domingo, 29 de agosto de 2010

Rabi prega o genocídio palestino

Via Publico

A poucos dias das conversações de Washington

“É proibido ter misericórdia para com eles. Deveremos enviar mísseis e aniquilá-los”, insistiu Ovadia Yosef”.

Israel: Rabi ultra-ortodoxo pede que se acabe com Abbas e com todos os palestinianos

O líder espiritual do partido religioso Shas, rabi Ovadia Yosef, denunciou as conversações de paz com os palestinianos que esta semana arrancam em Washington e desejou a morte do presidente da Autoridade Palestiniana (AP), Mahmoud Abbas.

Em 2001, o mesmo rabi de uma facção ultra-ortodoxa já pedira que os árabes fossem aniquilados

Em 2001, o mesmo rabi de uma facção ultra-ortodoxa já pedira que os árabes fossem aniquilados (Reuters)

“Abu Mazen e toda essa gente diabólica deveria desaparecer deste mundo”, disse o rabi Ovadia, de 89 anos, durante o seu sermão semanal numa sinagoga perto da casa onde reside, em Jerusalém, segundo relatou a Rádio do Exército. Abu Mazen é outro nome porque também é conhecido o dirigente máximo da AP.
“Deus deveria abatê-los com uma praga, a todos esses palestinianos”, prosseguiu o líder espiritual do Shas, pouco antes do arranque, dia 2 de Setembro, das conversações de Washington entre Israel e a AP.
Em 2001, o mesmo rabi de uma facção ultra-ortodoxa já pedira que os árabes fossem aniquilados.
“É proibido ter misericórdia para com eles. Deveremos enviar mísseis e aniquilá-los”, insistiu Ovadia Yosef.
O porta-voz da AP, Ghassan Khatib, pediu ao primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e ao líder do Shas, o ministro do Interior, Eli Yishai, que condenem semelhantes observações.
Por seu turno, o principal negociador palestiniano, Saeb Erekat, afirmou que as palavras de Yosef equivalem a um incitamento ao genocídio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.