais entrevistados do que deveria e nela a vantagem de Serra é muito grande em relação à Dilma (40% de Serra contra 24% de Dilma). E é claro que isso beneficiou Serra.

Já no Nordeste, onde Dilma lidera (35% dela contra 25% de Serra) o número de entrevistados foi bem inferior ao que seria o correto. Foram entrevistados, no Nordeste, 18,4% do total, quando deveriam ter sido entrevistados 29%. E é evidente que isso prejudicou Dilma, pois o Nordeste é a única região do país onde ela derrota Serra.

Depois de computados os dados, a 'Folha' ajusta os número para uma 'base ponderada', onde a divisão dos eleitores está bem mais próxima do que deveria ser.

Mas, é claro que esse ajuste não é suficiente para corrigir eventuais diferenças, pois se são feitas entrevistas com um número maior de pessoas numa certa região do que se deveria está se beneficiando o candidato que é mais forte ali. E quando se entrevista um número menor de eleitores do que se deveria, numa determinada região, prejudica-se o candidato que é mais forte na mesma. E isso muda o resultado final das pesquisas em cada região pesquisada.

Veja o Datafolha aqui.

Inducação, so a inbessilisante

image

GilsonSampaio

Difícil saber quem é mais fascista, se SãoPaulo que manda bater em professores ou o Rio Grande do Sul que condena crianças à ignorância.

Mas, fiquemos com as crianças e o governo da cleptogovernadora do PSDB do Rio Grande do Sul.

Numa ação conjunta em fevereiro de 2009 entre o Ministério Público e o cleptogoverno do Rio Grande do Sul, foram fechadas 13 escolas itinerantes do MST.

“O procurador Gilberto Thums declarou que “as escolas são células que vão alienando as crianças. É uma maldade o que se faz lá”.

As escolas funcionavam há 13 anos e adotaram o método de Paulo Freire que preconiza uma educação para o mundo sob a ótica política, a alfabetização como instrumento de conscientização e transformador da realidade. Aí se esconde a verdadeira intenção da proibição das escolas, a preocupação dos tucanos e das elites gaúchas não é com as crianças, é com a formação das consciências libertadoras.

Será esse o programa do PSDB se ocupar a presidência (toc, toc, toc) : bater em professores e negar educação digna para as crianças pobres?

Assentados denunciam falta de escola em São Gabriel

Uma representação de 60 famílias das cerca de 750 famílias Sem Terra assentadas em São Gabriel, na Fronteira Oeste, protestam neste momento em frente à Coordenadoria Regional de Educação (CRE) na cidade de Santana do Livramento.

As famílias denunciam que não está sendo garantida educação de qualidade para as 300 crianças assentadas e tampouco para as cerca de 100 acampadas em São Gabriel. Para as crianças assentadas, não foi construída a escola-pólo, e as vagas na rede de ensino do município são insuficientes. Já as crianças acampadas em 8 acampamentos no RS foram afetadas pelo fechamento das escolas itinerantes pelo Ministério Público Estadual (MPE) e Governo do Estado.

A mobilização em Santana do Livramento dá prosseguimento aos protestos realizados nesta segunda-feira em Porto Alegre e no interior do estado. As famílias de São Gabriel exigem que os governos estadual e municipal resolvam a situação das crianças assentadas, construindo a prometida
escola-pólo.Também pressionam para que o MPE cumpra o que acordou ontem em reunião com as famílias em Porto Alegre e realize a reunião, na próxima semana, com o governo estadual e o Conselho Estadual de Educação para tratar do TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) que deu fim às escolas
itinerantes.

Histórico em São Gabriel

Em São Gabriel, cerca de 300 crianças que já estão assentadas estão sem aula regular. A prefeitura afirma que não tem vaga na rede municipal para todas as crianças, e as que conseguiram matrícula tem dificuldade de transporte. Mesmo as crianças que conseguiram vaga, estão com dificuldade de estudar porque não há estradas nem transporte, obrigando as crianças a acordar às 5 horas da manhã e caminhar até 8 km para chegar a estrada principal.

O governo federal não reformou as antigas sedes das fazendas, onde funcionariam escolas provisórias, e a prefeitura não contratou os professores. O governo federal também não liberou verba para a construção da escola-pólo porque a prefeitura está em inadimplência. As famílias já estão assentadas há mais de ano em São Gabriel e seguem sem os serviços básicos atendidos, como saúde, educação, estrada e recursos para produzir.

Lula, Galileu - e a elite que não digeriu o sapo barbudo

Excelente este texto do Brizolla


Via Tijolaço

Eu cresci numa época em que era muito difícil perceber onde estava a direita brasileira. Tirando os personagens folclóricos, todo mundo se dizia centro-esquerda. Vejam vocês, até o PSDB tinha esta “Social-Democracia” no nome.
Tudo se diluía na “geléia” da modernidade. Os tempos eram outros, “a história tinha terminado”, na frase célebre daquele tal Francis Fukuyama, a quem a história, felizmente, já esqueceu.
Vivíamos o mundo do neoliberalismo. Defender a importância do Estado era antiquado, “jurássico”.
Não havia mais diferença entre nacional ou estrangeiro, público ou privado, e a palavra “social” foi substituída por uma vaga idéia de “inclusão”, que viria, com o tempo, do “politicamente correto”, da “responsabilidade social” e da “eficiência” e dos “ganhos de produtividade”.
A resistência ao império destas idéias era, além de antiquada, tachada de obtusa, quase uma cegueira ideológica: chata, ranzinza, desinteressante.
Os políticos que as defendiam tinham dois caminhos: ceder à ideologia dominante ou verem, progressivamente, suas lideranças definharem.
Para sobreviver, era preciso mostrar-se “adaptado” e “respeitoso” com as “leis do mercado”, que substituíam o ser humano como valor supremo.
A Carta aos Brasileiros de Lula não foi um pouco isso?
Nos tempos da Inquisição, o matemático e astrônomo Galileu Galilei para evitar a morte na fogueira teve de proclamar a um tribunal que a Terra, e não o Sol, era o centro do Universo conhecido e era fixa no espaço, tal – como dizia a Igreja – Deus a teria criado . Mas diz a lenda que, ao sair do julgamento, teria sussurrado: contudo, ela se move.
E a Terra se moveu. Aceito pelas elites, Lula pôde chegar ao Governo, embora para chegar – e para ficar – tivesse de fazer muitas concessões e- por que não confessar? – decepcionado muitos de nós que esperávamos mudanças mais radicais e velozes.
Porém se, de um lado, Lula tinha certa razão ao pretender “comer o mingau pelas beiradas”, de outro isso lhe custou um certo desgaste político. Teve, para fugir do dilúvio, como Noé e Getúlio, de embarcar uma fauna heterogênea e até bizarra na arca de sua aliança.
Mas hove algo diferente do que costuma acontecer. Lula refinou-se, é verdade. Ele próprio o reconhece, brincando, numa fala muito engraçada:

“Gente, eu estou aqui falando da nova era que tem início hoje , falando de uma transcendência incomensurável”. “Vocês estão acreditando que estou dizendo isso? Nem eu estou crendo em mim mesmo. Agora pouco falei concomitantemente, daqui a pouco vou falar en passant e ainda nem usei o sine qua non. Para quem tomou posse falando menas laranja tá bom demais”

A própria brincadeira mostra que esse refinamento não lhe deformou as origens e a ligação atávica com o povo brasileiro.

Como naquela frase que Brizola disse antes de dar seu apoio a Lula em 1989, não foi “uma maravilha ver nossas elites tendo que engolir um sapo barbudo?”

Sim, engoliram-no. Mas não o digeriram no suco gástrico de seus salões como fizeram a Fernando Henrique, que se acreditou príncipe.

Ontem à noite eu fiquei escrevendo e pensando nisso.

Quando falei do tal “Comando Marrom”, estava pensando não especificamente nesta ou naquela pessoa. Mas no traço comum do discurso virulento que vem assumindo, totalmente desprovido de laços com a realidade.

A toda hora estou lendo nos jornais frases sobre “cubanização” do Brasil, “chavismo” de Lula, atentados à “liberdade de expressão”, às instituições e à democracia. Pelo simples de receber o presidente do Irã, quase que o associam a um “terrorismo islâmico”.

Faça a si mesmo uma pergunta: em que você está sendo coagido? Você conhece alguém que esteja sendo coagido em sua liberdade pelo Governo? Alguém foi demitido, perseguido, preso? Evidente que não.

Mas nossos jornais – e logo as televisões, escreva – assumem um discurso furibundo, falando em ameaças, em perigos à democracia. Porque democracia, para eles, é o seu governo, o governo dos seus grupos, não um governo que, se ainda não é do povo, está do lado do povo. Como na histórica frase de Getúlio, em 50: “hoje estais com o Governo, amanhã sereis governo”, o Governo Lula, por ser uma mudança de rumos, é o início de um novo caminho.

Nada os deixa mais apavorados do que a possibilidade de L ula ser sucedido por Dilma, que domina as ferramentas ideológicas e a compreensão histórica das lutas sociais do povo brasileiro, embora não tenha o carisma e a identidade carnal que Lula mantém com elas. Temem que, por isso, ela possa aprofundar as mudanças que Lula, no seu empirismo e sensibilidade política, soube encaminhar e iniciar.

É esta a ideia que deixa a direita em polvorosa. Na verdade, essa é a razão da histeria que origina estes espasmos que se assemelham ao discurso das forças que prepararam a derrubada de João Goulart no pré-64. Embora ele não fosse, pessoalmente, acusado de “comunista”, seu governo era “comunizante”. Ele, “populista”, “demagogo”.

Jango era, dizem-me todos, um homem avesso a conflitos, mas impregnado do espirito de justiça que marca o trabalhismo. O que assistimos hoje, em boa parte da mídia conservadora, assemelha-se ao discurso moralista – e falso – da UDN e ao fundamentalismo moralista e religioso da TFP (Tradição, Família e Propriedade). Hoje ela teria outra sigla, onde só a propriedade ficaria, trocando a tradição e a familia pela “modernidade” e o “capital”.

Substituindo Deus pelo Mercado, quem sabe não estarão logo organizando uma Marcha?

Nem solidariedade profissional restou

GilsonSampaio

Jornalistas hondurenhos são assassinados em série e os nossos arautos dos direitos humanos e da liberdade de imprensa permanecem silentes como convém aos sabujos.

Cadê a voz condenatória da UE, da ONU, da Anistia Internacional … da mídia venal tupiniquim e de políticos tucanodemos é inútil esperar alguma coerência.

Ah!, sim. Ia me esquecendo. Do Instituto Millenium é possível que se ouça algo como “isso é trololó de professor vagabundo”

Não restou nem solidariedade profissional restou.

Ola de asesinatos de periodistas en Honduras no genera presión contra ese gobierno, afirma líder de DDHH

Via CubaDebate

Acoso a Radio Globo en HOnduros. Foto: The New York Times

Acoso a Radio Globo en Honduras. Foto: The New York Times

“El asesinato de periodistas en Honduras es un desafío del gobierno hondureño al sistema internacional de derechos humanos”, denunció Bertha Oliva, Coordinadora del Comité de Familiares de Detenidos Desaparecidos en Honduras, COFADEH, quien se quejó de la escasa acción de la comunicad internacional contra el gobierno impuesto por el régimen golpista.

Bertha Oliva denunció la muerte de Nahún Palacios, quien fue asesinado a las 11 de la noche del 14 de marzo. Los criminales le asestaron unos 28 balazos de AK-47, antes de llegar su vivienda en el barrio Los Pinos de Tocoa, en el departamento de Colón, cuando se conducía en un vehículo junto a otra persona la que fue gravemente herida. Él era el director de la televisora del Aguán, Canal 5.

Otros dos asesinatos se registraron el pasado viernes cuando los periodistas José Bayardo Mairena, de 52 años y Manuel Juárez, de 55, recibieron varios disparos mientras viajaban en su vehículo por una carretera del departamento de Olancho, este del país.

Mairena, de Radio Excélsior, donde conducía el programa “Así es Olancho”, falleció en el acto, mientras que Juárez, asistente del anterior, fue trasladado a un hospital de la zona, donde luego pereció,

En el 2009 se registraron los crímenes de otros tres periodistas, Bernardo Rivera Paz, secuestrado en marzo y sus restos hallados el 9 de julio; Santiago Rafael Munguía (31 de marzo) y Gabriel Fino Noriega (3 de julio), “sin que hasta la fecha se haya identificado, procesado o acusado a ningún responsable”.

EL CASO NAHÚN PALACIOS

Oliva explicó cuál fue el delito de estos periodistas, en particular de Nahún Palacios: el simple hecho de informar con veracidad. Contó que militares y paramilitares atacaron la comunidad de La Tascoza en Trujillo, buscando “guerrilleros” y detuvieron a 18 personas, a quienes se llevaron con destino desconocido. Palacios, que entrevistó brevemente a los presuntos sediciosos comentó en la audición dedicada al asunto:

“Aquí, esta gente no tiene cara de terroristas, son gente humilde, campesinos pobres”.

Contradecía lo asegurado falsamente y publicado días atrás por el diario La Prensa, que intentaba involucrar a los dirigentes del MUCA con hechos delictivos. Se trata -a ojos vista- de una evidentemente campaña para “ablandar” sus posiciones, frente al nuevo encuentro previsto con el gobierno para el 23 de marzo.

El régimen espurio de Porfirio Lobo continúa facilitándole la apropiación (de tierras entregadas por Zelaya) al clan Facussé -uno de los riquísimos dueños de Honduras- mediante la violenta expulsión de sus asignatarios y el asesinato de los testigos “no gratos”.

Es decir de los periodistas independientes que aun quedan. Oliva señaló que con esta situación COFADEH activa nuevamente en forma emergente su sistema de alerta internacional, pues hay más comunicadores amenazados por su ejercicio periodístico, en detrimento de la libertad de Expresión e Información, contemplados en tratados y convenios internacionales y la Constitución de Honduras.

Palacios, es uno de los periodista que el 24 de julio del año pasado fue hostigado fuertemente por los cuerpos represivos al difundir información sobre las protestas populares contra el golpe de Estado, producto de lo cual la Comisión Interamericana de Derechos Humanos, CIDH, había otorgado medidas cautelares.

En los últimos días el periodista asesinado transmitía mucha información sobre el conflicto en el Bajo Aguán, donde unas tres mil familias están siendo víctimas de hostigamiento por parte de terratenientes poderosos, entre ellos Miguel Facussé Barjum, que quieren quedarse con las mismas y han levantado una fuerte campaña en medios de comunicación afines, para tratar de deslegitimar la lucha por la tierra.

Desde julio de 2009 COFADEH solicitó medidas cautelares a favor de periodista. El 10 de julio de 2009 el Comité de Familiares de Detenidos Desaparecidos en Honduras, COFADEH, solicitó ante la CIDH medidas cautelares para varios periodistas que estaban sufriendo represión por el régimen de Roberto Micheletti, entre ellos Palacios.

El día 28 de junio de 2009, elementos de la Base Naval de Puerto Castilla, al mando de tres coroneles se apersonaron a la Televisora del Aguán, Canal 5, en donde amenazaron al periodista Nahúm Palacios, y le decomisaron el equipo del estudio.

El operativo fue comandado por el Capitán Tercero, quien ordenó la detención de cuatro miembros del personal que laboran en los programas Tele-Cinco que se trasmite a las 6 de la tarde y del Meridiano Informativo que se transmite a las 12:00 m. Johny Nahín Palacios, Dariel Hernández, Ángel Nolasco y Elmer.

Posteriormente, el 29 de junio, a las 6:40 a.m., este mismo comando del ejército al mando del Comandante de la Base Naval, de apellido Tercero allanó su vivienda, y le sentenció que solo debía pasar cosas del nuevo gobierno. Durante el mismo maltrató físicamente a cuatro de los hijos del periodista obligándoles a ver el sol.

El periodista Palacios fue detenido, acusado de llamar al desorden y a la insurrección, permaneciendo en la posta policial durante una hora, fue liberado por la intervención de la juez Suyapa Baca que nombró un defensor público. Durante la detención, el Capitán Tercero lo maltrataba verbalmente y le decía que no tenía derechos constitucionales.

Este mismo día allanaron la casa de la propietaria del canal, Elia Suyapa Trejo, quien fue agredida. En el oficio MC 196/09, la CIDHle solicitó al Estado hondureño salvaguardar la vida e integridad de Palacios por la situación de riesgo en que se encontraba, a la vez que solicitó contar con información sobre la implementación de las medidas requeridas antes del 29 de julio de 2009.

Aunque la vida de Palacios siempre estuvo en riesgo el Estado hondureño nunca implementó las medidas cautelares. Al ser consultado por el COFADEH, Fernando Griffin, delegado de la Secretaría de Seguridad, para llevar a cabo esta tarea, manifestó que no ha sido posible porque aún espera instrucciones de las altas autoridades de esta dependencia. Tres periodistas fueron asesinados en menos de un mes.

Vai faltar cachaça e rapadura no mercado interno

GilsonSampaio

Nossos ruralistas alcooleiros são muito patriotas. Sob o manto do altruísmo nacionalista são capazes de sacrificarem suas vidas e bens pelo bem maior do Brasil. Só não fazem mais porque são atrapalhados pelos sem-terra e pelos pequenos camponeses, também reclamam de uma atenção mais carinhosa do governo. Pelo menos é esse o discurso de Kátia demo feudal Abreu, Reinhold Stephanes, Xico Graziano, Ronaldo Caiado, Rede Bandalha, Grobo etc propagam com a mão postada no lado esquerdo do peito.

Nos último meses, até a rede bandalha denunciou a ganância dos nossos ruralistas alcooleiros que deixaram de produzir álcool para faturar com a exportação de açúcar. Ganharam nas duas pontas. Com o preço do açúcar em alta no exterior e com a alta do álcool no mercado interno. Quem se ferrou foi a população.

Pra segurar o preço, o governo reduziu de 25% para 20% da mistura de álcool à gasolina. Hoje, com o preço do álcool vem caindo com o início da safra, nossos ruralistas alcooleiros tão patriotas querem que a mistura volte aos 25% para garantirem suas margens de lucro.

Ano que vem, como é de praxe, aplicam o mesmo golpe e o governo faz cara de paisagem como sempre tem feito e o povo se ferra como sempre tem sido ferrado.

Dá até para prever. Se o EU baixarem a taxa de importação do álccol brasileiro, vai faltar cachaça e rapadura no mercado interno.

Cumé qui pode?

Sanguessugado do Tijolaço

Serra tem 11% de ruim+péssimo. E 28% o rejeitam?

Cada fornada de números que o Datafolha vai soltando vai deixando a sua pesquisa com a consistência de um pudim. Hoje sai o índice de aprovação do Governo José Serra: 55% aprovação (ótimo e bom), 32% de regular e 11% na soma de ruim e péssimo. Tudo bem, pode ser e pode não ser. Mas na mesma pesquisa se apura que nada menos que 28% dos entrevistados diz que rejeitaria qualquer candidato apoiado por ele. O contrário, os que dizem que com certeza votariam em alguém indicado por Serra somam apenas 22%. Ou seja, menos da metade (40%) dos que o consideram bom e ótimo dão a seu candidato apoio incondicional.

Lula tem 76% de aprovação, ma mesma pesquisa e a disposição de 40% dos eleitores de votar com certeza em alguém apoiado por ele. O contrário, segundo o Datafolha, é que 23% não votariam de jeito nenhum. Lula, portanto, tem aopoio incondicional para indicar candidato de 52, 6%% dos que avaliam positivamente seu Governo.

E os analistas de pesquisa ainda têm duvida de quem tem mais facilidade em transferir votos?

Ah, um detalhe: se conseguisse traduzir em votos todos os 55% de aprovação que tem e a campanha se polarizar de forma a Dilma a receber os votos dos que tem rejeição completa a Serra, o tucano perdeu a eleição. A “frente” de 27% dos votos paulistas representa 8 milhões de votos. Na eleição de 2006, no primeiro turno, Alckimn ganhou por quatro milhões de votos em São Paulo e perdeu por sete milhões no total nacional.

E Lula tinha 51% de popularidade, não os 76% que tem hoje.

Páscoa tucana

Sanguessugado do ComTextoLivre

clique na imagem para aumentar

Ceia tucana

Com a Chegada da Páscoa o Espírito Católico se Revela Malhando o Judas, A Escolha do Vice

Dilemas, Dúvidas, Incertezas,

e uma Crônica Falta de Recursos!

Cadê o Arruda?

Considerando a melhor época para assumir de vez a candidatura e renunciar ao governo (?) de SP, ssERRA deve estar pensando assim:

"Tem que ser o mais tarde possível, pra dar tempo de refletir bem(?), deve ser perto da Páscoa, época de renascimento (ó nóis aí!)!

Só não pode ser na sexta feira, imagina se me chamam de Pilatos, ou pior, Barrabás! E ainda tem a estória dos dois ladrões, vai que o pessoal associa…

No sábado também não dá, dia de malharem o Judas e não sou eu que vai botar o * na reta!

Domingo é impossível, se não consigo competir com o Lula, com Jesus ressurrecto então…

Só sobra a quinta feira e arriscar no primeiro de abril, qualquer coisa que eu anuncie o pesssoal vai rir mesmo, mas isso eu tiro de letra!

ENTÃO, VEM A ESCOLHA DO VICE


By: Blog do Saraiva e do Amoral Nato

segunda-feira, 29 de março de 2010

Condenados pela morte de missionária são beneficiados com saída temporária

GilsonSampaio

Direitos humanos em Cuba, demonização do MST e criminalização dos movimentos sociais sempre estão na pauta da mídia venal. Já a situação carcerária no país e, especialmente no Espírito Santo, que foi denunciada na ONU, são dignas apenas de breves citações.

Dorothy Stang foi vítima de crime hediondo, premeditado e sem chance de defesa há cinco anos. A justiça do Pará conseguiu a proeza de condenar o mandante a 30 anos no primeiro julgamento, no segundo inocentou-o. Agora, será julgado novamente.

Seus jagunços já têm direito ao benefícios da lei.

Via AgênciaBrasil

Condenados pela morte de missionária são beneficiados com saída temporária

Lísia Gusmão*
Repórter da Agência Brasil
Brasília – Condenados pela morte da missionária Dorothy Stang, em fevereiro de 2005, Rayfran das Neves, Amair Feijoli e Clodoaldo Batista vão passar a Páscoa com a família. Eles foram beneficiados com a saída temporária concedida hoje (29) a 500 presos no sistema prisional do Pará e devem retornar para a prisão na segunda-feira (5).
Para ser beneficiado com a saída temporária, é preciso ter bom comportamento, estar no regime aberto ou semiaberto e ter cumprido um sexto da pena. Clodoaldo Batista cumpre pena de 17 anos, enquanto Amair Feijoli da Cunha, o Tato, foi condenado a 18 anos por intermediar o crime. Já Rayfran das Neves Sales, réu confesso do crime, foi condenado a 28 anos de prisão. Como estão presos desde 2005, já cumpriram o período necessário para desfrutar do benefício.
Acusado de ser o mandante do assassinato da missionária, Vitalmiro Bastos de Moura, conhecido como Bida, tenta, no Supremo Tribunal Federal (STF), adiar o julgamento marcado para quarta-feira (31).

Vitalmiro foi, em princípio, condenado a 30 anos de prisão pelo Tribunal do Júri. Mas, em um segundo julgamento, em 6 de maio de 2008, foi inocentado, mediante uso de provas ilícitas. Por um recurso ao Tribunal de Justiça do Pará, a Corte estadual anulou a sentença do segundo júri por contrariedade às provas do processo e determinou que Bida respondesse ao processo criminal preso. Ele entrou com habeas corpus no STJ e conseguiu, por meio de liminar, a liberdade, mas a decisão foi cassada no julgamento do mérito. Atualmente, Bida encontra-se preso.

O julgamento do pedido de habeas corpus - que pede o adiamento do júri e a soltura de Bida - está com o ministro Cezar Peluso. Ele o remeteu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) que deverá prestar informações ao Supremo sobre a decisão de cassar a liberdade de Vitalmiro, determinada pela Justiça do Pará.

Barbárie

Via CubaDebate

Israel expulsa a familia palestina y encima exige que pague gastos de evacuación

Familia Majed Hannoun

El Centro Jerusalén para los Derechos Sociales y Económicos (CJDSE) informó de que el miércoles la policía israelí entregó una orden a una familia palestina de Jerusalén Este exigiendo el pago de 13.000 NIS por los gastos de expulsión de su hogar.

Los miembros de la familia de Majed Hannoun, del barrio de Sheikh Jarrah, fueron forzados a salir de su hogar el año pasado y fueron reemplazados por colonos judíos fundamentalistas.

Y ahora el Ayuntamiento de Jerusalén, gobernado por colonos, exige a la familia el pago de 13.000 NIS por los gastos de los trabajadores que los sacaron de su hogar y por los equipos del municipio utilizados en la evacuación.

La Unidad de Investigación y Documentación del CJDSE informó de que otras dos familias que también fueron forzadas a salir de sus casas en Sheikh Jarrah el pasado año temen que se tomen las mismas medidas contra ellos.

Las familias de Maher Hannoun y Abdul-Fattah Al Ghawi fueron obligadas a abandonar sus hogares y los colonos fundamentalistas arrojaron sus pertenencias a la calle.

Después los servicios municipales de Jerusalén trasladaron los muebles a una plaza frente al Ayuntamiento en Sheikh Jarrah.

Ahora ambas familias viven en tiendas de campaña y temen que Israel también intente hacerles pagar los gastos de su expulsión.

El Ayuntamiento de Jerusalén ha desmantelado repetidamente las tiendas y ha intentado obligar a los residentes a salir de Sheikh Jarrah.

Este incidente llega en medio de las violaciones que lleva a cabo Israel contra los palestinos nativos de Jerusalén y en medio de la continuada construcción y expansión de colonias en la ciudad y sus alrededores.

Esto también forma parte de la política israelí de demolición de hogares árabes palestinos en Jerusalén Este.

PESQUISAS, PARA QUE SERVEM?

Laerte Braga

IBOPE e DATA FOLHA cumprem um papel dentro do processo eleitoral. O de distorcer e criar realidades inexistentes, que pareçam reais, na tentativa de fazer com que os interesses que representam sejam alcançados.

Pesquisas são importantes, ninguém tem dúvidas disso, falo de pesquisas eleitorais. Mas têm servido a propósitos bem diversos daqueles que em tese se propõem. Medir a intenção de votos do eleitorado.

Não faz tempo um hacker foi preso nos Estados Unidos depois de muitos anos de busca e rastreamento. Não tirava milhões de contas bancárias. Tirava centavos, no máximo dez ou vinte dólares de milhões de contas. A soma do produto era o mesmo. O jeito de fazer não.

Partidos políticos representam, como a própria expressão partido indica, a representação organizada de parte da sociedade dentro do processo democrático, ou supostamente democrático.

Têm programas. Um conjunto de idéias nas quais aparentemente se estruturam e idéias que pretendem transformar em realidade quando alcançam o poder, qualquer que seja o seu nível, municipal, estadual ou federal.

O PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira – surgiu de uma dissidência no PMDB e o argumento de seus fundadores, Mário Covas à frente, era o de que o PMDB havia perdido sua essência, seu sentido, transformara-se num partido movido a clientelismo e fisiologia política. Um amontoado de interesses de caciques desse ou daquele estado.

O PSDB, na verdade, era muito mais uma dissidência paulista que chegou a Minas Gerais no momento em que Orestes Quércia e Newton Cardoso foram eleitos, 1986, respectivamente governadores dos dois estados mais importantes da Federação.

Começou a amadurecer em 1985, quando FHC perdeu as eleições para a prefeitura de São Paulo para o tresloucado Jânio Quadros.

Os principais líderes do partido estavam à esquerda do PMDB, resgatavam (era o que diziam) posições históricas do antigo MDB (o partido de combate a ditadura) e em 1989, logo após a definição dos dois nomes que iriam para a disputa presidencial – Collor e Lula -, seu principal líder Mário Covas arrastou o partido a apoiar Lula. Para isso enfrentou a oposição de FHC e Serra que defendiam o apoio a Collor.

De lá para cá o PSDB, ou tucanos como são conhecidos, foi se transformando, se descaracterizando e virou aliado da extrema-direita no Brasil, a antiga ARENA, que virou PFL e agora é DEMocrata – partido de Arruda, aquele do “vote num careca e eleja dois -.

Em São Paulo o antigo desafeto de FHC e José Collor Arruda Serra, Orestes Quércia é hoje o principal aliado do governador tucano. Quércia continua no PMDB e deve ser eleito senador com o apoio de Serra.

Quando se viu em palpo de aranhas, enrolado com a corrupção em seu governo, Collor de Mello tentou de todas as formas um acordo com o PSDB, através de FHC e não fosse a atitude de Mário Covas, um simples não, FHC iria tentar salvar o insalvável governo. Não há diferenças entre Collor e FHC, nem de Serra. Representam os mesmos interesses, são funcionários de potência estrangeira.

FHC não conseguiu salvar Collor, enrolou Itamar e virou presidente em 1994. Deu um golpe branco em 1998 comprando uma reeleição e vendeu o País. Lula assumiu um Brasil quebrado, em vias de ir para o espaço.

Querem voltar e vender o resto. Arruda Serra é o nome indicado.

Uma das características do PSDB – não é mais um partido, mas um departamento da Fundação Ford – é a de escorar-se num programa, sinalizar à esquerda e virar à direita. Não se trata de um programa de governo o que é oferecido aos brasileiros, mas um engodo que para eles é um grande negócio.

A polícia britânica, Scotland Yard prendeu na semana passada diretores da empresa ALSTOM. A acusação é simples. Suborno de políticos latino-americanos para conseguir obras. Uma delas? O metrô de São Paulo. Subornou Geraldo Alkimin e suborna José Collor Arruda Serra.

Outra característica do PSDB é ter a chamada grande mídia como aliado. A mídia brasileira, a eletrônica principalmente, desde o governo FHC conta com participação do capital estrangeiro às claras (antes contava às escuras, tinha que disfarçar). Redes de Tevê como GLOBO e BANDEIRANTES, todo o sistema de rádios dessas empresas, jornais, outros grupos como o que edita VEJA, FOLHA DE SÃO PAULO, ESTADO DE MINAS, são como que jornais marrons, ou seja venais, a serviço desses interesses, desse capital estrangeiro.

O Brasil é um país chave para os projetos das grandes empresas. E se o Brasil é estratégico para essa gente os brasileiros não. Que se danem.

A pesquisa do Instituto Data Folha, no dia seguinte ao término do show Nardoni e pouco antes da final do bordel BBB, foi estratégica. Num momento em que a candidatura José Collor Arruda Serra afunda, tentam resgatar do fundo do poço o governador de São Paulo. À boca pequena os seus principais aliados já admitem a derrota diante não só das indecisões de Serra, como por conta do seu mau caratismo (passou a perna em vários companheiros, inclusive Aécio, que está liberando prefeitos para apoiar Dilma e vai repetir o que fez em 2006 – de público é Serra, para valer quer que Serra se estrepe).

Roger-Gérard Schwartzenberg, cientista político e autor de “O ESTADO ESPETÁCULO” (DIFEL, São Paulo, 1978), ao tratar de pesquisas de opinião pública diz o seguinte entre outras coisas.

“Desejando fazer como todo mundo o eleitor abandona sua escolha inicial. Volta-se para o candidato sustentado pela maioria”. E cita o exemplo da eleição do presidente francês Giscard D’Estaing, derrotando Jacques Chaban Delmas.

E conclui – “a sondagem passaria então a constituir um instrumento de manipulação e pressão. Criando um sentimento de unanimidade ou, pelo menos, de preponderância a favor de um candidato. Normalizando os comportamentos eleitorais para ajustá-los ao modelo dominante”.

A pesquisa do DATA FOLHA, quando a realidade mostra o contrário, é exatamente essa tentativa de normalizar o comportamento eleitoral.

O que é o eleitor? Ninguém, ou seja, se alguém o é, é para ser a manipulado, ludibriado, enganado.

“Vendam seus candidatos como o mundo dos negócios vende seus produtos”. Declaração de Leonard Hall, presidente do Partido Republicano, na campanha eleitoral de 1956, quando a chapa Eisenhower e Nixon derrotou a democrata. O candidato rival a presidente era Adlai Stevenson.

“Agora o candidato-produto deve conquistar um eleitorado-mercado e provocar votos-compra”. É o que diz o presidente do Young and Rublicam France e mais – “o produto passa a ser o candidato. Sua embalagem é seu aspecto físico, sua maneira de falar, de sorrir, de se mexer. Sua definição , seu posicionamento, é seu programa”.

Serra é isso. Um produto vendido aos brasileiros pela grande mídia, venal e corrupta em função de interesses de grandes grupos econômicos estrangeiros, dos EUA e em cumplicidade com as fétidas elites brasileiras. O esquema FIESP/DASLU.

Dois exemplos de como se compra ou um jornalista, ou a mídia.

O jornalista Gilberto Dimenstein escreve no JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, tem uma escrita de bom moço, preocupado com a educação, voltado para o interesse público, etc, etc. Aí montou uma arapuca, ONG, fechou um contrato com o governo de São Paulo e recebeu desde 2006, quando da eleição de Arruda Serra, a “modesta quantia de três milhões setecentos e vinte e cinco mil duzentos e vinte e dois reais e setenta e quatro centavos. A arapuca se chama ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ.

O fato pode ser constatado no próprio DIÁRIO OFICIAL do governo paulista e foi levantado pelo blog NAMARIA NEWS. O jornalista que tinha um acentuado espírito crítico, foi linha de frente no combate à corrupção no governo Collor, mudou de lado, passou a receber para falar bem.

O governo de São Paulo fechou contrato com a Editora Abril, que entre outras publicações edita a mentirosa e venal VEJA. Milionário, o contrato, revistas são distribuídas às escolas, não houve concorrência e a “ideologia tucana”, o “lucro acima de tudo nem que seja necessário vender a mãe”, imposta às escolas. Professores apanham da Polícia e recebem salário de fome.

Quanto a GLOBO não é necessário falar. Nasceu corrupta, corrupta permanece, é o principal instrumento de transformação do brasileiro em bocó, pronto a aceitar qualquer arreio, qualquer sela, desde que seja do interesse de quem paga, ou dos que pagam.

E são as elites que pagam.

Paulo Henrique Amorim, em seu blog, jornalista independente, mostra que a senadora Kátia Abreu, corrupta e sem nenhum princípio ético, recebeu vinte e cinco vezes mais o que o MST recebe para financiar seus pequenos assentamentos e sustentar a agricultura familiar (sem os transgênicos de Kátia Abreu, que acrescentam a propina ao que a senadora recebe para “financiar” projetos que acabam sendo campanhas eleitorais).

Está correndo o Brasil colhendo “recursos” para a campanha de José Collor Arruda Serra junto às quadrilhas DEM e tucana e latifundiários. E vendendo a idéia que tem algum respeito pelo Brasil e pelos brasileiros.

A pesquisa do DATA FOLHA cumpriu esse papel. De tentar “normalizar”, vale dizer enquadrar, o eleitor. Só não mostrou que na espontânea, ou seja, naquela que o eleitor responde sem ver nomes, Dilma está à frente.

São bandidos travestidos de políticos e a Polícia Federal tem já em mãos dados da corrupção ARRUDA SERRA/VEJA.

É como concluiu o presidente do Partido Republicano em 1956, Leonard Hall. “o candidato agora é sabão, tratem de vender sabão aos eleitores”.