quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Israel quer esconder as provas de limpeza étnica iniciada em 1948

Via SomosTodosPalestinos

23 de agosto de 2010


A História pode ser escrita pelos vencedores , como Winston Churchill observou , mas a abertura de arquivos pode ameaçar uma nação , tanto quanto a descoberta de valas comuns.
Esse perigo explica uma decisão, tomada no mês passado por Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israelense, de ampliar por mais 20 anos o limite de 50 anos, durante os quais os documentos permaneçam secretos.
A nova regra para a desclassificação de 70 anos é a resposta do governo às tentativas de obtenção, através dos tribunais, o acesso aos documentos que já deveriam estar liberados para consulta, especialmente aqueles que têm a ver com a ocupação de 1948 estabelecido Israel, e a crise do Canal de Suez em 1956.
O arquivista funcionário do estado diz que muitos documentos " não são adequados para o conhecimento público "e lançam dúvidas sobre a " observação do direito internacional " por parte de Israel , enquanto o governo adverte que uma maior transparência "vai prejudicar as relações no ambito internacional. "
O significado dessas declarações fica mais claro pelos resultados de uma investigação recente do jornal israelense Haaretz sobre a Guerra dos Seis Dias de 1967, quando Israel capturou não só os territórios palestinos da Cisjordânia e Gaza, mas também uma parte importante da Síria, conhecidos como as Colinas de Golã , sob ocupação, também até hoje.
O consenso em Israel é que a percepção sobre o direito de manter as Colinas de Golã é ainda mais forte do que a percepção coletiva do direito à Cisjordânia . Segundo pesquisas , uma esmagadora maioria dos judeus israelenses se recusaram à devolução das terras da Síria anexadas, mesmo que isso garantisse a paz com Damasco.
Esta intransigência não é surpreendente. Durante décadas, uma grandiosa narrativa foi encenada e tida como verdadeira a seguinte história oficial: depois de repelir um ataque das forças Sírias, Israel magnanimamente permitiu que a população civil síria de Golã vivesse sob sua dominação. Este é o motivo, segundo os sionistas, pelo qual a população de 4 aldeias drusas ainda vive alí. E a maioria preferiu abandonar a região por instruções de Damasco.
Um influente jornalista chegou a insinuar que havia anti- semitismo por parte de civis que se foram: " Todos fugiram, até o último homem , antes que o IDF - exército Israel - chegasse , por medo do " conquistador selvagem ". Idiotas, por que se foram ? "
No entanto, um quadro muito diferente surge a partir das entrevistas do Haaretz, com os participantes . Essas pessoas dizem que, com exceção de 6000, os 130.000 civis de Golã foram aterrorizados ou fisicamente expulsos, sendo alguns deles muito depois do fim do combate com a resistência. Um documento do Exército revela um plano para erradicação total da população síria na região, excetuando-se apenas drusos do Golã , a fim de não prejudicar as relações com a comunidade drusa dentro de Israel .

As tarefas do Exército após a guerra incluiu a expulsão de milhares de agricultores que se esconderam nas cavernas e na florestas. As casas foram saqueadas antes do mesmo exército destruir todos os vestígios de 200 aldeias de modo que os antigos habitantes não tinham mais para onde voltar. Os primeiros colonos judeus enviados recordam ter visto os antigos camponeses expropriados lhes observando de longe.

A investigação do Haaretz apresenta um informe sobre a limpeza étnica metódica e generalizada que não se ajusta à história oficial de Israel criada em 1967, nem a idéia do população judia que seu exército é o " mais moral do mundo ". Possivelmente isto pode explicar porque proeminente , embora anônimo, historiadores israelense admitiram ao Jornal que haviam conhecido essa "narrativa alternativos ", mas não fizeram nada para investiga-la e publicar seus resultados.

O novo material é suficientemente explosivo: Contradiz a narrativa oficial sionista sobre a ocupação em1948, que diz que os palestinos deixaram voluntariamente suas terras por ordem de seus líderes árabes, na esperança de que os exércitos dos países árabes acabariam com o Estado judeu em um banho de sangue .

Pelo contrário , os documentos indicam que milicias judais fortemente armadas expulsam centenas de milhares de palestinos e se apropriam de suas terras antes mesmo da criação do Estado judeu e de um soldado árabes entrar na Palestina .
Um documento particular, o Plano Dalet , demostra a intenção do exército sionista de expulsar os palestinos de sua terra natal . Sua existência , explica a limpeza étnica de mais de 80% dos palestinos durante a ocupação , seguido por uma campanha militar para destruir centenas de vilas para assegurar que os refugiados nunca voltem.
A limpeza étnica é o tema comum de ambas as ocupações feitas pelo sionismo. É quase certo que um exame mais aprofundado dos arquivos irá revelar com mais detalhes como e por que essas campanhas de "limpeza" foram feitas , este é precisamente o motivo que Netanyahu e outros querem manter os arquivos bloqueados.
A divulgação completa desses documentos destruidores dos mito pode ser a condição prévia para a paz. Certamente mais revelações semelhante a estas representam uma esperança de sacudir a opinião pública judia e tirá-la da posição arrogante que vêm tudo como uma concessões significativas para a Síria ou a Palestina.
É também um primeiro passo necessário para questionar as contínuas políticas, por Israel, da limpeza étnica dos palestinos , como as que ocorreram nas últimas semanas contra os beduínos no Vale do Jordão e do Neguev , onde novamente o exército arrasou as aldeias e expulsou as famílias.
Devemos exigir a abertura imediata dos arquivos. Todos devem tomar conhecimento dos motivos e razões daqueles que querem mantê-los segredo.
Jonathan Cook é escritor e jornalista que mora em Nazaré, Israel. Seus últimos livros são Israel eo Choque de Civilizações : Iraque, Irão e do Plano de refazer o Médio Oriente ( Pluto Press ) e Disappearing Palestine: Israel 's Experiments in Human Despair ( Zed Books) . Seu site é www.jkcook.net.
Fonte: http://www.counterpunch.org/cook08192010.html

2 comentários:

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.