quinta-feira, 26 de agosto de 2010

UMA IMAGEM QUE VALE POR MIL PALAVRAS, MIL TEXTOS, MIL "POSTS"...

sanguessugado do “teacher” Ramos

 

  Após assistir ao vídeo em que Lula, em Campo Grande, lavou a alma dos brasileiros (aqui) jogando na cara do Pig e da massa cheirosa todo o preconceito do qual fora vítima por não ter estudado, por não falar inglês, fiquei me perguntando onde ele, "o cara",  ia buscar inspiração para fazer um discurso daqueles.  Fiquei me perguntando: quem era aquele brasileiro, que comparado aos grande líderes influenciadores de massas, é capaz de falar diretamente ao coração do povo, ora pedindo votos para a sua candidata, ora desnudando sem dó nem piedade a elite e o sua marionete( o Serra). Então,  dando uma olhada na rede,  deparei-me com a foto acima (que já tinha visto em diversos blogs e site) e compreendi tudo: a força vinha da terra, do povo.

"Nunca antes na história deste país" um governante (eu ousaria dizer que nem Getúlio - até porque os tempos eram outros) esteve nos braços da massa numa situação que demonstrasse tanto carinho, tanta cumplicidade. Para nós que vimos recentemente Serra beijar a própria mão ao invés da mão da eleitora,  ao vermos essa imagem novamente nos questionamos: que Presidente é esse? Que outro líder no mundo hoje tem condições de ficar assim com seus governados? livre, espontâneo, natural, feliz, um entregue ao outro. Não, Catanhede,  essa foto não é montada. Não se sabe o cheiro que havia aí, nessa hora. O que se pode sentir ao vermos esta imagem é apenas uma coisa: O amor verdadeiro e sincero entre um governante e seu povo, uma cumplicidade que só é possível quando se tem certeza de que se está entre amigos, entre os seus.

By the teacher.

P.S: Como todo "teacher" que se preze, eu falo inglês!! Mas e daí??! Jamais chegarei nem perto da inteligência e do conhecimento que esse "apedeuta" adquiriu na vida. Eu amo esse cara!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.